Projeto quer o parque da Disney no Rio de Janeiro

Projeto quer o parque da Disney no Rio de Janeiro

Atualizado: Segunda-feira, 6 Junho de 2011 as 1:45

Mais defensores aprovam a ideia de trazer a Disney para a cidade do Rio de Janeiro. A Copa de 2014 e as Olimpíadas de 2016, dois grandes eventos esportivos que serão realizados no Brasil, justificariam o alto investimento na inauguração de um parque da grife americana.

Em um artigo publicado no livro "Rio - A Hora da Virada", que acaba de chegar às livrarias , o economista e diretor do BNDES, Fábio Giambiagi, e o engenheiro Lucas Ferraz, criador do site Clube Brasileiro de Montanhas-Russas, mostram que a Rio-Disney é um sonho viável e que o projeto poderia ser uma "peça-chave na manutenção do turismo gerado pelos eventos esportivos nos próximos anos. "

"O Rio precisa começar desde já a se planejar para o pós-2016", afirmam os autores. Na América Latina, o Rio de Janeiro é a cidade mais mais conhecida, assim como são as marcas Nova York, Tóquio, Paris ou Barcelona.

A Disney vem se expandindo internacionalmente desde os anos 80 e é provável que comece a incluir a América Latina em seus projetos. "Sabe-se que os parques de Orlando estão buscando novos horizontes, em novas terras", afirmam os autores.

A Disney já possui cinco parques fora dos EUA, dois na França, dois no Japão, um em Hong Kong, e está construindo mais um na China, em Xangai.

Outros grupos americanos de parques de diversão também estão buscando negócios no exterior. A Universal Studios já abriu parques no Japão (2001) Cingapura e Dubai (2010) e está construindo um complexo na Coreia do Sul, que está orçado em US$ 2,7 bilhões e deve ser inaugurado em 2014. O Sea World está prospectando projetos na China e Sudeste Asiático.

Viabilidade econômica

O investimento para construção de uma Disney no Rio, porém, seria de bilhões de reais. De acordo com estudo feito pelos autores, estima-se que os parques de Paris e Hong Kong tenham custado entre US$ 1 bilhão (R$ 1,5 bilhão) e US$ 1,5 bilhão (R$ 2,3 bilhões), sem considerar toda a infraestrutura em torno dos empreendimentos, como hotéis, lojas, centros de convenções e campos de golfe.

Mas, via de regra, não é a Disney quem entra com os recursos para bancar a construção dos projetos. A multinacional, por exemplo, não desembolsou um único centavo para construir a Disney de Tóquio, inaugurada em 1983. O projeto custou US$ 750 milhões e os recursos vieram da Mitsui Estate Development e Keisei Electric Ry. Co.

A Walt Disney Company receberá 10% de royalties sobre os ingressos e 5% sobre as vendas do parque japonês até 2024, o que lhe garante uma a entrada de US$ 25 milhões em seus cofres por ano.

Locais para a Disney-Rio

Ferraz e Giambiagi destacam três locais onde a Disney-Rio poderia ser construída, tomando por base o tamanho dos parques no exterior.

Um dos locais possíveis seria uma área na Barra da Tijuca, próxima à avenida Ayrton Senna, que seria de fácil acesso para vem da Zona Norte quanto da Zona Sul. O terreno comporta um resort do tamanho do complexo da Universal Studios de Orlando.

Outro local seria Guaratiba, após a descida da serra, que comportaria um resort do tamanho da Universal Studios do Japão. O local é próximo à Av. Brasil.

O terceiro local proposto pelos autores ficaria no município de Itaboraí, a cerca de 40 Km do centro do Rio, no encontro das rodovias BR-101 e RJ-116.

Locais mais visitados no mundo

O poder de atração dos parques de diversão da Disney é inquestionável. Em uma lista dos 10 lugares mais visitados do mundo, elaborada pela Forbes Travel, o Magic Kingdon da Disney, em Orlando, figura em terceiro lugar. S[o fica atrás da Time Square, em Nova York, e do National Mall & Memorial Parks, em Washington.

A Trafalgar Square, em Londres, aparece em quarto no ranking e, abaixo dela, está a Disneyland Park, na Califórnia , à frente das Niagara Falls, no Canadá.

Outra Disney ainda aparece na lista dos 10 lugares mais visitados: o parque de Tóquio, que está em oitavo lugar.

veja também