Jovens adiam independência financeira e moram mais tempo com os pais

Jovens adiam independência financeira e moram mais tempo com os pais

Atualizado: Terça-feira, 19 Abril de 2011 as 9:40

Os jovens permanecem cada vez mais tempo na casa dos pais e estão em busca de prazer e diversão. A constatação parte de uma pesquisa da TNS Research International, que analisou o comportamento de jovens entre 12 e 19 anos das classes A até D.

Segundo o levantamento, ao serem questionados sobre quando deixariam a casa dos pais, os jovens com idades entre 12 e 15 anos responderam que isso aconteceria quando completassem 21 anos. Já aqueles que tinham entre 18 e 19 anos disseram que só sairiam da casa dos pais com 31 anos de idade.

Para o diretor comercial da TNS Research, Jorge Kodja, este é um movimento muito característico da geração Y (referência às pessoas que nasceram entre os anos de 1977 e 1997). "Essa geração é composta por filhos de pessoas que já viveram uma realidade de liberdade sexual, de liberdade individual e até de uma certa liberalidade social que fez com que eles criassem esses jovens de uma maneira muito aberta e acolhedora", diz o executivo.

Assim, segundo ele, esses jovens não têm tanta necessidade de sair de casa para serem independentes. "Diferente das gerações anteriores, como a geração X ou até a anterior, eles não precisam se desvencilhar da família para ter uma identidade própria, uma vida própria", ressalta Kodja.

Fator financeiro

De acordo com o diretor, o fator financeiro também pesa bastante na decisão do jovem de permanecer mais tempo morando com os pais. "A vida ficou mais difícil, a concorrência no mercado de trabalho é maior, mesmo nesse momento positivo do País", diz Kodja.

Segundo ele, a dificuldade de colocação no mercado de trabalho influencia nesta decisão. "Com esta grande dificuldade de colocação, esses jovens acabam efetivamente adiando a saída da casa e a independência financeira", afirma.

Educação

Segundo o levantamento, a educação é algo muito importante e é bastante valorizada pelos jovens atualmente. "Verificamos, através do estudo, que a educação é uma das coisas a que os jovens atribuem maior valor. Acabar a faculdade, começar uma pós e continuar estudando faz parte do plano deles", diz o diretor da TNS.

Assim, quanto mais eles estudam para se especializar e conseguir um lugar no mercado de trabalho, por mais tempo é adiada a independência financeira. "Eles estão cientes de que isso vai ter um custo e o impacto disso é a necessidade de estarem protegidos por mais tempo dentro da família", aponta Kodja.

veja também