Vestibular da fuvest pode ser mais atrente para alunos

Vestibular da fuvest pode ser mais atrente para alunos

Atualizado: Sexta-feira, 3 Junho de 2011 as 1:45

Professores ouvidos pelo G1 dizem que o vestibular ficou ainda mais atraente para os estudantes. O Conselho de Graduação da Universidade de São Paulo (USP) anunciou, nesta quinta-feira, dia 2, as cinco alterações da prova. A nota da primeira fase passa a ter peso na média final do vestibulando, a nota mínima de corta passa a ser de 27 pontos ao invés de 22, a prova da segunda fase terá mais quatro questões, serão chamados de 2 a 3 candidatos por vaga na segunda fase, e os estudantes que não forem convocados até a terceira fase poderão concorrer a outra carreira.

As mudanças já valem para o vestibular de 2012, que terá a primeira fase no dia 27 de novembro e a segunda fase de 8 a 10 de janeiro do ano que vem.

"O fato de a primeira fase ter impacto na nota final traz um equilíbrio na avaliação. A prova de conhecimentos gerais é boa e abrangente, avalia muito bem se o aluno assimilou as habilidades e competências das disciplinas do ensino médio", avalia Edmilson Motta, coordenador-geral do cursinho Etapa.

Segundo ele, a maior relevância da primeira fase vai dar valor a candidatos mais bem preparados, capazes de se sair bem nas mais diversas disciplinas. "Uma das melhores coisas da Fuvest é exigir a formação completa. Antes a primeira fase servia só para classificar o candidato para a segunda, Agora volta a ter relevância em todas as disciplinas."

Ele aprova também a redução do número de questões do segundo dia da prova de segunda fase. "Isto é favorável ao estudante, pois a prova é muito exigente em termos de tempo. Antes eram 20 questões com 2 ou 3 itens, viravam quase 48 perguntas para responder. Foi uma ótima ideia mudar para 16 questões."

Para a professora Vera Lúcia da Costa Antunes, coordenadora do Colégio e Curso Objetivo, as mudanças foram positivas. "A Fuvest e o Conselho de Graduação da USP pesquisaram, levantaram o que aconteceu nos últimos vestibulares, sabem o que está acontecendo com o aluno. Estão fazendo um vestibular cada dia melhor."

Ela acredita que a presença da nota da primeira fase na avaliação final vai estimular o aluno a estudar mais. "Não é justo jogar fora uma avaliação." Vera Lúcia gostou do aumento da nota mínima. "Uma nota de corte de 22 pontos é muito baixa, se o candidato ‘chutar’ todas as respostas pode alcançar este número. É uma nota casual."

Em relação à redução de 20 para 16 questões da prova do segundo dia da segunda fase, ela destacou que em geral os alunos não conseguem fazer todas as questões. "Se o aluno está preparado ele quer responder todas. Então com 16 perguntas vai dar tempo."

Gilberto Américo da Silva, coordenador do cursinho do Núcleo de Consciência Negra na USP, que conta com 150 alunos de baixa renda, considera que as mudanças vão dificultar ainda mais o acesso para estudantes oriundos de escolas públicas.

Ele avalia que o aumento da nota de corte prejudica quem costuma "passar raspando" na primeira fase. E a inclusão da nota da primeira etapa na avaliação final vai valorizar quem tem as técnicas para questões de múltipla escolha. "Mudanças não sinalizam o que a universidade quer, se tem a proposta de dar acesso às pessoas de classe econômica menos favorecida, e se vai valoriza a técnica e não a reflexão que caracteriza a segunda fase."

veja também