Professores buscam alternativas para fazer alunos gostarem de química

Professores buscam alternativas para fazer alunos gostarem de química

Atualizado: Sexta-feira, 27 Maio de 2011 as 8:27

Português, matemática, física, biologia... entre todas disciplinas cobradas nos vestibulares nenhuma delas é tão temida e muitas vezes odiada quanto química. A ciência que trata da constituição da matéria, suas propriedades, transformações e as leis que as regem, virou até a música de sucesso "Química",  de autoria de Herbert Vianna e gravada na voz de Renato Russo, da Legião Urbana. Estudar química aparece para muitos estudantes como algo abstrato e bem distante do cotidiano.

Aplicar o que é ensinado na sala de aula é muito difícil. "Química é uma matéria que você tem muitas fórmulas, mas não consegue visualizar o conteúdo", diz a estudante Mariana Richa. Os jovens acreditam que a prática nos laboratórios e exemplos corriqueiros facilitam a absorção do conteúdo. "A química está nos cosméticos, nos transgênicos", diz a estudante Regina Lopes. "É fundamental saber como a química é importante para a nossa vida", destaca.

Os professores reconhecem que ensinar química requer muita habilidade. "Além de química ser uma matéria difícil, os professores não têm preparo para dar uma aula divertida e interativa", diz André Pimentel coordenador do curso de química da PUC-Rio. "É preciso utilizar novos recursos no computador, jogos interativos e novas metodologias de ensino os alunos vão conseguir ser atraídos pela disciplina. Se o professor ficar só no giz não vai conseguir atrair a atenção do estudante. Hoje, o aluno precisa que o assunto que está sendo ensinado seja transmitido numa forma diferente, com muita tecnologia."

Segundo o decano do Centro Técnico Científico da PUC-Rio, Reinaldo Calixto, "existe uma dificuldade natural de se ensinar as ciências, pois elas vão contra o nosso senso comum. Outro aspecto é cultural, segundo ele. "O Brasil não desenvolveu tecnologias próprias. Isso de certa maneira alienou as pessoas do conhecimento".

Dificuldades

Os professores também reconhecem que precisam de recursos técnicos e muita dedicação para tornar o conteúdo mais palpável. "Eu procuro sempre pesquisar, levar novas ideias e conteúdos que tenham saído na mídia para a sala. A gente teve um acidente nuclear no Japão, depois do tsunami. Então a usina nuclear, o enriquecimento do urânio, isso tudo tem a ver com a química", exemplifica o professor e engenheiro de produção Victor Novaes.

"A falta de professores pode afetar o desenvolvimento do país", afirma Paulo Chagas, professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro. Baixos salários e as oportunidades de trabalho em outras áreas como engenharia química provocam escassez de professores desta disciplina. Preocupados com esse problema e com o objetivo de debater entre os profissionais de educação como aumentar o interesse dos jovens pela disciplina, a PUC-Rio vai promover no dia 14 de julho o Fórum de Educação em Química. Mais informações no site do evento.

A pedido do G1, o especialista em análises clínicas e professor de química do Anglo Vestibulares, João Usberco, formado em Ciências Farmacêuticas pela USP, listou cinco temas comuns nas provas de química dos vestibulares. Veja abaixo:

VEJA CINCO PONTOS DO ESTUDO DE QUÍMICA QUE COSTUMAM CAIR NO VESTIBULAR

1. Eletroquímica

Trabalha as reações envolvendo óxidorredução e conceitos de pilha, corrosão, eletrólise. O estudante precisa saber interpretar e conhecer o funcionamento de uma pilha, como fazer uma niquelação. Tem um pouco de relação com física, porque é preciso relacionar com a quantidade de carga em um certo circuito. Mistura matemática, física e química.

No vídeo ao lado, o professor de química do Anglo, João Usberco, realiza uma experiência para mostrar o funcionamento de uma pilha.

2. Equilíbrio químico

É um assunto que exige maturidade do aluno porque é preciso fazer várias relações. O tema é abordado nos cursinhos a partir de setembro porque o aluno já tem uma certa maturidade sobre outros conceitos de química. Os vestibulares costumam ter questões criativas sobre este assunto. É preciso identificar quais são os fatores que influenciam o equilíbrio químico.

No vídeo ao lado, o professor de química do Anglo,em São Paulo, Carlos Eduardo Góis explica como se dá o deslocamento de equilíbrio.

3. Soluções

Existem muitas fórmulas a respeito do tema. Não adianta querer decorar, tem que entender a fórmula. Como entra um pouco de matemática, o candidato deve ter um pouco mais de cuidado nessas questões e saber relacionar duas ou três fórmulas diferentes.

No vídeo ao lado, o professor de química Gustavo Schueler, do Colégio e Curso PH, ensina como diferenciar as soluções químicas, usando como exemplo a sulução de cloreto de sódio e água.

4. Cálculo estequiométrico

Não é um assunto difícil, mas muitos estudantes ficam arrepiados só de ouvir falar no tema. Tem que fazer relações entre conceitos de químicas e tem muito cálculo numérico. Aluno se enrosca mais na parte aritmética do que na parte química.

No vídeo ao lado, Rubens Faria, professor de química do Cursinho da Poli, explica o cálculo das quantidades das substâncias envolvidas numa reação química.

5. Reações orgânicas

As reações mais pedidas nos vestibulares são as que envolvem ácido, álcool e éster. Como transformar gordura em sabão e como produzir o biodiesel são coisas comuns que o candidato precisa olhar com cuidado na hora da prova.

No vídeo ao lado, o professor Gustavo Schueler, do cursinho pH, explica através de exemplos duas funções orgânicas importantes: álcool e éster.

Por: Mariucha Machado

veja também