Diretor da USP Leste promete manter vagas do curso de obstetrícia

Diretor da USP Leste promete manter vagas do curso de obstetrícia

Atualizado: Terça-feira, 5 Abril de 2011 as 8:34

Em reunião com deputados estaduais nesta segunda-feira (4), a direção da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo (EACH-USP) pediu ajuda dos parlamentares para encaminhar ao Congresso Nacional um projeto de lei para a regulamentação da profissão de obtetriz. O diretor da USP Leste, Jorge Boueri, garantiu a manutenção das 1.020 vagas da unidade.

Um relatório elaborado por um grupo de trabalho que cuida de revisão e remanejamento de vagas concluiu que a USP Leste deveria fechar 330 vagas do vestibular, e que o curso de obstetrícia (o único no país) deveria se fundir com o de enfermagem. A aprovação desta medida depende de decisão do Conselho de Graduação da USP.

Desde a divulgação do estudo, estudantes do curso de obstetrícia promovem uma série de protestos contra o fechamento das vagas e a fusão com enfermagem.

O encontro teve a participação dos deputados Simão Pedro, Adriano Diogo e Alencar Santana, todos do PT. A direção da USP Leste solicitou apoio dos políticos para as ações junto ao Conselho Federal de Enfermagem (Cofen) poder reconhecer os diplomas dos formados no curso de obstetrícia. O Cofen não reconhece a formação dos estudantes como enfermeiros e não emite o registro profissional necessário para o exercício da profissão de obstetriz (parteira).

A direção também apresentou aos deputados o plano de expansão para a conclusão da implantação da infraestrutura da USP Leste, solicitando verba extra-orçamentária no valor de R$ 52,5 milhões para aumentar as áreas destinadas à graduação, pós-graduação, pesquisa, cultura e extensão no campus.

veja também