Ficar ou namorar?

Ficar ou namorar?

Atualizado: Terça-feira, 3 Agosto de 2010 as 11:29

Beijar, abraçar, fazer carinho e desfrutar de bons momentos com alguém de quem a gente gosta. Tudo sem compromisso. A regra é simples: hoje a gente namora e amanhã volta a agir como amigos. Será que "ficar" é uma atitude recomendável para os cristãos? Afinal, crente de verdade fica ou não fica?

"Ficar não existe para o cristão porque a Bíblia fala para o jovem fugir das paixões da mocidade. O cristão pode até pasar um final de semana mais próximo de uma outra pessoa com o objetivo de tentar se conhecer melhor, mas sem nenhum contato físico", declara o Pr. Rainério Ribeiro Mendes, do Ministério Jovem da Igreja Bíblica da Paz.

Prós e Contras

Moda entre os jovens de todas as idades, o "ficar" é bem aceito entre eles por ser um tipo de relacionamento livre, sem cobranças, que possibilita conhecer melhor inúmeras pessoas diferentes, espantar momentaneamente a solidão, curtir bons momentos juntos sem ter que dar satisfações a ninguém.

Mas, você já ouviu falar em compromisso? Compromisso!!! Essa talvez seja a palavra-chave para definir as diferenças entre os relacionamentos dos jovens cristãos e os relacionamentos mundanos. Nós somos comprometidos com o Senhor e com a Sua vontade para nossas vidas, eles não. "O namoro é uma preparação para o casamento e o cristão tem que se conscientizar disso", alerta o Pr. Rainério.

O lado mais complicado do ficar é que, muitas vezes, o menino ou a menina acredita que está entrando num relacionamento sério, enquanto o outro está só passando o tempo. "Isso costuma acontecer com mais freqüência entre as moças, que são mais sonhadoras", constata o pastor da Igreja Bíblica da Paz. "Numa situação equivocada como essa, as pessoas costumam se sentir usadas, tristes e deprimidas, com a sensação de que alguém brincou com os seus sentimentos e isso é muito negativo porque, além do pecado por estar num relacionamento que desagrada ao Senhor, as pessoas acabam se magoando umas as outras, cometendo mais um pecado", completa.

Por quê não ficar?

O Pr. José Carlos da Silva, presidente da Convenção Batista Nacional, destaca alguns ítens negativos do ficar:

1. Ficar deprecia a pessoa, que se torna vulgarizada;

2. Afasta as pessoas de boas intenções. "Pode-se perder um bom partido em conseqüência da má fama", alerta;

3. Destrói a possibilidade de o jovem ter um ministério.

Ainda segundo o Pr. José Carlos, o interesse dos adolescentes pelo namoro muitas vezes é motivado pela falta de atividades dos jovens nas igrejas. "O ideal seria que os cristãos não se preocupassem com esse assunto ainda na adolescência", opina. "Ficar é um procedimento visto como normal na sociedade e, se acontece lá fora, acaba contaminando também os jovens da igreja. Por isso, os cristãos têm que estar sempre envolvidos com atividades como o esporte, o teatro e a música. Um jovem que vê o culto apenas como um compromisso social, com certeza, vai acabar indo para a igreja procurar namorado ou namorada. A saída para imunizar os cristãos contra esses modismo do mundo é um maior envolvimento e compromisso com os ministérios e  com a Palavra de Deus", receita.

Muitas vezes, o ficar acontece como resultado da ansiedade e da baixa auto-estima. É aquela velha história: "Meus amigos e amigas todos já estão namorando e eu nunca nem beijei, ou ainda estou sozinho. Será que tem alguma coisa errada comigo?". Numa situação como essa o ficar pode surgir como uma oportunidade de se sentir melhor, mais bonito, mais amado, mais prestigiado etc. Cuidado com essa cilada! "A ansiedade é falta de confiança em Deus, ela nos leva a fazer coisas erradas e, por isso, é pecado", ensina o Pr. Rainério Ribeiro Mendes, do Ministério Jovem da Bíblica da Paz, que cita I Pedro 5:7 ("...lançando sobre ele toda a vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós").

Mas, então, qual é a idade certa para pensar em namorar? "Existe um tempo certo para tudo. Com 15 ou 16 anos, a maioria dos jovens ainda não está madura para começar a namorar. A hora certa para se envolver num relacionamento afetivo é quando o jovem já se sente pronto para um compromisso mais sério como o casamento e, para isso, é preciso estar bem espiritualmente e bem financeiramente", declara Rainério. "Um jovem comprometido com Deus vai ter condição moral e espiritual de esperar a hora certa para se realizar emocionalmente", emenda José Carlos.

Por: Myrian Rosário

veja também