Endividamento de jovens pode custar mais caro do que parece

Endividamento de jovens pode custar mais caro do que parece

Atualizado: Terça-feira, 6 Março de 2012 as 9:38

De 28%, o número de jovens paulistanos que não conseguem pagar suas dívidas passou para 41%. A pesquisa é do Instituto de Economia Gastão Vidigal, da Associação Comercial de São Paulo.

Marcelo Maron, diretor executivo do Grupo PAR diz que ter o cadastro negativado, ou seja, o nome ‘sujo’ traz diversos prejuízos como grande estrago nas finanças pessoais por anos, não conseguir financiamento, e atrapalha até na busca por um emprego.

“Na educação escolar brasileira não há qualquer orientação para preparar os jovens no sentido de preservar sua saúde financeira”, diz Marion que se espanta ainda mais pelo fato de as universidades também não passarem esse tipo de orientação.

Os pais também não orientam os filhos sobre como lidar com as finanças e ficar atento a créditos e dívidas.

Os jovens fazem longos financiamentos com altos juros por não terem bens como garantia e acabam pagando cerca de três mais o valor real do produto.

"A facilidade de se realizar o "pagamento mínimo" é o primeiro passo rumo ao suicídio financeiro. Para se ter uma ideia, um computador que custa apenas R$ 1.500,00, comprado num cartão de crédito, pode se transformar numa dívida de mais de R$ 120.000,00 se for rolada durante 3 anos", explica Maron.

O especialista alerta aos jovens que busquem educação financeira, pois podem não se dar conta de que gafes financeiras no começo da vida podem comprometer a carreira por longo tempo.

 

com informações do Administradores

veja também