Cresce número de adeptos a "mochilão" pela América do Sul

Cresce número de adeptos a "mochilão" pela América do Sul

Atualizado: Quinta-feira, 3 Março de 2011 as 11:43

O designer Eduardo Sanches Morelli, 24 anos, e a estudante de publicidade Pamela Vaccaro, 20, aproveitaram as últimas férias de verão viajando pelo Chile, Uruguai e Argentina. Curtiram cinco dias em cada país, ou seja, passaram 15 dias conhecendo pontos turísticos legais, visitando vinícolas e admirando a paisagem de boa parte do continente sul-americano. Tudo somado, inclusive as passagens, os mochileiros gastaram menos de R$ 2 mil cada.

O turismo independente (ou "mochilão", mesmo), forma de conhecer novos lugares e pessoas sem gastar muito dinheiro, está em ascensão. De acordo com a Hostelling International, o mercado de albergues cresce a taxas de 25% ao ano – e esse tipo de hospedagem barata, assim como as passagens compradas com antecipação e as comidas feitas por conta própria são os fatores chave do chamado "backpacking" (mais um nome para o mochilão).

Segundo o estudo "Backpacker ethnography - Annals of Tourism Research", a maioria dos mochileiros tem entre 18 e 33 anos e busca passar mais tempo viajando, gastando menos do que os pacotes convencionais cobram por poucos dias de passeio. Só no Brasil, existem 45 mil sócios ativos da Hostelling International. No mundo todo, são 4 mil albergues com 350 mil leitos credenciados espalhados por 90 países.

Devido à expansão do turismo mochileiro, a qualidade dos serviços – e a concorrência entre eles – aumenta. Com isso, conhecer a América do Sul de um jeito bacana, por exemplo, pode sair mais barato do que se imagina, se a viagem for bem planejada. O primeiro passo é encontrar passagens aéreas a valores baixos, já que são elas que consomem a maior parte da grana. Para isso, não dá para começar a procurar na semana da véspera...

Chile, Argentina e Uruguai

"Comecei a planejar a viagem em abril de 2010, procurando preços de albergues e passagens", conta Eduardo. Segundo o designer, em agosto, seis meses antes do embarque, eles compraram as passagens aéreas para a aventura por menos de R$ 1 mil – para cada um deles, claro.

O pagamento da reserva do albergue foi feito pela internet. Em Santiago, no Chile, eles se hospedaram no Hostel Bellavista, por R$ 22 a diária. Em Buenos Aires, ficaram no Borges Design Hostel, por R$ 40 a diária. Em Montevideu, no Hostel El Viajero Ciudad Vieja, R$ 34 por dia. Todos os lugares tinham café da manhã e cozinha coletiva, onde os hóspedes podiam preparar as próprias refeições.

Em Santiago, a dupla conheceu o centro da cidade, Viña del Mar, Baño Morales, a Cordilheira dos Andes e a famosa vinícola Concha y Toro. Em Buenos Aires, os principais lugares visitados foram o Zoo Lujan, o Jardim Japonês, Puerto Madero e o Estádio La Bombonera. Na capital do Uruguai, Montevidéu, a dupla foi ao Mercado del Puerto, ao bairro Ciudad Vieja, a Punta Carretas e a Pocitos. Ainda no país, passaram por Colonia Del Sacramento e Punta Del Este. A dica que eles deixam é tentar fazer a maioria dos passeios por conta própria e economizar o valor cobrado pelas agências de turismo.  

No Brasil

A prática do mochilão não serve apenas para viagens internacionais. No Brasil, esse modelo de turismo ganha cada vez mais adeptos. O empresário Willians Rodrigo Barreto Silva é dono de uma companhia de viagens com foco no público jovens (entre 20 e 35 anos), que oferece destinos ligados à natureza com preços mais atrativos. "A ideia inicial era unir alguns amigos para viajar", lembra Silva.

Atualmente, a Ecotrips organiza cerca de 20 viagens por ano, com um número de passageiros que saltou de 50 para 1.200, ao longo dos nove anos de existência da empresa. "Grupos de amigos também nos contratam para organizar viagens privadas", conta o empresário. Segundo Silva, além dos preços econômicos, a facilidade de fazer novas amizades é um dos maiores atrativos. "Oferecemos hospedagens alternativas como albergues, campings e pousadas", explica.

Muitos estrangeiros também vêm ao Brasil para "mochilar". Rui José Oliveira, coordenador do curso de pós-graduação em administração hoteleira do SENAC, entrevistou 250 deles que estavam no País, em 2005. Do total, 94% estavam hospedados em albergues, mais da metade havia planejado a viagem pela internet e 67% viajariam para outros países da América do Sul. "Enquanto no turismo convencional o estrangeiro gasta US$ 1.015,17 para passar 10 dias no Brasil, o mochileiro gasta US$ 1.742,66 para ficar quase 50 dias", contabiliza Oliveira.

Apesar do crescimento, o turismólogo acredita que os brasileiros conservam preconceito sobre viajar a outros países como mochileiro. "É uma coisa cultural, muitos nem conhecem o esquema", diz.

Albergues da reportagem:

Em Santiago

Bellavista Hostel – Localizado no bairro boêmio da cidade, com agitada vida noturna. O hostel oferece quartos a partir de US$ 15,64 por dia. Endereço: Rua Dardignac, 184 – Bellavista. Telefone: (562) 732-8737. Mais informações: http://www.bellavistahostel.com/

Hostal Florestal - localizado perto do Parque Forestal, é cercado por museus, parques, espaços artísticos e restaurantes. A acomodação mais barata custa US$ 13. Endereço: Coronel Santiago Bueras, 122 - Providencia. Telefone: (562) 638-1347. Mais informações: http://www.hostalforestal.cl/

Andes Hostel – localizado no bairro Bellas Artes, fica próximo ao centro de Santiago. A diária está a partir de US$17. Endereço: Monjitas, 506 - Bellas Artes. Telefone: (562) 632-9990. Mais informações: http://www.andeshostel.com/

Em Buenos Aires:

Hostel Suites Palermo – localizado no bairro de Palermo Soho, a 15 minutos do centro da cidade. Palermo Soho é conhecido pelas lojas de design e de artesanatos. Existem opções a partir de US$ 15,66 a diária. Endereço: Charcas, 4752 – Palermo Soho. Telefone: (5411) 4773-0806.  Mais informações: http://www.hostelsuitespalermo.com/

Telmotango Hostel Suite – localizado no centro de Buenos Aires e com fácil acesso ao transporte público. As diárias estão a partir de US$ 16,97. Endereço: Chacabuco, 679 – Centro. Telefone: (5411) 4361-5808. Mais informações: http://www.hostelmotango.com

Tango Backpackers – Localizado no bairro Palermo e próximo a diversos restaurantes internacionais. Existem opções a partir de US$ 14,36 por dia. Endereço: Paraguay, 4601 – Palermo. Telefone: (5411) 4776-6871. Mais informações: http://www.tangobp.com/

Em Montevidéu:

El Viajero-Ciudad Vieja Hostel – localizado no centro histórico da cidade, onde acontece o agito da vida noturna. As diárias estão a partir de US$ 16,59. Endereço: Ituzaingó, 1436 – Centro. Telefone: (5982) 915-6192.  Mais informações: http://www.ciudadviejahostel.com/

Red Hostel Montevideo – localizado a sete quadras da praia e próximo à avenida 18 de Julho. Oferece acomodações a partir de US$ 16 a diária. Endereço: San José, 1406 -  Centro. Telefone: (598) 2908-8514. Mais informações: http://www.redhostel.com/

El Viajero - Downtown Hostel & Suites – localizado no centro da cidade, próximo a praças e monumentos históricos. Existem opções a partir de US$ 15,48 por dia. Endereço: Soriano, 1073 – Centro. Telefone: (598) 2908-2913. Mais informações: http://www.elviajerodowntown.com/

Por: Thais Sabino

veja também