Por que a Geração Y está infeliz?

Por que a Geração Y está infeliz?

Atualizado: Sexta-feira, 17 Janeiro de 2014 as 1:08

Por que a Geração Y está infeliz?Diga oi para Lucy.
 
Ela faz parte da Geração Y - que surgiu entre o final de 1970 e meados de 1990. Ela também é parte de uma cultura chamada "yuppie", que constitui a maioria da Geração Y.
 
Segundo o Wikipédia, “Yuppie” é uma derivação da sigla “YUP”, expressão inglesa que significa “Young Urban Professional”, ou seja, Jovem Profissional Urbano. É usado para referir-se a jovens profissionais entre os 20 e os 40 anos de idade, geralmente de situação financeira intermediária entre a classe média e a classe alta. Os yuppies em geral possuem formação universitária, trabalham em suas profissões de formação e seguem as últimas tendências da moda.
 
Eu nomeio os yuppies da Geração "Yuppies Especiais e Protagonistas da Geração Y" ou “GYPSY” ("Gen Y Protagonists & Special Yuppies"). Um GYPSY é um tipo específico de yuppie, aquele que se acha o personagem principal de uma história muito importante.
 
[Coincidentemente, a sigla também remete a um grupo de ciganos, espalhado por diversos países no mundo - o que torna o significado do termo ainda mais interessante para este grupo de jovens].
 
Então lá está Lucy, desfrutando de sua vida "GYPSY". Ela está muito contente por ser a Lucy. Porém há um problema:
Lucy está meio que infeliz.
 
Para chegar à verdadeira razão disso, precisamos definir o que faz alguém feliz ou infeliz, em primeiro lugar. Tudo se resume a uma fórmula simples : Felicidade = Realidade - Expectativas.
 
É muito claro, quando a realidade da vida de alguém é melhor do que eles esperavam, esta pessoa está feliz. Quando a realidade acaba se torna pior que suas expectativas, ela passa a ficar infeliz.
 
Para contextualizar melhor, vamos trazer os pais de Lucy para a discussão:
 
Os pais de Lucy nasceram na década de 50, eles são fazem parte do grupo conhecido como "Baby Boomers". Eles foram criados por seus avós de Lucy, que nascidos entre 1901 e 1924, cresceram durante a Grande Depressão (EUA) e combateram na Segunda Guerra Mundial. Estes definitivamente não são Gypsys.
 
Na época dos Avós de Lucy, eles eram obcecados com a segurança econômica e criaram os pais dela para construir carreiras "seguras" e "estáveis". Eles queriam que as carreiras de seus pais crescessem para que estes tivessem uma grama mais verde do que a sua própria. Sendo assim, os pais de Lucy foram levados a vislumbrar uma carreira próspera e estável para si mesmos. 
 
Eles foram ensinados que não havia nada que os impedisse de ter esse "exuberante gramado verde" em suas carreiras, mas que precisavam para de anos de trabalho duro para que isso aconteça. 
 
Após a fase dos hippies "insuportáveis"??, os pais de Lucy embarcaram em suas carreiras. À medida que os anos 70, 80 e 90 rolaram, o mundo entrou em uma época de prosperidade econômica sem precedentes. Os pais de Lucy se saíram ainda melhores do que o esperado e isso fez com que se sentissem ainda mais satisfeitos e otimistas.
 
Com uma experiência de vida mais suave, mais positiva do que a de seus próprios pais, os pais de Lucy cresceram com um senso de otimismo e possibilidades ilimitadas. Mas eles não estavam sozinhos. Os "Baby Boomers" estavam em todo o país e, e ensinaram os seus filhos filhos (da Geração Y), que poderiam ser o que quisessem, incutindo profundamente a identidade de "protagonista da história" dentro de seus sub-conscientes.
 
Isso deixou fez com que os Gypsys se sentissem tremendamente esperançosos sobre suas carreiras, chegando ao ponto no qual os objetivos de um "gramado verde de prosperidade e segurança" anteriormente sonhado por seus pais já não era mais o suficiente. O gramado de um GYPSY genuíno precisa de flores.
 
Esta fato nos leva à nossa primeira informação sobre os Gypsys: 
 
Eles são extremamente ambiciosos.
 
O Gypsy precisa muito mais de uma carreira que um gramado verde agradável de prosperidade e segurança. O fato é que um gramado verde não é absolutamente excepcional ou original o suficiente para um Gyspy. Se os Baby Boomers queriam viver o "sonho americano", agora os Gypsys querem viver o seu próprio sonho pessoal.
 
Cal Newport destaca que "seguir a sua paixão" é um slogan que só ficou realmente conhecido nos últimos 20 anos, segundo o Ngram Viewer, do Google (uma ferramenta que mostra qual o destaque de uma determinada frase em qualquer período de tempo). O mesmo programa indica que a expressão "uma carreira segura" já está fora de moda, enquanto o termo "uma carreira gratificante" ficou "quente".
 
Em resumo, Gypsys desejam prosperidade econômica, assim como seus pais. Porém, também querem apenas alcançar este objetivo por meio de sua carreira, de uma forma seus na qual seus pais não pensaram tanto.
 
Mas algo mais está acontecendo, também. Enquanto os objetivos de carreira da Geração Y como um todo se tornaram muito mais determinados e ambiciosos, Lucy recebeu uma segunda mensagem ao longo de sua infância, bem como:
 
"Você é Especial!"
 
Esta seria provavelmente uma boa hora para trazer o nosso segundo fato sobre Gypsys : 
 
Eles São Delirantes
 
Lucy Foi ensinada a pensar da seguinte forma: "É claro que todo mundo vai ter uma carreira gratificante, mas eu estou extraordinariamente bem e, desta forma, a minha carreira e trajetória de vida vai se destacar no meio de tantas outras. 
Sendo assim, se toda uma geração tem a meta ousada de um "gramado florido" em sua carreira, cada Gypsy pensa que ele ou ela é destinado(a) para algo muito melhor: Um unicórnio brilhante em cima do gramado florido, por exemplo.
 
Mas então, por que isto é uma ilusão? Porque isso é o que todos os Gypsys pensam, o que vem a desafiar a definição de especial :
 
es-pe-ci-al | adjetivo
 
melhor, maior, ou de algum modo
 
diferente do que é comum
 
De acordo com esta definição, a maioria das pessoas não seria especial dentro do conceito dos Gypsys. Caso contrário "especial" não quer dizer nada.
 
Agora mesmo, os Gypsys que estejam lendo isto, podem pensar: "Bem colocado... mas eu realmente sou um dos poucos seres especiais " e este é o problema.
 
A segunda ilusão Gypsy é colocada em jogo uma vez que este entra no mercado de trabalho. Enquanto a expectativa dos pais de Lucy era que muitos anos de trabalho duro os levariam a uma grande carreira, Lucy considera uma grande carreira um fator óbvio para alguém tão "excepcional" como ela. Para ela, isto é só uma questão de tempo e escolher qual caminho vai percorrer. 
 
Suas expectativas quanto ao mercado de trabalho são hiperbolizadas: Semelhantes a um gramado florido com unicórnios coloridos cada vez maiores saltitando sobre este solo.
 
Infelizmente, o fato engraçado sobre o mundo é que ele acaba por não ser um lugar tão fácil e a coisa estranha sobre carreiras é que elas são realmente muito duras. Grandes carreiras levam anos de sangue, suor e lágrimas para serem construídas - mesmo aquelas sem flores ou unicórnios sobre seus gramados - e até mesmo as pessoas mais bem sucedidas raramente fazem qualquer coisa realmente grandiosa em seus "20 e poucos anos" - início ou em meados desta época. Mas Gypsys não estão dispostos a aceitarem isso.
 
Paul Harvey, professor da Universidade de New Hampshire e especialista no estudo dos Gypsys pesquisou sobre o assunto, descobrindo que a Geração Y tem "expectativas irreais e uma forte resistência para aceitar feedback negativo ", além de "uma visão inflada de si mesmos". Ele diz que "grande fonte de frustração para as pessoas com um forte senso de direito são as expectativas não atendidas. Muitas vezes, eles se sentem no direito de alcançar um nível de respeito e recompensas que não está em conformidade com os seus níveis de habilidade e esforço real e, assim eles podem não obter o nível de respeito e recompensas que eles estão esperando".
 
Para as contratações de membros da Geração Y, Harvey sugere que a seguinte pergunta seja feita ao candidato durante a entrevista: "Você sente que é geralmente superior aos seus colegas de trabalho / amigos / etc ?";  "Em caso afirmativo, por quê?". O professor diz que "se o candidato responde sim à primeira parte, mas luta com o "porquê", pode haver um problema em seu senso de direito. Isso ocorre porque a percepção de titularidade é muitas vezes baseada em um senso de superioridade e merecimento infundados. Eles foram levados a acreditar - talvez por meio de exercícios de construção de auto-estima com excesso de zelo em sua juventude - que eles são de alguma forma especiais, mas muitas vezes não têm qualquer justificação real para essa crença".
 
E desde que no mundo real se tem a coragem de considerar um fator de mérito, após alguns anos fora da faculdade Lucy encontra-se aqui: dentro da realidade, mas frustrada por não ter o seu "unicórnio colorido saltitando sobre o seu gramado florido". 
 
A extrema ambição de Lucy, juntamente com a arrogância que vem junto com um pouco de ilusão sobre a própria auto-estima a deixou com grandes expectativas sobre até mesmo os primeiros anos fora da faculdade. E sua realidade empalidece em comparação com essas expectativas, deixando-a na equação "realidade - expectativas", gerando uma pontuação um negativa para o resultado "felicidade".
 
E fica ainda pior. Além de tudo isso, os Gypsys têm um problema adicional que se aplica a toda a sua geração:
 
Eles estão atormentados
 
É claro que algumas pessoas nas turmas do ensino médio ou universitários da época dos pais de Lucy acabaram alcançando mais mais sucesso que estes últimos. E apesar de eles poderem ter ouvido falar sobre algumas delas ao longo do tempo, na maioria das vezes, eles realmente não sabiam o que estava acontecendo de fato nas carreiras de outras pessoas .
 
Por outro ladom, Lucy encontra-se constantemente hostilizada por um fenômeno moderno: O Compartilhamento de Fotos no Facebook.
 
A mídia social cria a seguinte realidade para Lucy:
 
A) o que todo mundo está fazendo é um "livro aberto", 
B ) a maioria das pessoas apresenta uma versão exagerada de sua própria existência 
C) as pessoas que expoem mais mais sobre suas carreiras são geralmente aquelas cujas carreiras 
( ou relacionamentos ) estão caminha muito bem, enquanto aquelas que enfrentam alguma dificuldade no momento tendem a não transmitir a sua situação. 
 
Isso deixa Lucy sentindo-se desajustada ao passo que todos os outros estão indo "muito bem". Isso apenas agrava a sua "miséria".
 
Então é por isso que Lucy é infeliz, ou, pelo menos, sente-se um pouco frustrada e deslocada. Na verdade, ela provavelmente começou sua carreira muito bem, mais ainda se sente muito decepcionada.
 
Aqui vai o meu conselho para Lucy:
 
1 ) Continue "ambiciosa": O mundo atual está borbulhando com oportunidades para uma pessoa ambiciosa por encontrar um gramado florido, alcançado sucesso. A direção específica pode não ser clara, mas vai se resolver. Apenas mergulhe em algum lugar.
 
2) Pare de pensar que você é "especial" (melhor que os outros): O fato é que, agora, você não é "especial". Você é uma pessoa jovem, completamente inexperiente, que não tem muito a oferecer ainda. Você pode se tornar especial (dentro deste conceito), trabalhando muito duro por um longo tempo.
 
3) Não foque no sucesso das outras pessoas: Esta expressão que fala sobre o gramado do vizinho ser mais verde que o seu não é novidade, mas no mundo de imagens que vivemos atualmente, a grama de outras pessoas parece um prado glorioso. A verdade é que todo mundo é um pouco indeciso. Duvidam de si mesmas e têm suas frustrações, assim como você. Se você focar no seu trabalho, não terá tempo de ficar de olho no sucesso dos outros.
 
Tradução e observações por João Neto
 
Texto original em inglês: http://waitbutwhy.com/2013/09/why-generation-y-yuppies-are-unhappy.html

veja também