Dá para ser ex e continuar amigo?

Dá para ser ex e continuar amigo?

Atualizado: Sexta-feira, 3 Junho de 2011 as 1:59

Alexandre Palmas, 39 anos, é um exemplo que anda na contramão da maioria dos rapazes por ser amigo de quase todas as ex-namoradas. Por incrível que pareça, ele fez até discurso no casamento de uma delas. "Os amigos ficaram um pouco assustados, porque ninguém tinha idéia o que eu ia dizer, nem a noiva. A confiança é tamanha que me deu carta branca", diz.

A relação entre os dois sempre foi ótima. "O namoro durou o tempo que tinha que durar, foi ótimo e, quando sentimos que a relação poderia se desgastar, rompemos", explica.

No discurso, ele falou sobre a instituição casamento. "Hoje, se promete amar o outro até que alguém mais interessante apareça. Disse que eles irão encontrar outros mais bonitos e mais inteligentes, mas que estavam prometendo na frente de todos amar para sempre aquele conjunto da obra", diz Alexandre, que brinca que "deu uma de padre" com uma série de perguntas aos noivos.

O brinde fez sucesso, mas especialistas acreditam que só casais muito maduros conseguem fazer tranquilamente essa transição para a amizade. "Depende da maturidade de ambos", diz Ferreira-Santos. "Se tudo terminou bem, ótimo. Mas se há mágoa, dor, afeto interrompido ou a intenção de reconquistar o outro, não vai dar certo nunca." É preciso resolver internamente esses conflitos, ou é impossível uma relação de amizade. "Há o relacionamento que acabou para os dois, mas que foi bom e ensinou muito. Esse é o que mais abre margem para uma amizade."

Conseguir fazer bem essa transição não quer dizer que ela é fácil. A preparadora de educação física Silvia Oliveira, 30 anos [foto], acabou recentemente um namoro de 8 meses. "Com relação ao nosso passado, ficou tudo tranquilo. Da minha parte, foi difícil apenas na semana em que terminamos. De resto, foi tudo bem", diz Silvia. No Facebook, continuam as fotos dos dois - ela diz que só tirou aquelas em que eles estavam se beijando.

"Graças a Deus não sobraram sentimentos ruins. Só tenho boas lembranças dele. O que foi ruim, eu deletei", diz Silvia. Ela e o ex continuam convivendo e ela adora a liberdade de poder conversar com ele sobre qualquer assunto. "Tenho amizade com praticamente todos os meus ex. Menos um, porque a atual namorada dele não quer que ele fale nem com o melhor amigo, que dirá com uma ex", brinca.

Esse é um dos problemas com que os ex que viram amigos precisam lidar: nem sempre os próximos parceiros estão tão satisfeitos com a civilidade quanto eles. "Essa amizade pode gerar um desconforto e desconfiança em futuros parceiros, o famoso ‘ciúme póstumo’. Não depende do ex-casal em si, mas dos relacionamentos futuros. É injusto exigir que o novo parceiro não tenha ciúme, e difícil que ele não tenha", afirma Ferreira-Santos. Mas o psiquiatra afirma que não há regras. "As pessoas procuram manuais justamente porque não há manuais." É ver o que funciona para cada casal.

Por: Verônica Mambrini

veja também