Estudos de comportamento mostram que mulheres tendem a se sacrificar mais no trabalho para ascender na carreira

Mulheres se destacam em cargos de chefia

Atualizado: Terça-feira, 18 Dezembro de 2012 as 11:33

As mulheres, depois de muita luta, conseguiram conquistar seu espaço no meio dos homens e ganharam respeito nesse meio, mas é nítido que mesmo nos dias de hoje, em pleno século XXI, elas ainda tem que se sacrificar para ascenderem em suas carreiras.

 

A mulher sempre foi vista como aquela responsável por cuidar da casa, dos filhos e do marido e conciliar tudo isso com a carreira profissional na grande maioria das vezes não é tarefa fácil para elas. Mesmo assim, elas não perdem o rebolado e aceitam esse desafio.

Uma pesquisa comprovou que está aumentando a presença das mulheres que ocupam cargos de chefia em empresas no Brasil nos últimos anos. O problema desse aumento é que na grande maioria dos casos, essas mulheres optam por deixar a vida pessoal de lado e dedicam-se inteiramente a carreira.

De acordo com uma pesquisa feita recentemente, o percentual de mulheres em cargos de presidência, diretoria ou gerência que não têm filhos é de 40% - o de homens, 19%. A proporção de executivas com apenas um herdeiro (44%) também é maior que entre seus pares masculinos (29%).

Já a quantidade de executivas separadas ou solteiras nos altos escalões é de 35%, sendo que a carreira foi o principal motivo para a separação (64%). O percentual de executivos separados ou solteiros é de 14%.

A explicação para tantas mulheres separadas ou solteiras está exatamente no fato de que essas mulheres passaram a se dedicar a profissão e ganhar destaque em cargos de chefia, porém, elas ainda tendem a não abrir mão dos papéis que lhe são atribuídos, como cuidarem da casa, da família e do relacionamento e é nesse ponto que as coisas se complicam.

Conciliar todas essas funções acaba se tornando uma missão difícil e boa parte dessas mulheres acaba insatisfeita com a sua distribuição de tempo sendo que apenas uma porcentagem muito pequena delas consegue se dedicar a atividades de lazer, por exemplo. Já no caso dos homens, os números se sobrepõem, o que comprova que eles conseguem conciliar seu tempo muito mais do que as mulheres.

Mesmo assim, se questionadas sobre a possibilidade de abandonar a carreira para se dedicar mais a família, essas profissionais respondem que não abririam mão da profissão.

"Elas se sentem apaixonadas pelo que fazem, apesar da 'culpa'", diz Betania Tanure consultora e pesquisadora da PUC-Minas.

A dedicação dessas mulheres não é algo obrigatório e sim prazeroso e por isso elas não abrem mão de suas conquistas e como as mudanças ao longo do tempo só tendem a crescer, isso ainda acontecerá muitas vezes dentro da classe feminina.

 

com informações de: Folha São Paulo - (UOL)

veja também