Me apaixonei e agora?

Me apaixonei e agora?

Atualizado: Quarta-feira, 1 Setembro de 2010 as 2:33

É sempre interessante a pesquisa do quanto se sofre por paixão, pela dor do coração nos dias de hoje.

O sentimento é tão avassalador que a sensação é realmente de estar perdido ou perdida. A cabeça gira e surge a pergunta: e agora o que fazer?

Devo me declarar? Partir para conquista? Arrumar um meio de ficar com esta pessoa?  Jogar indiretas? Dar presentes? Devo ligar? Enviar um torpedo, um e-mail?

Tantos pontos de interrogação e uma encruzilhada a frente.

Quando você pensa na pessoa por quem está apaixonada, o chão parece que sai do lugar. Sua cabeça roda e não consegue pensar em nada. Qualquer coisa que se põe a fazer acaba por se perder nos seus pensamentos que divagam pela paixão exacerbada.

É algo mágico como uma bolinha de sabão que reluz tantas cores lindas, mas que num instante se desfaz. Paixão é isto. Algo mágico mas que se perde, se acaba em segundos.

É está a principal razão que leva a Bíblia enfatizar o amor e não  a paixão. Em I  aos Coríntios 13, o apóstolo Paulo descreve o amor, se você comparar verá que é um sentimento muito mais nobre do que a paixão.

Ele é paciente, benigno, não inveja, não se vangloria, não se ensoberbece, não se porta inconvenientemente, não busca seus próprios interesses, não se irrita, não suspeita mal. O amor não se alegra com  injustiça, ma se regozija com a verdade. Tudo sofrê, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. O amor nunca falha.

Considerando que este é o amor de Deus, o amor ágape percebe-se o quanto ele se distancia da paixão em suas características. E é o modelo de amor para os relacionamentos.

Na adolescência não tem muito valor as implicações de uma paixão, mas o momento em si. Se a sensação é boa, não tem porque ficar pensando e refletindo as conseqüências dela.

O grande problema é que você não se sente feliz quando apaixonada, ou apaixonado, até demonstra isto, mas a sensação de insegurança ultrapassa esse bom sentimento. E ficam as lamentações.

O que fazer então?

Seja inteligente a ponto de lutar por um amor verdadeiro a exemplo do amor de Deus, e não por uma paixão. Busque solidificar seus sentimentos e conduzi-lo a melhor forma de expressão.

Se você teme a Deus, e confia a Ele toda as áreas de sua vida, seus sentimentos serão válidos e você se sentirá satisfeito com eles.

Com pouco tempo perceberá que amar intensamente, com responsabilidade e comprometimento é muito mais vantajoso do que se entregar a uma paixão passageira.

Não vale a pena iniciar um relacionamento apenas pela paixão, mas sim vale ir em busca do sentimento mais nobre que pode sustentar qualquer relacionamento que é o amor.

Por: Simei Gonçalves    

veja também