Com octógono dentro do templo, Igreja Vida Nova sedia o 1º MMA Power Fight

Púlpito dá lugar a octógono e lutas de MMA na Vida Nova

Atualizado: Quinta-feira, 26 Janeiro de 2012 as 8:13

A Igreja Apóstolica Vida Nova teve uma programação bem diferente na última quarta-feira, 25 de janeiro. Enquanto em um culto normal os olhares se voltam ao púlpito, dessa vez eles se voltaram ao octógono montado no meio do templo.

Ao invés de ministros de louvor e pastores, lutadores. Ao invés de culto formal, lutas de MMA.

A igreja sediou o primeiro MMA Power Fight. Quem compareceu ao evento pôde assistir a  onze lutas:

Tiago Araújo (Power Lótus Team) vs Rasputim (Xtreme Gold Team) – submission, 70kg
Rodrigo Cerol (Power Lótus Team) vs Rafael Perez (Xtreme Gold Team – jiu-jitsu, 88kg
Luiz Henrique Espinha (Power Lótus Team) vs Vinicios Bereta (Kick Boxe) MMA – 76kg
Eliabe Karate (Power Lótus Team) vs Tiago Fernandes (Terrier Fight) MMA – 73kg
Adriano Alain (Power Lótus Team) vs Bruno Bomba (Thai Boxe) MMA – 70kg
Diego Genésio (Top Team Boxe Chinês) vs Diogo Jack (Terrier Fight) MMA – 80kg
André Basílio (Power Lótus Team) vs Erick Japoneis (Reborn) MMA – 62kg
Vitor Negão (Power Lótus Team) vs Wanderley Da Hora (Gracie Fusion) MMA – 84kg
Diego Santos (Power Lótus Team) vs Jorge Pereira (Boxe Chinês) MMA – 66kg
Flavio Flay (Power Lótus Team) vs Carlos Alberto (Gracie Fusion) MMA – 70kg
Rodrigo Drena (Thai Boxe) vs Zé Reborn (Reborn) MMA – 62kg

O jovem lutador Diego Genésio Barros, contou ao GUIAME que esse evento também serve para tirar as crianças da rua. “Já é o terceiro evento que eu participo dentro da igreja. É Maravilhoso! Tem que tem um monte mesmo”.

A trilha sonora do evento foi dominada, principalmente, pelo som do Oficina G3 e do Pregador Luo, o rapper que já compôs para diversos lutadores de MMA, inclusive Anderson Silva.

Além de ser palco das lutas, o octógono também transformou-se em púlpito no momento em que o pastor Roberto, líder da Rede de Jovens, pegou o microfone para revelar a todos o principal motivo do evento, lutar por vidas para Jesus.

Ao final de sua palavra e de uma oração, algumas pessoas ergueram as mãos aceitando a Jesus como o Salvador de suas vidas e outras acenaram que estavam se reconciliando com Ele.

O apóstolo Willy Garcia, responsável pela Igreja Apostólica Vida Nova, falou, em entrevista exclusiva ao GUIAME, sobre a alegria de ver a realização desse evento.

“Muitas pessoas criticam o MMA por ser um esporte violento, mas hoje ele é o esporte do momento e para nós, da igreja, é uma boa oportunidade de fazer evangelismo. Temos pessoas aqui hoje que jamais entrariam em uma igreja. Existem atletas, como Vitor Belfort, que apesar do esporte e do estilo de vida, amam a Jesus (...) Nosso objetivo é ser uma igreja contemporânea e relevante, levando a Palavra de Deus a todos os segmentos da sociedade. O principal objetivo aqui é a luta contra a perdição e a favor da salvação”, explica.

Vitor Belfort virou referência do evangelho dentro do MMA, por esse motivo o vídeo de seu testemunho também foi exibido em um dos intervalos das lutas.

Henrique Rasputin Gomes, um dos lutadores campeões do evento, também concedeu entrevista ao GUIAME e falou sobre a visão errada que algumas pessoas têm do MMA e dos lutadores.

“Quando o UFC chegou como um esporte comum como futebol, tênis, vôlei para o Brasil, a galera foi vendo que nós não somos pessoas ‘malvadonas’ que queremos chutar a cabeça dos caras no chão, não, a gente quer ter nosso espaço para poder lutar e fazer o que a gente ama, colocando o Jiu jitsu, boxe, muay thai, taekwondo em prática”, conta o atleta.

“Algumas igrejas têm preconceito com a luta e a luta nada mais é do que um esporte, aqui a gente se respeita muito mais do que em outros esportes. Tem aquela rivalidade do começo, aquela parada de olho no olho, eu, particularmente, não consigo ser malvadão, já entro sorrindo, estou sempre sorrindo, mas é um negócio da luta, não tem como mudar, diz Rasputin, como é conhecido. “Acho que Deus e Jesus Cristo gostam disso, é um esporte. As pessoas têm que entender que não tem raiva ou ódio no que a gente faz, tem a agressividade da luta, a vontade de ganhar. Violência não, porque, como diz o ditado, quem luta não briga.”
 
Por Juliana Simioni
Fonte: GUIAME.COM.BR

 

Você pode ver todos os álbuns de fotos do evento aqui: Parte 1, Parte 2 e Parte 3

veja também