Expor a vida pela internet é obsceno. E burro

Expor a vida pela internet é obsceno. E burro

Atualizado: Sexta-feira, 17 Junho de 2011 as 2:29

Não tem limite. A exposição da vida privada atingiu o nível de um pesadelo coletivo. Por conta da internet, não há mais nada que possa ser preservado. Por um motivo doentio: as pessoas não querem se preservar.

É obscena a forma como jovens e adultos, homens e mulheres, desnudam suas almas. A exposição do corpo se tornou tão banal que só resta o desespero de mostrar o que há de pornográfico na mente de cada um.

O último barraco cibernético é o de uma senhora de Sorocaba, interior de São Paulo, que decidiu gravar o momento em que desmascara uma mui amiga que a trai com o marido. Vergonha alheia total.

A corna teve a elegante ideia de colocar o vídeo no Orkut e no YouTube. Pronto. Virou viral. O mundo inteiro agora pode se divertir com o que deveria ser uma dolorosa questão familiar.

Nessa história, todos se deram mal. O marido traíra, a perua chifruda, a biscate adúltera, o outro esposo galhudo. E os filhos dos dois casais. Estrago maior eu não consigo imaginar.

Intrigante é que a dona que postou os vídeos é advogada. Pois a nobre causídica faz questão de aparecer humilhando e descendo a mão na vadia. Ela deveria saber que a Constituição proíbe alguém de gerar provas contra si mesmo.

Mas que nada. Lá está, para a posteridade, a doutora corneada praticando o crime de lesão corporal. Fora a difamação. Que beleza. Que edificante. Que inteligência!

Estrago feito, não adianta reclamar. Ela teve tempo de pensar. O vídeo, na íntegra, tem quase uma hora e meia. A versão publicada tem 10 minutos. Deu um trabalhão editar. Foi premeditado.

É uma descida ao inferno essa mania de gravar e fotografar cada momento dessas nossas vidas ordinárias. Que o diga a legião de mulheres, muitas adolescentes, que atingem a fama graças à indiscrição de seus fogosos ex-namorados.

Só não tinha visto ainda um suicídio de reputação como esse. Agora só falta o casal de amantes decidir se vingar. Pela internet. Eba.

veja também