Exposição conta a história do livro ilustrado no Brasil

Exposição conta a história do livro ilustrado no Brasil

Atualizado: Segunda-feira, 25 Julho de 2011 as 9:26

Passos pintados pelo chão te levam até páginas gigantes. Folhas que parecem véu te convidam a entrar em um livro. E um labirinto multicor oferece uma experiência fantástica!

As ilustrações, que antes estavam quietinhas no papel, foram parar em gavetas, paredes e piso na exposição "Linhas de Histórias - Um Panorama do Livro Ilustrado no Brasil", em cartaz em São Paulo.

A ideia é entender, de um jeito divertido, como a ilustração brasileira veio mudando de 1969 até os dias de hoje, em tempos de iPad. 58 livros de quarenta artistas brasileiros foram escolhidos para contar essa história, reunida em temas como livro-imagem, humor e contos de fada.

Nesse período, a ilustração brasileira saiu do segundo plano e "passou a ser também atuante, em igualdade com o texto", diz Fernando Vilela, um dos curadores [que seleciona os trabalhos] da exposição.

A homenagem a alguns ilustradores veio em forma de atividades interativas. A Bruxinha Zuzu, de Eva Furnari, virou uma animação em círculo. E Flicts, de Ziraldo, ganhou um labirinto todo colorido.

Uma das homenageadas é Angela-Lago, que está sempre pensando em novos formatos para se contar uma história. "A ilustração e o cuidado com o livro no Brasil estão crescendo. Estamos ficando cada vez melhores", diz a autora. Ela admira a diversidade dos desenhos brasileiros. "Temos muitas linhas. Mas a maior inovação é a coragem de ter uma cara própria, de apresentar sua maneira de ser", diz a autora.

Passos levam a livros gigantes Cores nossas

O que será que as ilustrações brasileiras têm e que não encontramos nos livros feitos lá fora?

Eva Furnari destaca as cores e luzes intensas de nossas ilustrações, talvez pelo Sol forte que encontramos aqui. Já Fernando Vilela lembra a vontade dos autores de sempre experimentarem e testarem possibilidades, além de terem o olhar voltado para temáticas bem brasileiras, como lendas populares e cordel.

Clique   aqui   para conferir galeria de fotos da exposição.

Pequeno curador

Gabriella Mancini/Folhapress Lucas Bogéa, 7, brinca na rampa-origami Entre as crianças, Lucas Bogéa Franco, 7, circulava com ar de sabedoria. Logo se apresentou à Folhinha. "Eu sou da equipe, ajudei na exposição", disse o garoto. Ele é filho da arquiteta Marta Bogéa, uma das responsáveis pelo design (visual) da exposição.

Lucas contou que deu várias ideias para a mãe, como a roda colorida do labirinto de Flicts. Disse também que inventou a rampa, em estilo origami, que leva a livros no fim do percurso. Depois pensou melhor e corrigiu: "Na verdade, essa ideia foi da minha mãe. Mas eu que inventei que podia pular e correr na rampa", esclareceu. Será que ele gostou do resultado da exposição? "Olha, eu imaginei a rampa maior. Mas ficou legal."

VALE CONFERIR

Exposição "Linhas de Histórias"

Quando:   de terça a sexta, das 9h às 22h; sáb., das 9h às 21h; dom., das 9h às 20h. Até 29/8.

Onde:   Sesc Belenzinho (r. Padre Adelino, 1.000; tel. 0/xx/11/2076-9700)

Quanto:   grátis     Fonte; Folha

veja também