Jovens garantem que são donos do próprio voto

Jovens garantem que são donos do próprio voto

Atualizado: Quarta-feira, 29 Setembro de 2010 as 3:29

A quatro dias das eleições, a estudante Camila Dias Rodrigues, de 16 anos, não decidiu o quadro de candidatos e afirma que, apesar de pedir opinião para os pais, a decisão será somente dela.

"Não só os jovens, mas todos os eleitores devem entender que seu voto faz toda a diferença. Tem de ser algo pensando, sem influência da família, amigos ou escola", diz Camila.

A irmã gêmea dela, Carina Dias Rodrigues, 16, concorda e afirma que mergulhou na telinha da TV para buscar informações sobre os candidatos.

"Como é a primeira vez que vou votar procurei assistir os debates e os programas eleitorais para analisar as propostas dos candidatos."

O estudante Francisco Praxedes Longhi Zanetti, 16, diz que não se sentiu pressionado pelos pais e que a mídia ajudou na hora da escolha dos candidatos. "Eles me deixaram à vontade para escolher, mas gosto de saber deles em quem vão votar e por quê", afirma Francisco.

O estudante Antônio Barbeiro, 16, concorda com o amigo e acrescenta que, mesmo não sendo obrigatório, todos os jovens de 16 e 17 anos deveriam tirar título de eleitor.

"O fato de irmos votar neste domingo mostra o quanto estamos preocupados com o futuro do país. Infelizmente, a maioria dos jovens acha que política é coisa só para adultos."

Antônio pediu opinião para os pais e avaliou também os candidatos por meio de reportagens de jornais e revistas. "Não confio muito nos sites dos candidatos porque, se na televisão eles já mentem, imagine nas redes sociais", diz.

O estudante Kleber Dias, 17, diz que os pais até tentaram influenciar na escolha, mas os debates nas emissoras de TV o ajudaram a decidir, principalmente o voto para o cargo de presidente. "Se tenho idade suficiente para tirar o título, também tenho que escolher por conta própria os meus candidatos", afirma.

Na faixa etária entre 16 e 17 anos, o voto não é obrigatório.

Maioria só vota por obrigação

Cerca de 85% dos jovens entre 16 e 17 anos de Rio Preto não tiraram título de eleitor para votar no domingo.

"Muda os políticos e aumenta cada vez mais a corrupção no Brasil. Para que votar se vai continuar a mesma coisa", afirma o estudante Ricardo Gomes Ribeiro, 17 anos.

Marina Alves, 16, não tirou o título porque perdeu o prazo estipulado pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral). "Achei que daria para tirar uns dias antes da eleição. Não gosto muito de política, por isso não fiquei atenta para a data", diz.

Para o estudante Carlos Rodrigues da Cunha, 16, o desinteresse dos jovens em votar está relacionado com a propaganda eleitoral. "Na TV é uma palhaçada atrás da outra. Não votar talvez seja uma maneira de protestar contra esses candidatos que estão tirando uma onda com os eleitores. As pessoas que votam em branco ou nulo estão também protestando da mesma forma", afirma.

A estudante Hannah Marques, 18, concorda que há candidatos que banalizam a política e não respeitam os eleitores. "O horário eleitoral é a oportunidade para que eles apresentem os planos de mandato. Em vez disso ficam fazendo palhaçada e piada", afirma. Hannah não tirou o título antes dos 18 anos porque, diz, não tinha visão política formada. Luciano Moura.

A quatro dias das eleições, a estudante Camila Dias Rodrigues, de 16 anos, não decidiu o quadro de candidatos e afirma que, apesar de pedir opinião para os pais, a decisão será somente dela.

"Não só os jovens, mas todos os eleitores devem entender que seu voto faz toda a diferença. Tem de ser algo pensando, sem influência da família, amigos ou escola", diz Camila.

A irmã gêmea dela, Carina Dias Rodrigues, 16, concorda e afirma que mergulhou na telinha da TV para buscar informações sobre os candidatos.

"Como é a primeira vez que vou votar procurei assistir os debates e os programas eleitorais para analisar as propostas dos candidatos."

O estudante Francisco Praxedes Longhi Zanetti, 16, diz que não se sentiu pressionado pelos pais e que a mídia ajudou na hora da escolha dos candidatos. "Eles me deixaram à vontade para escolher, mas gosto de saber deles em quem vão votar e por quê", afirma Francisco.

O estudante Antônio Barbeiro, 16, concorda com o amigo e acrescenta que, mesmo não sendo obrigatório, todos os jovens de 16 e 17 anos deveriam tirar título de eleitor.

"O fato de irmos votar neste domingo mostra o quanto estamos preocupados com o futuro do país. Infelizmente, a maioria dos jovens acha que política é coisa só para adultos."

Antônio pediu opinião para os pais e avaliou também os candidatos por meio de reportagens de jornais e revistas. "Não confio muito nos sites dos candidatos porque, se na televisão eles já mentem, imagine nas redes sociais", diz.

O estudante Kleber Dias, 17, diz que os pais até tentaram influenciar na escolha, mas os debates nas emissoras de TV o ajudaram a decidir, principalmente o voto para o cargo de presidente. "Se tenho idade suficiente para tirar o título, também tenho que escolher por conta própria os meus candidatos", afirma.

Na faixa etária entre 16 e 17 anos, o voto não é obrigatório.

Maioria só vota por obrigação

Cerca de 85% dos jovens entre 16 e 17 anos de Rio Preto não tiraram título de eleitor para votar no domingo.

"Muda os políticos e aumenta cada vez mais a corrupção no Brasil. Para que votar se vai continuar a mesma coisa", afirma o estudante Ricardo Gomes Ribeiro, 17 anos.

Marina Alves, 16, não tirou o título porque perdeu o prazo estipulado pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral). "Achei que daria para tirar uns dias antes da eleição. Não gosto muito de política, por isso não fiquei atenta para a data", diz.

Para o estudante Carlos Rodrigues da Cunha, 16, o desinteresse dos jovens em votar está relacionado com a propaganda eleitoral. "Na TV é uma palhaçada atrás da outra. Não votar talvez seja uma maneira de protestar contra esses candidatos que estão tirando uma onda com os eleitores. As pessoas que votam em branco ou nulo estão também protestando da mesma forma", afirma.

A estudante Hannah Marques, 18, concorda que há candidatos que banalizam a política e não respeitam os eleitores. "O horário eleitoral é a oportunidade para que eles apresentem os planos de mandato. Em vez disso ficam fazendo palhaçada e piada", afirma. Hannah não tirou o título antes dos 18 anos porque, diz, não tinha visão política formada. Luciano Moura.

veja também