Você se apega muito fácil?

Você se apega muito fácil?

Atualizado: Segunda-feira, 12 Março de 2012 as 11:34

Já se pegou pensando que talvez um de seus defeitos seja se apegar muito depressa ao outro? Ou já teve a sensação de um relacionamento acabou porque você passou dos limites, sufocou ou pressionou demais a pessoa que estava com você?

Se responder que sim já está ótimo. Reconhecer que está errando é o primeiro passo para começar a acertar.

‘Passar a carroça na frente dos burros’, como se diz popularmente, é tão comum a algumas pessoas que elas nem se dão conta de que a ansiedade e o medo de perder é uma de suas características.

A questão, na realidade, é de autoestima porque essas pessoas costumam ser carentes e não acreditam que merecem ser amadas. Mas acabam se tornando sem graça porque querem provas o tempo todo de que são dignas na companhia e da atenção do outro.

Um modo eficiente de começar a reverter esse cenário é imaginar a situação sob outro ângulo. Como se você fosse o outro e o outro fosse você. Imagine estar com alguém que se submete o tempo inteiro e praticamente implora amor. Imagine que qualquer atitude sua nunca seja suficiente para que o outro se sinta satisfeito e amado. E ele sempre cobrasse mais. Não de um modo carinhoso, mas de um modo magoado e bravo.

Difícil se manter interessado por alguém que nem conhece motivos para ser amado e não enxerga características positivas que encantem ao outro.

Rosana Braga, consultora de relacionamentos, diz que o segredo é a própria pessoa descobrir o que está te faltando. “A partir de hoje, antes de cobrar amor ou atenção do outro, cobre de si mesmo. Questione-se: o que me falta para que eu seja adorável? O que preciso encontrar em mim mesma que me faça acreditar que é impossível não me considerar agradável e querida? Falta charme, persistência, humor? Falta coragem para me colocar, para dizer o que penso e sinto? O que falta?”, aconselha.

Respondendo às perguntas é possível que você se descubra cada vez melhor e se alimente de um amor que ainda não fez por merecer.

A doutora Rosana ainda dá ênfase ao fato de que não há nada mais pobre e ineficiente do que suplicar sentimentos. Se você ainda não tem, pode ser porque ainda não aprendeu a conquistar. E a autoestima é o primeiro passo para isso.

 

com informações do Par Perfeito

veja também