Grandes empresas atraem jovens talentos com estágio no exterior

Grandes empresas atraem jovens talentos com estágio no exterior

Atualizado: Quinta-feira, 4 Agosto de 2011 as 9:36

Vai começar uma nova temporada para contratação de trainees. Grandes empresas, principalmente multinacionais, estão endurecendo na hora de selecionar, mas estão oferecendo treinamento no exterior aos jovens talentos.

Um ano depois de ingressar no programa de trainee, a gerente de recrutamento e seleção, Isabela Garbes foi alçada à gerência. Agora, ela ensina o caminho das pedras para o novato Jonathan Ka Hun Tso.

O talento contou, mas conhecer o funcionamento da companhia na sede dos Estados Unidos também fez a diferença. "Entender que você faz parte de um todo muito maior foi fundamental e essa visão a gente só conseguiu ter lá fora", diz Isabela.

Jonathan se prepara para a primeira viagem internacional a trabalho. Ele embarca essa semana. "Vou ter uma visão do trabalho que eles fazem lá e como as decisões que são tomadas globalmente vão descendo as ações que a gente toma aqui localmente. Acho que isso vai ser o mais importante. Depois disso é continuar trabalhando para quem sabe um dia chegar lá e começar a tomar decisões globais também", diz Jonathan.

As viagens internacionais e a chance de trabalho lá fora são estratégias usadas cada vez mais para atrair os jovens talentos.

De acordo com a Associação Brasileira de Recursos Humanos, nos últimos cinco anos empresas multinacionais dobraram a quantidade de trainees que vão para o exterior.

A cada dois anos, mais de dez mil pessoas se inscrevem  para disputar uma vaga de trainee numa multinacional de alimentos. De todas, apenas três conseguem a vaga e também a chance de passar uma temporada no exterior. Uma peneira digna de seleção.

Os vitoriosos ficam, em média, um ano trabalhando fora do país. O intercâmbio lá fora traz trainees mais experientes. Mas também leva o jeito brasileiro de trabalhar para a matriz. A trainee Kátia Regina ajudou a montar, na Suíça, uma nova estrutura para o RH da companhia, que vai ser usada no mundo todo.

"É um orgulho você saber poxa: sou brasileira, estou num projeto global, to fora do país e tão seguindo as nossas diretrizes, as nossas características. Acredito que eu tenho muito mais consistência profissional, muito mais competitividade no mercado", fala Kátia.

veja também