Dicas de interpretação - parte 1

Dicas de interpretação - parte 1

Atualizado: Sexta-feira, 12 Novembro de 2010 as 5:06

No último artigo dei dicas importantes e recomendei livros do Stanislavisk para leitura. Falamos um pouco sobre um dos principais métodos de interpretação, que é a base de todo início do aprendizado do ator.

Hoje, falarei um pouco sobre alguns erros cometidos nas encenações das igreja que ajudarão na melhoria da qualidade do seu trabalho ministerial.

A primeira dica que dou, e que mais ocorre nas apresentações de peças em igrejas, é o ator ficar de costas ao público. Muitas vezes a pessoa que está atuando não tem nem noção de que está de costas, ou ignora esse cuidado por algum motivo. Ou isso ocorre porque porque o ator acha que deve ficar de frente à pessoa com quem encena. Primeiramente, o diretor deve direcionar o ator e, junto com ele, chegar a um consenso, perguntando-se: "realmente é necessário ficar de costas ao público nesta cena?", "será que essa fala deve ser direcionada ao público ou ao personagem?".

Lembremos sempre que o teatro é um jogo e, apesar de falar sobre a vida real, ele não deve imitar a vida real. Infelizmente a nossa maior referência de interpretação é a televisão. Porém, essa referência de nada serve na hora de montar uma peça pois teatro usa um método diferente, é outra realidade de trabalho. Por isso, insisto mais uma vez, é importante frequentarmos teatros para habituar o olhar ao estudo da interpretação.

Segunda dica, que também é um dos problemas mais terríveis que existem dentro dos grupos: andar em cena ou gesticular demais. Ora por nervosismo, ora mero "tique nervoso". Uma dica para quem gesticula demais é prender os braços enquanto estiver ensaiando. Isso ajuda a diminuir o uso do gesto e até mesmo eliminá-lo.

Sobre o andar, falar a cena parado no lugar também ajuda. Após alguns minutos, o diretor dá as coordenadas de movimentação. Um jogo que também ajuda nesta questão é a dança das cadeiras. As pessoas andam aleatóriamente em volta de cadeiras jogadas no espaço. Após a indicação do diretor todos devem sentar na cadeira mais próxima. Quem sobrar fala seu texto.

Terceira dica que acredito ser muito importante é a fotografia de cena. Alguns cuidados devem ser tomados quando construímos uma cena: um ator não deve ficar na frente do outro, deve-se analisar se a estética é interessante de se olhar, se algum ator está de costas na cena - e se esta pede que ele esteja mais voltado ao público ou não, etc. São orientações que o diretor deve passar aos atores em cena.

Um exercício interessante que ajuda na montagem de cena são exercícios com o uso de movimento quebrados. Ao som da batida de palma dada pelo diretor os atores mudarão de posição e congelarão -virarão estátua. A cada palma deve-se mudar de posição e congelar (enrijecer a musculatura). Isso ajuda a fazer vários estudos de cena interessante e, conforme a agilidade das palmas, você consegue várias propostas interessantes de cena.

No próximo artigo continuo com dicas e deixo como sugestão de leitura dois livros da teatro-educadora Viola Spolin, "Improvisação para o teatro" e "O jogo teatral no livro do diretor". Aproveito também para indicar para reflexão o livro "Cristiano Criativo, do Steven Turner.

Fabricia Silva

Fabricia Silva   é bacharel em publicidade e propaganda, arte-educadora e atriz cristã.

Contatos Msn:   [email protected]

veja também