Contratação de jovens cresce 37,5%

Contratação de jovens cresce 37,5%

Atualizado: Quinta-feira, 10 Fevereiro de 2011 as 11:11

A contratação de aprendizes por empresas em parceria com o Ciee (Centro de Integração Empresa Escola) subiu 37,5% no ano passado. O percentual representa 22 mil jovens absorvidos para capacitação profissional até dezembro, ante os 16 mil alunos registrados em 2009.

A entidade estima que o ano será ainda mais promissor em 2011. Até dezembro, o Ciee espera colocar no mercado mais 8.000 jovens, segundo a gerente do programa Aprendiz Legal, Sylvana Rocha.

Já o Grande ABC apresenta cenário modesto no número de contratações. Segundo o supervisor do Ciee regional, Edson Grossi, hoje as sete cidades contam com 370 jovens contratados - apenas 0,59% do balanço nacional. Apesar disso, houve expansão de 23,33% nas contratações em 2010, frente o mesmo período do ano anterior. "Foi um crescimento importante para a região", avalia.

Grossi frisou que o aumento sentido no ano passado é reflexo da conscientização das empresas sobre a importância de absorver a nova mão de obra. Isso, em parte, é decorrência da lei da aprendizagem.

Sancionado há dez anos, o projeto obriga empresas grandes e médias a contratar aprendizes por cotas. Assim, os novatos devem representar de 5% a 15% do quadro de funcionários.

"Foi um trabalho de conscientização. O Ministério do Trabalho tem se aproximado de forma mais efetiva das empresas. Depois houve sensibilização e, enfim, fiscalização. Acredito que esse processo tenha sido a grande mola para o salto (de contratações) no Grande ABC."

O contrato favorece os jovens e as empresas, pois devolve ao mercado profissionais mais capacitados. Além do percentual estabelecido por lei, os alunos acabam ‘formados'' durante o estágio.

"Inúmeras empresas vêm utilizando os programas de aprendizagem como estratégia de formação e desenvolvimento de talentos", diz Sylvana, ao enumerar processo de recrutamento, seleção e capacitação teórica dos jovens como motor para a mudança que elevou as contratações, por meio de convênio com a entidade.

Mas há ainda novas estratégias que irão permitir a abertura de novos postos de trabalho. O Ciee busca ampliar o leque de cursos para formar mão de obra mais diversificada. Assim, o foco não será mais voltado apenas para a área administrativa, tampouco a práticas bancárias. "Passamos para turismo e vamos implementar outros módulos, possibilitando maior contratação", afirma Grossi.

Apesar de projeções promissoras, ainda há o que ser modificado. Vagas voltadas ao setor público, por exemplo, são escassas na região. O supervisor ressalta a timidez pelo qual passa o Grande ABC nesse aspecto como barreira que impede crescimento mais expressivo de jovens aprendizes por aqui.

Oportunidades no Grande ABC vão aumentar 30% neste ano

O ano de 2011 será ainda mais promissor para os jovens aprendizes conveniados com o Ciee para o Grande ABC.

O supervisor regional da entidade, Edson Grossi, prevê que haverá 30% mais contratações neste ano. Hoje, 370 futuros profissionais atuam na região pelo programa Aprendiz Legal.

"Isso é apenas para o Grande ABC. Pode ser que no cenário nacional o numero de contratações seja ainda maior", projeta Grossi.

Atualmente, o Ciee regional afirma que existem 45 vagas abertas. Contudo, esses postos de trabalho não indicam que haverá aumento nas adesões previstas para o ano, pois se referem à substituição dos aprendizes que estão com seus contratos para serem finalizados.

A entidade tem atualmente dois postos de atendimento na região. Um deles fica em São Bernardo e será desmembrado, para atender também Diadema.

O estabelecimento de São Caetano, que está em processo de mudanças, irá responder também pelas demais cidades do Grande ABC ainda neste ano.

Por: Vinicius Gorczeski

veja também