Natasha de Moraes, de 12 anos, sonha em vender seus cabelos que nunca cortou

Rapunzel da favela do Vidigal quer leiloar seus cabelos

Atualizado: Sexta-feira, 30 Março de 2012 as 1:35

Era uma vez uma menina que nunca cortou os cabelos. Suas madeixas medem 1,60m, quatro centímetros a menos que a sua altura, e pesam meio quilo. Parece até um personagem de conto de fadas. No entanto, Natasha de Moraes, 12 anos, a Rapunzel da favela do Vidigal na zona sul do Rio de Janeiro, não leva vida de princesa. 

Na vida real de Natasha, as bruxas e seres animados dão lugar a limitações e problemas de todo tipo. Como é filha de uma família com poucos recursos financeiros – a mãe é dona de casa e o pai auxiliar de porteiro – , os longos fios têm atrapalhado a todos. 

Um hábito comum como tomar banho se torna quase um drama. Para lavar a cabeça, Natasha e a mãe gastam uma hora e meia e meio quilo de xampu. Para desembaraçar, mais quatro horas. O ritual acontece duas vezes por semana. “Nunca consegui me pentear sozinha”, diz ela, que mantém seus cabelos trançados e dobrados para não chamar tanta atenção. 


Mãe quer cortar 
Natasha não pratica muitos esportes – alega perder o equilíbrio –, não mergulha no mar e não sai muito de casa. “As pessoas ficam me olhando. Um dia, no Alto da Boa Vista, uns caras me perseguiram para roubar o meu cabelo. Fico com medo de voltar a acontecer”, afirma. 
A mãe, Catarina de Moraes, já está decidida: quer cortar. “Fica todo mundo preso. Não conseguimos nem dar um passeio. Deixei ela ficar assim porque respeitei seus sonhos. Mas não está dando mais. Até a escola já pediu para que fosse cortado”, explica.
Na colégio particular onde estuda, colegas às vezes a chamam de “estranha”. Chegaram até a cortar um cacho de cabelo da menina, enquanto ela assistia a uma aula. “Chorei muito nesse dia”, conta Natasha. “Mas hoje, depois que me viram nos jornais ingleses, estão querendo ser meus amigos e ficam me elogiando”, diz. A garota foi alvo de reportagem dos tabloides Daily Mail e The Sun. 

Quatro centímetros a menos que a sua altura“Desde a primeira vez que vi o filme "Barbie Rapunzel", fiquei com vontade de deixar meu cabelo crescer. Mas só resolvi fazer isso quando vi um programa de TV onde uma mulher conseguia um bom dinheiro leiloando o cabelo. Quero ajudar os meus pais e construir um quarto para mim”, diz a menina, que sonha com uma cama com dossel e paredes cor-de-rosa.

Ela só lava as madeixas duas vezes por semana e gasta quase cinco horas no processo. A princesa de cabelos longos rodeia a vida de Natasha. Sua primeira boneca logo ganhou tranças e foi chamada de Rapunzel. Na porta de sua casa, a menina colou um desenho da heroína. Seu maior sonho é ir para Disney conhecer o lar da personagem principal do filme “Enrolados”, versão moderna do conto dos irmãos Grimm.

Por tentar viver nesse mundo dos sonhos, a jovem quer ser ilustradora quando crescer. “Aprendi a desenhar sozinha e adoro fazer isso. Passo tardes inteiras só inventando personagens”. 

Para as fotos dessa matéria, a reportagem do iG a levou a um local que tem uma das vistas mais bonitas do Rio de Janeiro. Apesar de morar na comunidade desde que nasceu, foi a primeira vez que Natasha subiu ao alto do Morro do Vidigal, agora pacificado pela polícia fluminense. A garota ficou impressionada com a comoção que causou nos policiais e moradores da região. Todos pediram para tirar fotos com a “Rapunzel do Vidigal”. 


Os dias de fama – e o cabelão –, no entanto, parecem estar com os dias contados. Tanto Natasha quanto os pais não querem mais manter o cabelo nesse tamanho. “Mas só vou cortar quando conseguir realizar o sonho de leiloar meu cabelo”, avisa ela, que já recebeu uma proposta de R$ 8 mil.

“Vou ficar triste, mas não vou deixar curtinho. Quero que fiquem um pouco abaixo dos ombros”, avisa. Como todo conto de fadas, ela espera o final feliz.

veja também