Drogas: Pais e professores devem manter jovens informados, afirmam especialistas

Drogas: Pais e professores devem manter jovens informados, afirmam especialistas

Atualizado: Quarta-feira, 11 Agosto de 2010 as 2:28

Um jovem de 20 anos é preso após tentar esfaquear os pais dentro de casa. O motivo do crime, segundo o autor, José Roberto Vicente de Oliveira Júnior, foi a ingestão de seis sacolés de cocaína. Mas a revelação não parou por aí. Segundo ele, o consumo de substâncias alucinógenas faz parte de seu dia-a-dia desde que completou 14 anos.

Após a confissão, José Roberto foi encaminhado para a Polinter, mas deixou do lado de fora das portas do presídio um alerta para pais e educadores: manter jovens e crianças informados sobre os males que o uso de drogas pode causar é crucial para evitar que casos como esse se repitam. O aviso é dado não só por entidades especializadas em todo o mundo, mas também por profissionais das áreas médica e educacional.

"É necessário que, antes de tudo, se respeite a inteligência de crianças e adolescentes, que hoje em dia têm acesso praticamente ilimitado a informações de todos os tipos e que, portanto, estão cientes dos males que as drogas trazem", afirma a psicóloga Edna Assunção. "Não se pode inventar histórias absurdas sobre o assunto. Deve-se priorizar sempre a verdade. Crianças e jovens têm total capacidade de assimilar fatos e tirar suas próprias conclusões".

Para Edna, esse acesso amplo a notícias pode ser um aliado de professores em sala de aula, quando o assunto é prevenção às drogas. Utilizar reportagens de jornais e revistas em grupos de discussão com alunos costuma surtir efeitos positivos, além de servir como objeto de discussão também dentro de casa, com pais e outros membros da família. "O diálogo com pais e professores serve também para alertar os alunos em relação ao comportamento dos próprios colegas, ajudando a detectar possíveis usuários na escola", explica a psicóloga.

Uma pesquisa realizada pela Secretaria Nacional Antidrogas (Senad) e pelo Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas (Cebrid), da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), constatou que o álcool e o tabaco são os principals vícios dos alunos do ensino fundamental (a partir da quinta série) e médio nas escolas públicas de todo o país.

O estudo também aponta que um quarto dos estudantes brasileiros com idades entre 10 e 18 anos já provou algum tipo de droga ilegal. Os fatores que levam o jovem a tomar tal decisão são variadas e vão desde a simples curiosidade, passando pela transgressão, chegando à autoafirmação e até mesmo a conquista de status entre os colegas.

A realidade de jovens drogados nas escolas

Segundo Edna, uma das maneiras mais eficazes de abordagem do assunto na escola é a interdisciplinaridade. Trazer o tema para que seja discutido sob óticas diferentes, em diversas disciplinas, faz com que o assunto seja assimilado de maneira muito mais eficaz do que discuti-lo de forma isolada. Mas os próprios professores precisam estar preparados para sanar as dúvidas dos alunos e identificar possíveis usuários.

O assunto ganhou tanta importäncia em todo país que o Ministério da Educação (MEC) e a Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas (Senad) lançaram, em 2004, um curso a distância para a preparação de docentes no combate às drogas nas escolas públicas. No primeiro ano, o curso teve a participação de cinco mil educadores de todas as regiões do país; em 2006, a formação atendeu 20 mil educadores; e em 2009, 25 mil.

A realidade de jovens drogados é cada vez pior, principalmente dentro do ambiente escolar. As mudanças comportamentais típicas da adolescência, com todas as suas descobertas e fragilidades, são um prato cheio para que o jovem eleja a drogas como uma válvula de escape para seus conflitos, sejam eles internos ou de convivência, principalmente com os pais", explica o psiquiatra Alessandro Oliveira, que tem, entre seus pacientes, alguns jovens usuários de drogas.

Edna explica que, ao professor cabe tratar do assunto em um contexto mais amplo, discutindo o projeto de vida dos alunos, seus anseios e suas escolhas para o futuro. Questionar os alunos quanto ao que pode beneficiar e atrapalhar suas escolhas, fazendo-os refletir sobre o melhor caminho a ser tomado também são bons exemplos. A psicóloga alerta professores e orientadores a não transformar a droga em uma espécie de bicho papão e sim mostrar que, em um primeiro momento, ela causa bem-estar. E que só depois é que os usuários sentirão os prejuízos causados por sua ingestão.

De acordo com Alessandro Oliveira, a grande maioria dos usuários de drogas começa experimentando bebidas alcoólicas. Dali, seguem para a maconha, mas não chegam a desenvolver o vício. O grande problema são aqueles jovens que não conseguem parar e passam a utilizar drogas cada vez amais pesadas, como a cocaína e o crack, que vem se tornando muito comum entre adolescentes de diversas classes sociais. Muitos desses jovens têm pais ausentes ou separados, e que não estão preparados para abordar o assunto em casa, delegando à escola esta tarefa, que deve ser conjunta.

"Antes de tudo, é preciso que os pais e também os professores realmente se envolvam nas atividades cotidianas da criança e do jovem. Só assim, dialogando e convivendo, eles conquistarão sua confiança e poderão influenciar mais em suas decisões", finaliza Oliveira.

Por: Angélica Paulo

Fonte : O Dia / Terra

Postado por Juliana Simioni

veja também