Como não me desesperar enquanto espero

Como não me desesperar enquanto espero

Atualizado: Quarta-feira, 24 Novembro de 2010 as 1:45

Sou de Uberlândia - MG. Aqui na minha igreja (Metodista) e em muitas outras, não há um papo tão aberto e direto como o seu. Deus te iluminou para esse ministério e tem sido uma benção. Tenho uma pergunta, por favor não me identifique. Como devemos reagir quando tentamos construir um relacionamento saudável, comprometido com Deus, na hora certa, "conforme o figurino" e mesmo assim ele se desfaz, tão rápido quanto começou. Existem respostas óbvias, como: "Não era o tempo de Deus." "Não era a pessoa certa." "Você fez algo que a desagradou." "Vocês não nasceram um para o outro." Isso eu sei, mas como devemos reagir?. Sei que não posso desistir. Mas, devo dar um tempo para esfriar a cabeça? Devo orar mais, pois foi isso que faltou? O que fazer para não desesperar à procura de mais alguém? Como vencer o medo de quando vir outra, não pensar que é somente outra tentativa?

Fico muito feliz em saber que esse ministério tem ajudado a você e a outras pessoas. O objetivo é esse mesmo, falar de coisas que dizem diretamente respeito à vida dos solteiros cristãos, mas que nem sempre são ditas em nossas igrejas. Continue orando por nossa página e nossa lista e para que Deus possa abençoar a cada um dos solteiros que fazem parte de nosso grupo.

Demorei um pouco para responder à sua pergunta sobre como reagir porque não queria repetir os mesmo argumentos de sempre. Claro, se não deu certo era porque não era Deus... mas quem disse que só saber disso cura a dor do fracasso? Qualquer um que já tenha passado por um relacionamento mal sucedido sabe que consola mas não explica. Somos humanos e queremos respostas. Como Jó, queremos que Deus explique o porquê de estarmos sofrendo. A maioria de nós; se não todos, acabamos por descobrir que a resposta mais comum de Deus é o silêncio. E assim, sob o silêncio que diz: "Confia em mim" seguimos adiante tentando e entender da melhor forma o que está acontecendo.

Falhar é sempre doloroso. Pior ainda é falhar quando temos certeza de que estamos no centro da vontade de Deus. Aí, fica difícil entender os porquês de que, mesmos após muita oração, leitura bíblica e investimento genuíno do seu melhor em uma relação, ela acaba.

No entanto, podemos, em meio ao consolo de Deus e fé de que Ele está sobre controle de tudo, fazer a nossa parte. A autora do livro Planeta Single (ed. Mundo Cristão), Norma Wrigth, foi muito feliz ao falar sobre esse momento de dor e como devemos reagir:

Mágoa, decepção, solidão, apatia. Essas palavras descrevem como nos sentimos diante de amizades que acabam e namoros rompidos. Além disso, todo sobrevivente de um relacionamento que chegou ao fim é assombrado por algum medo quanto a relacionamentos futuros. Eles se perguntam: "Se aconteceu uma vez, poderá acontecer de novo? E se acontecer, será que o problema não sou eu mesmo?"

Algumas pessoas enfrentam o fm com a cabeça erguida, aprendem com ele, superam seus medos e restabelecem a confiança e o amor novamente. Outras, porém, permitem que suas feridas emocionais permaneçam abertas e inflamem. As pessoas cedem aos apelos de seus medos e se afastam de qualquer relacionamento íntimo. São declaradamente cautelosas, prevenidas e julgam todo mundo, evitando se magoarem novamente.

O trauma de relacionamentos amorosos rompidos é uma das coisas mais dolorosas na vida; o medo de amar novamente é um dos maiores temores que podemos sentir.

Quando você confia à outra pessoa seus sentimentos de amor e afeição e o relacionamento acaba, você sente que sua vida foi paralisada. O primeiro amor perdido é normalmente o mais doloroso.

As pessoas que mais se ferem são aquelas que continuam ligadas de alguma maneira a um(a) amigo(a) namorado(a) ou noivo(a) e desejam que o relacionamento seja restabelecido. Elas se sentem desesperadas, totalmente fora do controle e estão dispostas a fazer praticamente qualquer coisa para manter o parceiro. Mas elas não têm controle sobre as decisões de ser amado.

Ver uma pessoa se arrastando pela vida, sem poder ajudá-la, dá-nos um sentimento de vazio e impotência. Se a decisão de acabar com o relacionamento foi tomada pela outra pessoa, o sentimento de rejeição que se instala no coração é o responsável pela maior parte da dor.

Pode até ser que você deseje iniciar um novo relacionamento, mas, pelo fato de já ter se machucado antes, é natural pensar: "Esqueça, a dor não vale a pena".

Então, o que fazer para se recuperar? Curta a sua dor. Ao curtir a dor - o que significa deixá-la existir -, você tem a oportunidade de expressar seus sentimentos de medo, ansiedade, raiva, tristeza, depressão e até mesmo culpa. Essas reações emocionais que surgem diante da perda maior vêm em ondas que batem em seu coração, diminuem, e depois voltam novamente.

Encare-as, admita sua existência, aceite-as e demonstre-as. As lágrimas farão parte dessa expressão e elas são um dom de Deus para aqueles que lamentam. Nunca se desculpe por elas. Você nunca precisa se desculpar por um dom de Deus. Se você é capaz de externar o choro, seja grato a Deus, pois há pessoas que somente conseguem chorar por dentro!

Expressar a dor é a oportunidade de protestar a perda. É permitir que uma parte de você diga: "Eu não queria que isso acontecesse e mudaria tudo, se pudesse!" A dor permite que você reaja contra o estrago que essa perda causou em sua vida.

Sem esse sentimento, é impossível olhar para a frente de novo.

Seu coração faz apenas uma pergunta quando um relacionamento acaba: Por quê? Mas, a medida que o processo se desenvolve, você será capaz de fazer uma pergunta: o que posso aprender com toda essa dor?

Vamos analisar os passos para a recuperação:

1. Mude o modo de se relacionar com a pessoa que perdeu. Isso significa aprender a existir e viver sem aquela pessoa em sua vida. Reformule suas atividades e refaça sua agenda para preencher o espaço criado pela perda. Saiba que algumas lembranças surgirão, mas tome a decisão de viver no presente.

2. Liberte-se do relacionamento. Diga adeus àquilo que você perdeu. Isso pode ser feito por meio de uma carta enviada ou não.

3. Perdoe a outra pessoa. Isso significa, conseqüentemente, perdoar a pessoa por toda a dor que você sofreu por causa dela. Isso leva tempo, Com o passar dos dias, surgirão novas oportunidades de suplantar o investimento emocional feito na pessoa que você está perdendo.

4. Conviva com pessoas. Não tente fazer isso sozinho. Deixe que os outros o ajudem. E, acima de tudo, compartilhe essas coisas com Deus.

Não é - nem nunca será - fácil superar a perda de alguém importante, o fim de uma relação. Mas sabendo que Deus quer o melhor para nós e que - mais cedo ou mais tarde - a dor passará, poderemos estar abertos para a vontade soberana do Senhor. Confiar em Deus e entregar a Ele nossas ansiedades, nossos desejos e nossa dor é o melhor a fazer. No tempo certo, a resposta de nossos anseios mais sinceros de encontrar a pessoa certa virá. Nunca duvide isso.

veja também