Conheça mais de Marco Pigossi, um dos galãs da nova geração

Conheça mais de Marco Pigossi, um dos galãs da nova geração

Atualizado: Quinta-feira, 20 Outubro de 2011 as 8:53

Marco Pigossi chegou devagar na TV Globo, mas em apenas três anos conseguiu lugar de destaque no horário nobre da emissora. O feito não é para qualquer um. Com escassez de galãs em suas produções, autores e diretores têm disputado quase que ferozmente os atores que despontam em seus primeiros papeis. Foi o que aconteceu com Pigossi depois do sucesso como o gay Cássio, de “Caras e Bocas”. O bordão “tô rosa chiclete” caiu nas graças do público e lhe rendeu um convite do diretor Jorge Fernando para participar de “Tititi” ao lado de Alexandre Borges e Claudia Raia.

Atualmente, o paulistano de 22 anos, pode ser visto em “Fina Estampa”, trama de Aguinaldo Silva, no papel do aproveitador Rafael. O personagem estava reservado para o ator Rafael Cardoso que foi puxado pelo diretor Jayme Monjardim para “A Vida da Gente”. “Antes que falem que estou carregando o peso e a responsabilidade de substituir outro ator, eu só digo que o personagem é meu. Se eu passei no teste, ele tinha que ser meu”, comenta Pigossi, bem-humorado.

O ator de corpo atlético e expressivos olhos verdes está sem namorada no momento, mas garante que está feliz assim. “Esse é o momento de focar no trabalho e me estabilizar financeiramente para conseguir pagar minhas próprias contas”, afirma Pigossi que acabou de assinar contrato de três anos com a Globo.

Qual é a do seu personagem?

Marco Pigossi: Ele é um cara de caráter duvidoso. Trabalho o Rafa em cima da dubiedade mesmo. O grande lance desse personagem é saber até que ponto vai a ambição ou se ele vai deixar o coração falar mais alto.

O fato de não ser o ator inicialmente escolhido para esse personagem incomoda?

Marco Pigossi: Não. Eu realmente não era o ator para esse papel. Gosto muito de fazer personagens que você conquista através de testes. Não é nem uma questão de merecimento. É se apropriar mesmo. Se eu passei, é meu.

Não acha a situação desconfortável?

Marco Pigossi: Ele era para ser meu. As coisas aconteceram para fazer essa novela. Estava reservado para fazer a próxima novela do João Emanuel Carneiro e, de repente, me chamaram para o teste, passei. Esse personagem era meu. Ele tinha que ser. Eu acredito nessas coisas. Assinei contrato de três anos com a Globo logo que terminou Tititi. No primeiro momento eu neguei a proposta, mas depois nos acertamos e eu fechei três anos. Estabilidade financeira é legal.

As pessoas ainda te chamam de Rosa Chiclete?

Marco Pigossi: (risos) Não. O approach agora mudou. Os elogios são pelos trabalhos de uma maneira geral e não por um personagem isolado. Primeiro escuto que sou bom ator. Depois me dizem que sou bonito.

No geral, as pessoas confundem mesmo ator e seus personagens.

Marco Pigossi: Quando fiz o Cássio, as pessoas achavam que eu era gay como ele. Cheguei a ouvir de uma pessoa na rua: ‘você me enganou’. (risos)

Você acha que a sua vida vai mudar muito porque está numa novela das 21h, horário nobre da emissora?

Marco Pigossi: Sinto que é uma novela que tem muito cuidado e atenção de todos. Os atores se cobram muito por saberem que é uma novela no horário nobre. Mas é um trabalho como outro qualquer.

Não dá pra negar que a repercussão é maior...

Marco Pigossi: Não sei. Meu parâmetro é o Cássio, um personagem de novela das sete. Ele fez muito sucesso. Acho gratificante estar no horário das nove. Talvez, passe a ter mais público no teatro. (risos)

Você pintou o cabelo para o personagem?

Marco Pigossi: As pessoas gostam de mim loiro. Não entendo isso. (risos) Nunca fui loiro natural. Mas esse personagem tinha que ser porque o Antenor (Caio Castro) é moreno. Sei que é chato ficar sempre com a mesma cara e cabelo ajuda muito a compor um personagem.

Você já se considera um galã?

Marco Pigossi: (Depois de uma longa pausa) Não sei como funciona isso.

Você gostaria de ser chamado de galã?

Marco Pigossi: Não posso ser hipócrita e dizer não. Até porque existem galãs bons atores e é isso o que eu quero. Sei que a minha imagem conta muito.

Você se acha bonito?

Marco Pigossi: Sei lá... Estou tão acostumado comigo. (risos) Acho que sou um cara satisfeito comigo mesmo. Mas não sou exatamente o que chamam de vaidoso. Me olho no espelho apenas quando tenho uma espinha me incomodando.

Você já fincou raízes no Rio?

Marco Pigossi: Não. Acabo aproveitando o melhor dos dois lados. Em São Paulo, vejo a família e dou atenção para os amigos. E, no Rio, venho para trabalhar.

Você ainda mora com sua mãe em São Paulo?

Marco Pigossi: Aluguei uma casa. Estou dividindo as despesas com um amigo. Morar sozinho é uma liberdade que eu não sei se consigo mais abrir mão. Gosto de lavar e passar roupa, cozinhar. Preciso do meu canto.

Qual o seu maior desejo nesse momento?

Marco Pigossi: Estou alucinado para comprar uma moto. E é uma coisa muito louca porque a moto não sai do meu profissional. Cássio e Pedro andavam de moto e o Rafael é gerente de uma loja de motos.

Como você está cuidando do corpo?

Marco Pigossi: Sempre nadei e há pouco tempo descobri a corrida. Só não me bota pra correr numa esteira porque vou me sentir um rato de laboratório.

Você acha que chama atenção pelo corpo sarado ou pelos olhos verdes?

Marco Pigossi: (Risos) Gostaria de chamar atenção pelo bom trabalho que procuro executar. Mas acabo chamando muita atenção das mulheres pelo corpo.

Você está namorando?

Marco Pigossi: Solteiro e sozinho. Feliz. Completamente focado para o trabalho.

O que te chama atenção numa mulher?

Marco Pigossi: A inteligência, a segurança no olhar, nos gestos, o humor, a sinceridade é que fazem aquela pessoa ficar mais interessante.

O que uma mulher tem que fazer para te conquistar?

Marco Pigossi: Ser sincera.

Você é pra casar? Por quê?

Marco Pigossi: Todo mundo é para casar quando encontra seu par. Não importa seu passado, seus erros. Tenho a impressão que o amor verdadeiro enobrece as pessoas. Mas antes disso, todo mundo experimenta. A solteirice é uma constante busca.

Como você seduz uma mulher?

Marco Pigossi: Não sei te responder isso. Acho que quando alguém me interessa, eu procuro estar cada vez mais em contato. Se tiver química, a sedução está intrínseca no contexto.

Como você tem administrado a fama?

Marco Pigossi: Quando você é conhecido as pessoas não são tão espontâneas com você. O anonimato permite observar sem ser percebido e isso é material para o ator. Mas ainda não cheguei nesse status.

veja também