Realengo: Até que ponto games violentos influenciam no comportamento?

Realengo: Até que ponto games violentos influenciam no comportamento?

Atualizado: Sexta-feira, 15 Abril de 2011 as 10:02

Tramita no Senado, desde maio de 2006, um projeto de lei do senador Valdir Raupp (PMDB-RO) que pretende criminalizar "o ato de fabricar, importar, distribuir, manter em depósito ou comercializar jogos de videogames ofensivos aos costumes, às tradições dos povos, aos seus cultos, credos, religiões e símbolos", conforme o próprio texto da proposta, que prevê pena de até cinco anos de reclusão para os responsáveis por comercializar esses bens, além da destruição deste material.

No último sábado (9/4), o jornal O Globo publicou uma reportagem a respeito do assassino do bairro do Realengo, na capital carioca, na qual o autor do crime utilizaria sites para discutir mensagens religiosas e sobre jogos como GTA e Counter-Strike (das produtoras norte-americanas Rockstar Games e Valve, respectivamente).

Segundo o jornal, nesses títulos, o jogador "municia a arma com auxílio de um speed loader, um carregador rápido para revólveres" e que "nos dois jogos, acumula mais pontos quem matar mulheres, crianças e idosos".

As informações desencontradas sobre os jogos citados enfureceram os leitores da publicação e usuários no Twitter, que viram uma associação direta entre os games e os comportamentos de Wellington Menezes.

O texto foi editado e essas informações, retiradas, sem qualquer aviso ou errata. A ACI Games (Associação Comercial, Industrial e Cultural de Games) chegou a escrever uma longa resposta à reportagem assinada pelos jornalistas Antônio Werneck e Sérgio Ramalho, classificando-a como "terrorismo travestido de prestação de serviço", citando na carta estudos feitos em Harvard (como o livro "Grand Theft Childhood: The Surprising Truth About Violent Video Games and What Parents Can Do"), no qual os pesquisadores afirmam que as crianças, por mais que gostem de jogar com os vilões, não desejam ser um deles.

Videogames e assassinatos

Games violentos foram diversas vezes associados como fatores de comportamentos agressivos (pode-se dizer até psicóticos) através da mídia em geral. Dois exemplos muito conhecidos foram o massacre no Instituto Columbine, em 1999, no qual dois estudantes entraram armados na instituição, matando 12 estudantes e um professor, suicidando-se ao final do ato.

No Brasil, houve o episódio do "atirador do cinema", em que Mateus da Costa Meira, à época estudante de medicina, entrou durante a exibição do filme "Clube da Luta" no shopping Morumbi, na capital paulista, e disparou com uma submetralhadora, resultando num saldo de 3 mortos e mais 4 feridos.

Enquanto que, no Brasil, os advogados de Meira argumentaram que o estudante teria sido influenciado pelo jogo Duke Nukem 3D (no qual há um momento em que o personagem atira em monstros em um cinema), no caso de Columbine especialistas alegaram que os assassinos estavam sob efeito de imersão causado pela exposição excessiva ao Doom, game clássico para PC.

Um artigo escrito pelo Dr. Jerald Block, especialista da Oregon Health & Sciences University, afirma, inclusive, que os estudantes haviam criado um cenário no game baseado na própria arquitetura do Instituto.

Voltando para o caso do massacre do Rio de Janeiro, somados a esses dois episódios, continua a pergunta: afinal, jogos violentos são causas diretas de psicoses, independentemente de seus pacientes, ou os games são apenas catalisadores? Se eles influenciam certos casos? Sim; mas só após as instituições de construção do sujeito terem falhado ou sido absolutamente ausentes, na infância, para compor a psique da pessoa.

"Determinados sujeitos com uma patologia podem ter o jogo como detonador para um surto, mas não como causa. Não é uma relação de causa e efeito" afirma a professora Lynn Alves, doutora em Educação e Comunicação pela UFBA (Universidade Federal da Bahia) e autora do livro "Game Over: Jogos Eletrônicos e Violência".

De acordo com professora, a associação entre games e comportamentos agressivos dos jovens acontece hoje da mesma maneira que, durante os anos 60 e 70, foi feito com a televisão e com o cinema. "Wellington já tinha o comportamento. O jogo entrou porque é muito fácil [fazer a ligação]" aponta Alves.

"Eu descarrego minha raiva no videogame"

"[Os jogos] não influenciam em nada. A violência está na pessoa" disse Moacyr Alves Junior, criador do Jogo Justo, projeto que visa a diminuição dos impostos nos games importados no Brasil, e que deve ganhar sua segunda edição ainda no primeiro semestre, com mais games e maior duração.

Alves Junior descarta uma relação direta entre os jogos e comportamentos violentos e defende, entretanto, atenção à indicação das produtoras – e do Ministério da Justiça - em relação ao público adequado para cada título.

"Jogo violento é ficção. Você joga um game de tiro e não vira profissional de tiro. A pessoa não joga Mortal Kombat e sai na rua dando um Fatality (alusão ao golpe de misericórdia do jogo). Sou a favor de uma classificação etária: uma criança de 6 anos jogando God of War não é legal", ponderou.

O game na escola e o papel da família

Por mais que alguns títulos não sejam especificamente educativos ou didáticos – entende-se títulos de tiro em primeira pessoa, por exemplo – isso não exclui a possibilidade de que os gamers possam aprender e até fixar conteúdos do vestibular através dos jogos.

"Isto chama-se aprendizagem colateral, o que fomenta a curiosidade do aluno por novas informações. Assim, os jogos transpõem seus objetivos" explicou a pesquisadora, citando um episódio em que um colega, ao citar Cratos em uma aula, obteve como resposta de um aluno informações sobre mitologia grega, que, de acordo com ele, foram obtidas através de um game. "Por mais violento que God of War seja, ele mobiliza e ensina" completou Alves.

O vilão da história, desta forma, não é o game, mas sim as deficiências durante a construção do sujeito, lacunas que não foram exploradas por instituições como a escola e, principalmente, pela família.

"O conteúdo do jogo tem que ser mediado pela família. Os pais que não conhecem podem ver o conteúdo do jogo no YouTube e a partir da classificação do Ministério da Justiça" recomendou Lynn Alves.

A professora afirma ainda que, para o indivíduo sadio, o universo do videogame não passa de um espaço de catarse, e que, caso ele tenha que matar, não há necessidade de transpor a tela.

Não se trata de uma defesa aos jogos que apostam em temáticas sangrentas e perturbadoras ou aqueles que retratam com uma verossimilhança assustadora a realidade, que já é violenta o suficiente (a exemplo de títulos famosos como Black Ops ou Battlefield 3, que será lançado em novembro deste ano). Enquanto que publicações como o Guia do Estudante sugerem o Call of Duty como forma alternativa de estudo para o ENEM, visto a temática da Segunda Guerra Mundial, é preciso atentar à visão maniqueísta a qual os jogos têm sido sujeitos, funcionando como válvulas de escape para tentar explicar o que, às vezes, não tem explicação; a violência está, infelizmente, em todos os lugares.

Cabe refletir em que momentos existe apologia a comportamentos irresponsáveis e, em outros, a omissão daqueles que são os agentes sociais mais importantes, responsáveis por cuidar dos jovens. Enquanto as escolas precisam dar mais atenção a temáticas como o bullying, por exemplo, os pais redobrem a atenção em relação à rotina e as escolhas de seus filhos, assim como atentar aos medos, dificuldades ou até transtornos de sua prole.

É difícil não culpar os games; fácil é dar de presente a um pré-adolescente o jogo de tiro do momento, em nome de uma tarde silenciosa e tranqüila para os pais.

Por Cauê Fabiano

veja também