Entrevista com a banda Referência Jovem

Entrevista com a banda Referência Jovem

Atualizado: Quarta-feira, 23 Fevereiro de 2011 as 11:08

Ao olhar pela primeira vez os tênis coloridos e as calças estreitas, a tendência é encaixá-los em um estilo de música específico ou esperar deles uma conduta determinada. Mas cuidado. Você pode se surpreender. Como afirma o vocalista do grupo Referência Jovem, Breno Tonon, a banda tem quebrado muitos paradigmas dentro da própria igreja a partir de uma linguagem visual e musical que foge a um padrão evangélico recorrente. Com uma levada dançante, influenciados pelo toque dos anos 80 e pelo som de bandas européias, o Referência tem consolidando um estilo próprio no meio musical. E tudo isso sem perder de vista o foco do Ministério que é levar a mensagem de Cristo àqueles que ainda não o conhecem pessoalmente.

A banda fala um pouco dos desafios da banda, da vida pessoal e das novidades que vem por aí.

Como o Referência tem trabalhado para cumprir o que o próprio nome da banda já indica: ser uma referência jovem nos dias de hoje?

Breno: É muito interessante porque quando a gente começou o ministério esse nome pesou muito, pesa muito, mas não é um peso negativo, é um peso no sentido de responsabilidade. Então para agir e viver como referência, a gente entende que temos que ser mais radicais do que o normal em algumas coisas pra não dar brecha para que o diabo possa derrubarmos nessa área. Então tomamos algumas posturas, isso tudo aliado a um acompanhamento muito próximo dos pastores, pastor Wallace, pastora Beatriz, até o pastor Márcio mesmo. E aí a gente tenta sempre falar do amor de Jesus porque quando você prega a palavra, isso te respalda e te dá um senso de responsabilidade maior, "pô, eu to falando de Deus", então a minha vida tem que falar de Deus também, não só a minha boca. É assim que a gente procura fazer.

E vocês têm um som diferenciado, que foge um pouco dos estilos musicais já existentes. Como foi essa recepção inicial das pessoas? Houve ou ainda há resistências?

Breno: Por incrível que pareça, a resistência que temos é por parte da igreja em si, dos evangélicos, mas na verdade desde o começo nós sabíamos que o nosso chamado era pregar para os perdidos. Então não somos mais apenas uma banda de igreja, apesar da gente tocar muito em igreja, em eventos que em sua maioria são evangélicos, é uma musica voltada para o jovem. É uma música que a gente faz para atrair essas pessoas para o amor de Deus, para mostrar que existe uma maneira de ser feliz sem o pecado, sem se perder. Então assim de uma maneira bem grosseira, estamos preocupados em primeiro lugar sobre o que Deus fala a nosso respeito. Segundo, se a nossa liderança está de acordo e em terceiro lugar, estamos preocupados com as vidas que estão perdidas. Se a gente precisar desagradar muitas pessoas para poder resgatar o perdido, nós vamos fazer porque esse é o nosso chamado.

Bella: A música tem sido tanto um instrumento para ganhar o perdido, para o perdido não ficar com resistência, quanto também pra incentivar o jovem a ser referência e ser legal também, para os colegas dele terem ele como referência na maneira de ser, no jeito de legal de vestir. Então assim, a gente encontra resistência da igreja, mas hoje o pessoal tem nos visto como referência também. Tem sido muito bom. E é engraçado que ás vezes a gente vai ministrar numa igreja e o pessoal acha que vai ser ‘mó’ rock, aí é, a gente agita e depois o Espírito de Deus ainda manifesta.

Como você acha que o estilo de vocês acaba atraindo outras pessoas que não são cristãs?

Breno: Isso é legal porque o seguinte, o nosso estilo, a nossa música é tudo voltado para o jovem, tudo quebra muitos paradigmas, principalmente dentro da igreja, mas isso é bom, é algo que a gente quer, temos consciência disso. Eu creio que durante muito tempo a igreja seguiu um certo padrão e ainda é benção em muitas ocasiões porém se a gente quer ganhar o perdido, trazer o jovem que está agarrado na lama do pecado a gente tem que se relacionar com ele, assim como Jesus fez. Jesus não ficou andando com pessoas certinhas, com os fariseus da época. Ele se encontrou, ele andou com os pecadores, ele estava onde o povo estava. Pra isso ele tinha uma linguagem toda especial, enfim.

E como é a vida vocês além do Referência?

Bella: A gente estuda, tem gente que faz administração, engenharia, publicidade e propaganda, estuda e vai administrando a vida. E aí a gente trabalha também. Moramos todos em BH.

Como é esse processo de inspiração musical? Vocês se baseiam em algum estilo especifico para fazer o som de vocês?

Thá: A gente gosta muito de uma levada anos 80, bandas mais européias a gente curte muito. Na verdade a gente tenta pegar um pouco do que a gente gosta e adaptar ao nosso estilo. Você pode ver que ás vezes no nosso meio gospel hoje não tem um estilo muito assim que a gente vai numa levada. São varias bandas.

Bella: Até no nosso cd que vai sair agora tem músicas com participação da Nívea, do André, então a gente pegou um pouco da Nívea, desse estilo de música que tem de melhor e vamos fazendo essa seleção.

E o cd de vocês que saiu. Como foi esse processo de produção?

Bella e Thá: É cansativo mas é muito legal. Sentar e vir uma inspiração, ás vezes a música estava de um jeito e do nada Deus traz e muda as coisas todas. A gente está ali vendo cada nota como se fosse um filho nosso, e ao mesmo tempo orando. Isso tudo pra atingir vidas, para que as pessoas possam ouvir e amar mais o Senhor.

Bella: E é interessante que teve até um dia que os meninos tinham composto já a melodia da canção e a letra o Breno tinha escrito mas ele esqueceu e estava na hora de gravar e ai ele entrou dentro do quartinho e pediu Deus, me ajuda e saiu a letra que é a música que a gente mais gosta do cd. Deus surpreende muito.

E o programa de vocês na Rede Super?

Bella: Estamos fazendo com um formato novo de reality e ai a gente leva a câmera com a gente então o pessoal está conferindo um pouco o nosso dia a dia, quando a gente vai ministrar nos lugares, e está sendo legal porque até algumas pessoas nos procuraram e falaram: "nossa eu olhava pra vocês de uma forma e depois que a gente está vendo o dia a dia de vocês, a batalha que vocês enfrentam, o tempo de oração que vocês têm é diferente". A gente não é referência só na musica, mas a gente tem buscado ser referência no dia a dia. Então assim a gente tem amado levar a câmera pra todos os lugares.

Dica

Confira o Referência Jovem na rede:

http://www.referenciajovem.com.br/

http://www.flickr.com/photos/referenciajovem

http://twitter.com/referenciajovem

http://www.youtube.com/referenciajovem

Seu Amor - Referência Jovem

veja também