Busca pelo par ideal impulsiona agências de encontro

Busca pelo par ideal impulsiona agências de encontro

Atualizado: Terça-feira, 30 Agosto de 2011 as 1:04

"Está cada vez mais difícil encontrar alguém para ter um relacionamento sério." A afirmação é da empresária Fabiana Dian Ferreira, 34, que viu na solidão um negócio rentável.

Há três meses, Ferreira abriu, em Curitiba (PR), a primeira concessão (espécie de franquia) da A2Encontros , empresa de relacionamento que tem no Brasil 78 mil solitários cadastrados em busca do par perfeito.

"As pessoas que nos procuram são independentes e escoladas, se preocuparam com a carreira e com o lado financeiro, mas esqueceram o lado emocional", afirma a empreendedora.

Ao contrário de muitas agências de encontro, que funcionam apenas pela internet, a empresa tem unidades físicas. Hoje, a A2Encontros conta com unidades em São Paulo, Rio de Janeiro, Campinas, Curitiba, Belo Horizonte e Santos.

O investimento inicial de uma concessão varia de acordo com o local. Os royalties começam a ser pagos após três anos e são de 20% sobre o faturamento, segundo Cláudya Toledo, dona da marca.

Em Curitiba, exemplifica Toledo, o investimento inicial sem ponto comercial é de R$ 360 mil e o faturamento mínimo, de R$ 50 mil por mês. O empresário recebe treinamentos, manuais e consultoria especializada.

Para encontrar um par pela agência, o cliente desembolsa de R$ 1.000 a R$ 18 mil, dependendo da avaliação do perfil, feita com psicólogos no local. Os pacotes incluem workshops e encontros marcados na agência.

A eHarmony , empresa de relacionamentos norte-americana, que chegou ao Brasil em agosto do ano passado, é totalmente on-line e não tem planos de expandir a marca por meio de concessões, afirma Stanlei Bellan, diretor-geral da empresa no Brasil.

Contudo, ele vê espaço para o mercado de relacionamento crescer. No país, a empresa conta com 400 mil cadastrados.

"O negócio da eHarmony é focado em encontrar pessoas que sejam compatíveis. A compatibilidade é a meta da empresa", afirma Bellan.

Segundo o executivo, o número de assinantes no país cresce em torno de 10% ao mês e o faturamento acompanha esse aumento. "O negócio é rentável", diz.

veja também