Bullying: Especialista esclarece dúvidas sobre o problema

Bullying: Especialista esclarece dúvidas sobre o problema

Atualizado: Quarta-feira, 30 Março de 2011 as 8:28

Graduado pela South High School, em Denver, EUA, o Doutor Gustavo Teixeira deu continuidade aos seus estudos no Instituto de Psiquiatria da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Também especializado em saúde mental infantil pela Santa Casa do Rio de Janeiro, Dr. Gustavo desenvolve trabalho de psicoeducação nos transtornos comportamentais infantis, inclusive realizando diversas palestras de orientação quanto às condições comportamentais de crianças e adolescentes no ambiente escolar.

Nas duas últimas semanas o assunto BULLYING voltou a ser uma dos mais comentados em todo o mundo após a divulgação de um vídeo em que um garoto australiano ficou conhecido como 'herói' após reagir a agressões de um colega. Veja o vídeo aqui .

O Doutor Gustavo está lançando, pela editora Best Seller, o Manual Antibullying, com dicas que visam acabar com o problema que tem atingido cada vez mais estudantes.

Em entrevista ao GUIA-ME , o especialista respondeu a algumas perguntas para ajudar a esclarecer mais esse tema polêmico. Confira.

GUIA-ME: Que atitudes podem ser consideradas bullying?

Bullying são atos de de agressão física, verbal ou moral; executados de forma repetitiva, sem motivação evidente e em uma relação desigual de poder entre um ou mais alunos contra outro estudante.

GUIA-ME: Dados do IBGE revelam que 31% de estudantes brasileiros já sofreram bullying. Pode ser considerado um índice assustador?

São números muito próximos dos dados encontrados em escolas de outros países do mundo. São dados importantes e que merecem nossa atenção.

GUIA-ME: Dá para identificar que uma criança ou adolescente tem sido vítima de bullying?

Bem, sabemos que existem perfis psicológicos mais característicos de crianças vítimas de bullying. Ao identificar estudantes tímidos, retraídos e com poucos amigos, podemos realizar um trabalho de treinamento em habilidades sociais e estimular a prática de esportes coletivos, por exemplo. Assim, capacitando professores e pais podemos desenvolver estratégias importantes na prevenção do bullying nas escolas.

GUIA-ME: E o perfil de quem pratica bullying, como é?

São alunos que se sentem superiores aos demais e acreditam na impunidade de seus atos.

GUIA-ME: A escola é o lugar mais propenso à ocorrência de bullying. Qual deve ser a atitude de professores e coordenadores desde o momento de suspeita das agressões?

A escola deve se posicionar. Ficar atenta, monitorar e identificar casos de bullying para realizar uma intervenção precoce. Mas o ideal é trabalhar na prevenção, esso foi um dos motivos de escrever MANUAL ANTIBULLYING.

GUIA-ME: E quanto aos pais? Como devem agir os responsáveis dos envolvidos, tanto do agressor quanto do agredido?

Pais precisam entender os motivos que estão levando a esse problema e devem trabalhar juntamente com a escola para resolver esse grave problema de bullying.

GUIA-ME: Que conselho o Sr. dá àqueles que querem defender-se do bullying?

Não tenha medo de pedir ajuda! Peça ajuda a seus pais e à coordenação da escola. O bullying é uma violência grave e deve ser combatida com o auxílio de adultos na escola e em casa! A idéia será trabalhar juntos para vencer esse problema!!!

GUIA-ME: O dr. está para lançar o Manual Antibullying. O livro é tanto para alunos, quanto para pais e professores?

Sim, o livro é um guia, um manual de ajuda para pais, professores e alunos. A intenção é oferecer AJUDA. Um livro de leitura fácil e objetiva para que todos possam aprender a vencer essa violência escolar!!!

Mais informações sobre o Manual Antibullying e o Dr. Gustavo Teixeira: www.comportamentoinfantil.com

Abaixo, uma charge de Maurício Ricardo sobre o Bullying:

Por Juliana Simioni

veja também