Jovens se culpam pela violência nas escolas

Jovens se culpam pela violência nas escolas

Atualizado: Terça-feira, 20 Julho de 2010 as 8:43

A Universidade de Taubaté (Unitau), no interior paulista, divulgou uma pesquisa em quatro escolas da rede pública sobre a violência no ambiente escolar. Os jovens entrevistados alegam acreditar que causam a violência, mas os professores e gestores dos estabelecimentos de ensino acham que o comportamento violento é oriundo da falta de harmonia familiar, do desemprego e da desigualdade social.

No estudo, realizado pela estudante quintanista de psicologia Aline Cazarim, os educadores entrevistados culpam o Governo e a falta de parceria dos pais com as escolas pelo problema. Ocorrências na família como negligência e violência doméstica agravariam o quadro. "Os agentes reconheceram a violência como fenômeno produzido pelas rachaduras e pela perversidade do sistema econômico e das condições sociais. Muitas destas representações resvalam em preconceitos que indicam a chamada criminalização da pobreza, que estigmatiza o pobre como violento", explica Aline.

Mas o que mais preocupou a futura psicóloga foi ver os jovens se culpando, reforçando o mito de que os estudantes são delinquentes. "O jovem incorpora este discurso. Isso faz com que a sociedade não reflita sobre outros fatores ligados á produção da violência, como o desemprego, a corrupção no meio político e tantos outros."

Aline salientou em seu estudo a necessidade da criação e da execução de políticas educacionais voltadas para a recuperação do diálogo, da esperança e da convivência saudável nas escolas. Também citou a importância de a escola voltar a ser vista, como em épocas anteriores, como um dos principais pilares da sociedade. Para ela, "prevenir a violência é promover o diálogo e criar um espaço de criatividade". A estudante diz que cada escola precisa entender sua realidade, buscar ajuda, reivindicar direitos, exercer deveres e construir um contexto de humanidade.

A intenção da aluna de psicologia da Unitau com o estudo é clara: "Contribuir para que professores, agentes escolares e alunos possam refletir sobre seus papéis e tomar uma posição diante da problemática da violência."

Postado por: Felipe Pinheiro

veja também