Governo Obama defende legalização de jovens imigrantes

Governo Obama defende legalização de jovens imigrantes

Atualizado: Quarta-feira, 29 Junho de 2011 as 8:43

Membros do gabinete do presidente americano Barack Obama defenderam nesta terça-feira uma proposta de legalização de jovens imigrantes nos Estados Unidos. O projeto Dream Act, em discussão no Senado, propõe a regularização de documentos para os jovens que chegaram ao país ainda crianças e podem comprovar, hoje, um bom histórico escolar, além de um comportamento social adequado. A reforma renderia votos a Obama, que tentará a reeleição em 2012.

"O Dream Act faria dos Estados Unidos um país mais forte", disse o líder da bancada democrata, Dick Durbin, recordando que o projeto está no Congresso sofrendo derrotas sucessivas há uma década. A proposta foi trazida de volta à discussão em 11 de maio por senadores democratas. A medida havia sido aprovada na Câmara de Representantes em dezembro do ano passado, mas ainda não conseguiu reunir os 60 votos mínimos para sua ratificação no Senado.

Alcance - Segundo a Casa Branca, milhares de estudantes se formam anualmente na escola secundária, sem ter conseguido regularizar os seus documentos. De acordo com os cálculos do Instituto de política migratória, a reforma poderia beneficiar 726.000 jovens imediatamente. "Não estamos falando de uma anistia em massa. É um assunto urgente para esses jovens", disse a secretária de Segurança Interna, Janet Napolitano, respondendo a perguntas de um senador republicano oposto ao projeto, Chuck Grassley.

O Dream Act prevê que, para pedir a regularização de seus documentos, o jovem deve cumprir uma série de requisitos: comprovar que chegou aos Estados Unidos com menos de 15 anos, demonstrar bons antecedentes sociais, apresentar diploma e realizar dois anos de serviço ou educação militar.

Estratégia - O governo Obama aposta na reforma de imigração para garantir sua vitória na corrida eleitoral. Com a popularidade em alta após a morte do terrorista Osama bin Laden e de olho nas eleições de 2012, o presidente dos Estados Unidos fez um discurso dedicado especificamente a esta reforma no mês passado. Na ocasião, ele ressaltou que continua apoiando o Dream Act.

veja também