Gravidez na adolescência cai 38% no interior paulista

Gravidez na adolescência cai 38% no interior paulista

Atualizado: Quinta-feira, 30 Junho de 2011 as 4:20

Levantamento realizado pela Prefeitura de São José dos Campos demonstra que o número de nascidos vivos de mães entre 10 aos 19 anos apresentou percentual de queda de 38,4% nos últimos 10 anos. Em 2001, o número de nascidos vivos entre mães adolescentes no município era de 1.983. Em 2010, esse número foi de 1.220. Isto tem representado uma redução também nos gastos públicos para atender essas gestantes e resultados da política de saúde que procura conscientizar as jovens sobre a gravidez prematura. Essa redução é efeito da aplicação de diversas ações educativas e de saúde preventivas criadas ao longo da última década.

A política conta com o auxílio de equipes multiprofissionais envolvidas no atendimento a esta população nas Unidades Básicas de Saúde (UBS), cujo atendimento médico é específico às gestantes precoces. Neste local, a jovem ainda encontra acesso a todos os métodos contraceptivos, disponibilização mensal de 128 mil anticoncepcionais e 154 mil preservativos com orientação especializada e realização de testes de gravidez. Nas UBS são oferecidos atendimentos médicos especifico como Hebiatra - médico especializado em saúde da adolescente -, que orienta sobre o uso dos métodos contraceptivos. O Programa Saúde do Adolescente e o Programa Materno-Infantil, e o Projeto Casulo, são considerados modelos no estado e de fundamental importância na queda dos índices recém-constatados.

O Projeto Casulo é um serviço referenciado para o cuidado às gestantes e lactantes. Fundado em 1994, com o objetivo de promover a redução da mortalidade infantil, o programa promove assistência às gestantes de risco e gestantes adolescentes menores de 16 anos, em ambos os casos com forte incentivo ao aleitamento materno e com um minucioso levantamento das crianças de risco nas maternidades SUS para encaminhamento aos serviços básicos de saúde. Atualmente, o Casulo realiza uma média de 1 mil atendimentos por mês, 600 consultas de gestação, 350 exames de ultrassom obstétrico para todas as gestantes do pré-natal e dos grupos de gestantes de toda rede municipal. Além das gestantes de risco, o projeto possui o Centro de Lactação que atende as intercorrências mamárias durante a lactação. São gestantes com problemas como 'seio empedrado', mastite, fissuras ou também dores durante a amamentação. Hipertensão e diabetes gestacional, toxoplasmose, placenta prévia, hipertireoidismo são alguns dos problemas que também podem ocorrer na gravidez e precisam de mais acompanhamento médico.

Cursos

O Casulo realiza também cursos para gestantes e grupos de Puérpera para adolescentes (grupos que recebem orientações sobre a maternidade, prevenção de doenças e planejamento familiar). Lá elas recebem informações e tratamento, além de apoio psicológico especial para as menores de idade. Gestantes nutrizes, como são denominadas as mães que estão amamentando e bebês com dificuldade de amamentação, também são encaminhados ao Projeto.

Para receber atendimento e participar dos trabalhos oferecidos, as mães devem procurar a Unidade Básica de Saúde de sua referência para que sejam encaminhadas.

Gestantes de cidades vizinhas como Paraibuna e Monteiro Lobato também são atendidas pelo serviço.

As Secretarias da Educação e, a recém-criada Secretaria da Juventude, também contam com programas específicos sobre prevenção dentro das salas de aula e nas Ações Juventudes.

No avanço ao atendimento a gestante, a Prefeitura de São José dos Campos pretende reforçar os estoques do Banco de Leite Humano (BLH) do Hospital Municipal. Neste mês foi lançada a campanha "Quem doa leite materno, amamenta a vida".

veja também