Namoro segundo a vontade de Deus - Princípios orientadores

Namoro segundo a vontade de Deus - Princípios orientadores

Atualizado: Quarta-feira, 25 Abril de 2012 as 11:30

Não é bom que o homem viva sozinho. Vou fazer para ele alguém... como se fosse a sua outra metade (Gn 2:18). Deus nos fez seres sociais. Com a criação de Eva, Deus deu a Adão alguém com quem ele pudesse se relacionar, conversar, dividir alegrias, descobertas, e constituir uma família. O casamento é plano de Deus. E, o primeiro passo rumo a esta união, é o namoro. Por isso, é importante encará-lo com seriedade. Quem erra o primeiro passo, pode se complicar mais à frente.

Cerca de 75% dos problemas que os casais enfrentam, têm origem na época do namoro e noivado. Um namoro problemático, fora dos padrões estabelecidos por Deus, é danoso, e pode machucar os envolvidos. Para que isso não aconteça, gostaria de sugerir pelo menos três princípios orientadores para o namoro, à luz das Escrituras.

Em primeiro lugar, quem namora, precisa aperfeiçoar a capacidade de se relacionar. Uma das maiores oportunidades oferecidas pelo namoro é a capacidade de aperfeiçoar os relacionamentos. O número de pessoas que são um desastre, relacionalmente falando, é grande. Tanto no ambiente familiar, como em outros locais, são inseguras, afoitas, ou até mesmo estouradas, explosivas. Quem não sabe se relacionar, só tem a perder. A Bíblia diz que duas pessoas juntas podem lucrar muito mais do que uma sozinha (Ec 4:9, BV). Pois bem, o namoro pode ser um período de grande crescimento e descoberta nesta área.

Em segundo lugar, quem namora, precisa desenvolver a capacidade de se controlar. O namoro tanto pode ser um tempo de muita bênção e alegria, quanto pode ser um período triste, a fazer parte de um passado a ser esquecido e enterrado. Quanto o casal avança os limites estabelecidos por Deus, o risco do namoro se tornar um tempo de frustração é grande. É preciso autocontrole. Se quiser agradar a Deus, quem namora, precisa desenvolver esta virtude. O ato de protelar a relação sexual até o casamento serve para isso. É pedagógico. Mostra que o relacionamento e a verdadeira preocupação com o outro são mais importante que a satisfação pessoal e a expressão sexual. Quando esse princípio é levado a sério, o namoro se torna uma ótima chance para se exercitar o domínio próprio, uma das características do fruto do Espírito (Ef 5:23).

Em terceiro lugar, quem namora, precisa aumentar a capacidade de se comunicar. Quanto tempo o casal de namorados “gastam” conversando? Geralmente, muito pouco. Isso é um sinal de alerta! Não adiante se iludir, se no namoro não existe diálogo, no casamento não existirá também. Em Provérbios, o “controle da boca” é uma virtude desejável, a ser perseguida, pois, o que controla a sua boca preserva a vida (13:3a). “Controlar a boca” não é ficar sem falar, mas falar na hora certa: ...como é bom uma palavra na hora certa! (Pv 15:23). Meditar no que responder: O coração do justo medita sobre o que se deve responder... (Pv 15:28). Todas estas práticas precisam ser exercitadas no namoro: Palavras suaves são como favos de mel, doçura para alma e saúde para o corpo (Pv 16:24).

Você que está terminando ler estas palavras, deve saber o quanto o casamento é importante para Deus. Sabe que ele deve ser uma união indissolúvel: ...o que Deus uniu não separe o homem (Mt 19:6b). Pois bem, o sucesso no casamento, depende, em muitos fatores, do sucesso no namoro. Então, se você for pai ou mãe, oriente seus filhos sobre o namoro segundo a vontade de Deus. Não tenha
medo de falar! E, se você for jovem, ou uma pessoa que está namorando ou pensando em namorar, não adie: conduza seu relacionamento de acordo com os princípios das Escrituras Sagradas. Vale a pena.

 

Por Eleilton Freitas

veja também