Fuja dos sapos: saiba como encontrar o menino certo para você

Fuja dos sapos: saiba como encontrar o menino certo para você

Atualizado: Quarta-feira, 27 Julho de 2011 as 10:14

Se você já desistiu de encontrar o menino perfeito, temos uma boa e uma má notícia: a boa é que o menino perfeito ou o príncipe encantado, de fato, existe. A má é que a culpa por não ter achado (ainda!) um menino desse tipo pode ser toda sua. É claro que ninguém aqui quer dar uma de amiga-mala, do tipo que adora criticar por criticar. A Atrê vai ajudar você a descobrir onde está errando, e o que precisa mudar para chegar lá. Assim, quando o menino perfeito bater de novo à sua porta, você vai abrir e saber reconhecer o príncipe encantado. Preparada para viver (finalmente) uma história com final feliz?

Confira cinco passos para conquistar o menino perfeito!

Primeiro passo: esqueça os príncipes que só existem nos livros

Afinal, você já cresceu. Pense: será que, ultimamente, você não anda sendo exigente demais com os meninos que cruzam o seu caminho? “Nos livros infantis, ensinam que o príncipe encantado tem que realizar todos os desejos da princesa. Mas, se você pensar bem, verá que essa função, na verdade, é da fada. Então, o príncipe está sendo cobrado por algo que ele não pode dar”, brinca a psicoterapeuta da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), Mara Pusch. Piadinhas à parte, a verdade é que, ao esperar pelo homem perfeito, a gente acaba mesmo se frustrando. E o resultado, claro, é que passamos cada vez mais tempo sozinhas. Então, o primeiro passo, se você deseja de verdade encontrar um menino bacana, é desistir de buscar o menino perfeito, para começar a procurar o ideal. Porque tem diferença, sim! “O príncipe é, na verdade, um cara encantado, ou seja, cheio de encantos. E cada uma de nós vai desejar determinada lista de encantos. Então, o garoto que puder preencher a maioria desses quesitos e que fizer o coração bater acelerado, esse é o ideal. Embora ele tenha defeitos, como todo príncipe”, explica Mara. Pensando assim, como sugere a psicoterapeuta, fica muito mais fácil engatar um

relacionamento e fazê-lo durar. Porque desistir, logo que o menino der a primeira mancada, é fácil. Mas só quando aprendemos a aceitar os outros como são, em vez de querer mudá-los para aquilo que

nós gostaríamos que fossem, é que conseguimos sucesso nos relacionamentos. “É preciso tomar muito cuidado com as expectativas exageradas. O nosso maior desafio é aceitar que os outros têm defeitos,

assim como nós temos. Outra coisa importante é tentar ver, também, as qualidades, os atrativos do menino – em vez de focar só naquelas coisas dele das quais não gostamos muito”, ensina Mara.

Segundo passo: considere que, entre vocês dois, não há competição

Todo mundo gosta de ter razão, de sair ganhando numa disputa, de competir e vencer. Mas quando isso contamina o relacionamento, e o casal entra nessas, o tempo inteiro, fica difícil levar a história adiante.

E não há príncipe encantado que resista! Então, se quer mesmo investir num namoro, precisará aprender a ter jogo de cintura, aceitando que nem tudo sairá à sua maneira. Na maioria das vezes, vocês vão ter que negociar. Cada um cede um pouquinho e, juntos, os dois acham o meio-termo, um ponto de equilíbrio. Claro que isso não significa que você não tenha que expor o que pensa. Até promover uma briga ou D.R (Discussão da Relação, pra quem não sabe) pode valer a pena. Só não vale entrar em briga, em disputa, por nada. Ou por pouca coisa. Picuinhas, com o tempo, vão desgastando o relacionamento. Até que um belo dia, o príncipe encantado pega seu cavalinho e sai a galope!

Terceiro passo: deixe os sapos na lagoa

Sabe quando a gente aceita ficar com um garoto que não tem nada a ver, só para não terminar a balada sem pegar ninguém? Ou, pior, continua num namoro com um menino que é um ogro – no pior sentido da palavra – só porque “não sabemos mais viver sem ele”? Pois é, em muitos desses momentos, nos quais insistimos em perder tempo com os sapos, os príncipes passam perto. Mas, como estamos comprometidas, eles continuam seu caminho atrás de outras princesas. E aí perdemos a vez. “Muitas meninas têm tanto medo de ficar sozinhas, que abrem mão de escolher um garoto que realmente as atraia,que lhes faça bem, que as complemente. E ‘se deixam’ escolher. As mais ansiosas não conseguem esperar, e aceitam qualquer proposta. As pessimistas, por outro lado, desistem logo de vez dessa história de amar. E todo mundo sai perdendo”, explica Mara.

Quarto passo: descubra a princesa que há em você

Enquanto continuar achando que deve se contentar com pouco, pode apostar que só vão aparecer sapos querendo se relacionar com você. Agora, quando puder se convencer do quanto é especial, automaticamente será mais segura, e saberá escolher o que realmente é bom e está à sua altura. E, aí, vai abrir o coração para os garotos certos, aqueles que estarão realmente empenhados em ver você feliz. “A grande verdade é que a gente nunca sabe em que dia o destino vai bater à nossa porta. Mas tem sempre alguém especial esperando por cada uma de nós. É uma pena que não podemos prever como – nem quando – será esse encontro”, diz a psicoterapeuta.

Quinto passo: não conte com a fada madrinha

Já reparou que os meninos não vêm com certificado de compra e garantia, muito menos com aquele selinho grudado, onde se lê: “propriedade de fulana”? Pois, com os príncipes, não é diferente. Eles até dão o ar da graça, de vez em quando. Mas a verdade é que só vão continuar na sua vida se você deixar – e fizer por merecer. Isso significa encarar alguns desafios como: controlar melhor o ciúme, tentar não ser grudenta, evitar que a rotina tome conta do namoro, fazendo o romance ser puro tédio, dia após dia... Muitos comportamentos, como esses, acabam se tornando obstáculos para os relacionamentos. E aí não adianta mudar de namorado. Enquanto não modificarmos a nós mesmas, aquelas histórias com finais infelizes vão acabar se repetindo, indefinidamente. Afinal, as fadas – que fazem nossos problemas desaparecerem com um simples toque da varinha – também só existem nos livros infantis. Na real, quem se garante é só você mesma.    

veja também