Com 7 bilhões de pessoas, jovens são quase metade da população mundial

Com 7 bilhões de pessoas, jovens são quase metade da população mundial

Atualizado: Sexta-feira, 28 Outubro de 2011 as 9:42

A chegada da população mundial aos sete bilhões de habitantes, que deve aumentar para mais de 10 bilhões em 2100, é uma grande conquista para a humanidade, mas também cria novos desafios importantes para evitar o aumento das desigualdades, considerou a ONU. Segundo o relatório sobre a Situação da População Mundial 2011, publicado nesta quarta-feira pelo UNFPA, o Fundo de População das Nações Unidas, as decisões que forem tomadas agora irão determinar se teremos um futuro saudável, sustentável e próspero ou um futuro marcado por desigualdades, decadência ambiental e retrocessos econômicos.

“Com planejamento e investimentos corretos - para empoderar as mulheres, os homens e os jovens de forma que façam escolhas que não sejam apenas boas para eles, mas também para todos os cidadãos globais - nosso mundo de 7 bilhões pode ter cidades prósperas e sustentáveis, forças de trabalho produtivas que podem alimentar o crescimento econômico e populações jovens que contribuam para o bom andamento de suas sociedades”, afirma o Diretor Executivo do UNFPA, Babatunde Osotimehin, no prefácio do relatório, intitulado Pessoas e possibilidades em um mundo de 7 bilhões.

O marco, que será alcançado oficialmente no dia 31 de outubro, "constitui um desafio, uma oportunidade e um chamado à ação", declarou Osotimehin. Embora o desenvolvimento e o crescimento econômico tenham provocado uma diminuição gradual da fecundidade média no mundo, que em seis décadas passou de 6 para 2,5 filhos por mulher, a população mundial não deixou de crescer, em particular devido a um aumento da expectativa de vida, que passou neste período de 48 para 68 anos.

A fecundidade varia, no entanto, de 1,7 filho nos países mais avançados - abaixo da taxa de substituição geracional, fixada em 2,1 - a 4,2 nos menos desenvolvidos, e inclusive 4,8 no caso da África subsaariana, uma das regiões que cresce com maior rapidez, explica o informe de 126 páginas. Isto faz com que os menores de 25 anos representem atualmente quase metade (43%) da população mundial, com a maioria nos países em desenvolvimento, e contribui para o progressivo envelhecimento registrado em todas as partes, mas sobretudo no mundo desenvolvido.

Desafios - Atender a estes segmentos crescentes da população - os maiores de 60 anos são 893 milhões e podem chegar a 2,4 bilhões em 2050 - constituem dois dos grandes desafios, junto ao planejamento urbano, à gestão das migrações e dos recursos naturais. "As dinâmicas de mudança da população têm repercussões no desenvolvimento sustentável para todos", considerou o médico Osotimehin, ex-ministro de Saúde da Nigéria.

Enquanto nos países mais pobres a alta natalidade "perturba o desenvolvimento e perpetua a pobreza", nos mais ricos "a escassa quantidade de pessoas que ingressam no mercado de trabalho suscita inquietações em relação às perspectivas de crescimento sustentável e a viabilidade dos sistemas de segurança social", ressalta o relatório.

A pressão deve aumentar ainda mais. Segundo as previsões da ONU, a Terra, que ganha agora cerca de 80 milhões de habitantes - ou o equivalente da Alemanha - por ano, somará outros 2,3 bilhões até 2050 e deve acabar o século com 10 bilhões, ou inclusive 15 bilhões, caso a desaceleração da fertilidade nos países de maior população seja menor que a prevista.

Por isso, naqueles países onde o aumento da população é mais acelerado que o crescimento econômico, é importante facilitar o acesso aos serviços de saúde reprodutiva e de planejamento familiar. "A conquista de um planejamento estável é um requisito indispensável para o crescimento econômico planejado e o desenvolvimento acelerado", escreveu o diretor executivo da UNFPA.

Apostas - Com esse objetivo, a UNFPA recomenda investir para garantir o acesso dos jovens, que, segundo Osotimehin, "determinarão o impulso do crescimento futuro" à saúde, à educação e ao emprego, uma aspiração cada vez mais difícil de conseguir no contexto atual. A população crescente também forçará a discussão de problemas como a pressão crescente sobre o meio ambiente, especialmente devido a uma demanda cada vez maior de recursos naturais, e sobre cidades em plena expansão, muitas vezes de forma irregular.

O informe destaca por último o papel que uma "imigração ordenada" pode desempenhar como vetor de desenvolvimento para as nações mais pobres, que também se beneficiariam das remessas, e como "fonte de capital" para compensar a falta de mão de obra nas mais industrializadas. "Se desde agora se planejar corretamente e forem realizados os devidos investimentos nas pessoas, nosso mundo de sete bilhões pode ter cidades prósperas e sustentáveis, forças de trabalho produtivas que impulsionam o crescimento econômico, populações de jovens que contribuam para o bem-estar das economias e sociedades e uma geração de idosos saudáveis", assegurou Osotimehin.

veja também