Polícia investiga jovens que agem como "Skinheads"

Polícia investiga jovens que agem como "Skinheads"

Atualizado: Sexta-feira, 10 Junho de 2011 as 4:29

Um grupo de cinco jovens que pode estar agindo  como "homofóbicos" - pessoas avessas a homosexuais -, bem ao estilo "skinheads". "Justiceiros" – pessoas que se dizem  contra usuários de drogas ou bandidos -, ou até mesmo "pistoleiros" à  serviço de traficantes e do crime organizado, podem estar por trás da execução de dois travestis. Essas são as linhas de investigações da delegada Anaídes Barros, da equipe de investigações da Delegacia de Homicídio e Proteção a Pessoa (DHPP).

Até agora, segundo a delegada, existem apenas denúncias da existência de um grupo formado por cinco rapazes acusados de matar, não apenas o travesti "Maria do Bairro", mas também o travesti Alisson Otávio Carvalho da Cruz, de 20 anos, também conhecido como "Alicinha".

Na linha de investigações, surgem também alguns motivos até então desconhecidos que levam a Polícia para outros pontos. Além da homofobia, há também informações deque as duas vítimas massacradas no mesmo local e do mesmo jeito eram usuárias de drogas.

Para a delegada Anaídes Barros, numa investigação, nada pode ser descartado. Ela diz que está investigando todas as hipóteses em três linhas de investigações levantadas nas primeiras 24 horas de levantamentos, buscas e investigações.

Inclusive, segundo a delegada da DHPP, várias pessoas que podem ser incluídas como testemunhas, já foram ouvidas na manhã desta quinta-feira (09). Cada uma delas, segundo ainda a delegada Anaíedes, colaborou de certa maneira com as investigações.

 "Estamos investigando, sim, o suposto grupo de cinco jovens acusado de matar, principalmente travestis. Mas também estamos investigando supostos justiceiros, que também não suportam pessoas usuárias de drogas e matam por matar. No meio surgiu a versão de que as vítimas podem ter sido executadas a mando de traficantes, o que se for confirmado, mudaria em tese o foco das investigações", afirmou a presidente do inquérito.

Um travesti morto brutalmente a pauladas e facadas no mesmo local onde outro homossexual foi massacrado dias antes, possivelmente pelos mesmos assassinos em mais um crime homofóbico. O corpo de Maildo, conhecido no mundo gay como "Maria do Bairro" foi encontrado morto a pauladas e facadas nos fundos da Lagoa Encantada, na Morada da Serra (CPA-3), na Capital.  A vítima teve o rosto deformado.

O travesti assassinado não possuía documentos e chegou a ser removido para o Instituto Médico Legal (IML) como Não Identificado (NI). A família, no entanto, segundo a delegada Anaídes, reconheceu o corpo ainda no local do crime.

O crime, segundo a Polícia, aconteceu mesmo local, onde na madrugada de 28 de maio deste ano, um travesti identificado como Alisson Otávio Carvalho da Cruz, de 20 anos, também conhecido como "Alicinha", foi morto com o mesmo grau de violência. As duas vítimas seriam amigas e foram executadas com muita brutalidade.

veja também