Comissão decide manter as vagas da USP Leste no vestibular 2012

Comissão decide manter as vagas da USP Leste no vestibular 2012

Atualizado: Sexta-feira, 8 Abril de 2011 as 2:59

A Comissão de Graduação da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo (EACH-USP) decidiu manter as 1.020 vagas oferecidas no vestibular 2012, assim como dar prosseguimento ao curso de obstetrícia da maneira como ele se encontra. Uma reunião encerrada na noite desta quinta-feira (7) concluiu que a universidade deverá seguir com a atual distribuição que existe entre os cursos. Não haverá remanejamento de vagas.

A decisão da comissão formada por docentes da EACH-USP agora será avaliada pela Congregação da USP Leste, órgão deliberativo superior da unidade. Esta, por sua vez, terá de encaminhar o documento para o Conselho de Graduação da USP, que dará a palavra final.

Ficou decidido também que a EACH-USP vai elaborar um documento em resposta ao relatório elaborado por um grupo de trabalho que cuida de revisão e remanejamento de vagas. O relatório, assinado pelo ex-reitor da USP, Adolpho Jose Melfi, concluiu que a USP Leste deveria fechar 330 das 1.050 vagas oferecidas no vestibular, e que o curso de obstetrícia (o único no país) deveria se fundir com o de enfermagem.

Cada comissão de coordenação de curso vai levantar os problemas de cada curso e vão analisar o que é possível mudar e o que não cabe de mudança na USP Leste. O curso de obstetrícia permanece para o vestibular de 2012 com o mesmo projeto político-pedagógico. Seguem as discussões com o Conselho Federal de Enfermagem (Cofen) e o Conselho Regional de Enfermagem (Coren). Os órgãos não reconhecem a formação dos egressos de obstetrícia. A direção da EACH-USP propôs projeto para uma regulamentação específica para a carreira de obstetrícia.

O resultado da reunião foi muito comemorado por mais de 300 alunos que lotaram o auditório da USP Leste. Desde a divulgação do estudo que propunha a redução de vagas, estudantes do curso de obstetrícia promovem uma série de protestos contra o fechamento das vagas e a fusão com enfermagem.

Na segunda-feira (4), o diretor da EACH-USP, Jorge Boueri, garantiu em uma reunião com deputados estaduais a manutenção das 1.020 vagas da unidade e promoteu lutar pela permanência do curso de obstetrícia. Os formandos neste curso precisam de um certificado do Conselho Federal de Enfermagem (Cofen) para exercer a profissão. O Cofen, por sua vez, não reconhece a formação dos egressos de obstetrícia.

veja também