Tratando de Amizade - parte 2

Tratando de Amizade - parte 2

Atualizado: Sexta-feira, 28 Outubro de 2011 as 10:46

" Depois de algum tempo você aprende que verdadeiras amizades continuam a crescer mesmo a longas distâncias, e o que importa não é o que você tem na vida, mas quem você tem na vida." William Shakespeare

Crianças são realmente incríveis na questão: Fazer amigos... certamente você já deve ter notado o encontro de duas crianças, em poucos minutos já são melhores amigos sem ao menos saberem os respectivos nomes, mas a questão que quero tratar não é essa...

Tenho ótimas recordações dos meus melhores amigos de infância, me lembro das gargalhadas, das brincadeiras, das correrias, das broncas coletivas (aquelas que as mães dão em equipe, entendem?!), das brigas de cinco minutos, dos arranhões, das vibrações pelas conquistas em competições de brincadeira, que eram levadas a sério, muito a sério, dos breves sorrisos sinceros, e de muitas coisas que minha memória guarda com saudades e carinho, tenho certeza que você também guarda boas lembranças dos seus amigos, seus melhores amigos de infância.

Saudade, essa palavra resume bem o sentimento que temos quando lembramos do passado, das coisas que vivemos, talvez exista ainda em você um sentimento de “eu poderia ter aproveitado mais” ou “eu faria tudo aquilo novamente”, mas o passado...é passado. Muitos de meus amigos de infância eu já nem consigo reconhecer nas ruas, não os reconheço nem fisicamente e nem consigo compreender as pessoas as quais se tornaram, a vida nos leva para lugares diferentes, e acabamos nos tornando pessoas diferentes das que fomos também, e os laços de amizade, em muitos casos de cumplicidade, vão ficando cada vez mais fracos, mais raros, o que é uma pena.

“Amizades são eternas?”

Particularmente prefiro acreditar que mesmo que distantes, mesmo que diferentes, sempre haverá um elo, mesmo que bem pequeno.

Quando digo que “prefiro acreditar” quero dizer que todas as amizades, tenham sido elas boas, ou ruins pra você, certamente trouxeram um aprendizado, até aquelas brigas de criança, por exemplo, nos ensinam muito: seja cauteloso; Fale na hora certa; Não grite, ouça mais e fale menos (Tudo o que disser poderá ser usado contra você, entende?!), e as mais importantes delas, saiba pedir desculpas, perdoe! Crianças sabem fazer isso com a maior naturalidade, porque perdemos essa essência infantil? Acredito que não a perdemos simplesmente a deixamos de lado de acordo com as nossas novas conveniências.

Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, pensava como menino; quando cheguei a ser homem, desisti das coisas próprias de menino . 1 Coríntios 13.11

Precisamos ser crianças novamente, crianças de risos fáceis, de amigos instantâneos, de correrias e de vibrações por pequenas conquistas...

O passado não voltará, alguns amigos ficaram apenas nas lembranças (se quisermos), mas Deus tem um futuro repleto de novos encontros, de reencontros saudosistas, de novos amigos e de chances de recuperar os antigos.

“Este terceiro post “Vamos tratar de amizade” tem muitas referências pessoais, espero que de alguma maneira todas essas coisas ajudem alguém.” Fiquem na Paz de Cristo queridões e queridonas...

Por Thiago Macedo

veja também