Amizade segundo o coração de Deus

Amizade segundo o coração de Deus

Atualizado: Segunda-feira, 6 Agosto de 2012 as 3

Disse, porém, Rute: Não me instes para que te deixe e me afaste de ti; porque aonde quer que fores, irei eu e onde quer que pousares à noite, ali pousarei eu; o teu povo é o meu povo, o teu Deus é o meu Deus. Onde quer que morreres, morrerei eu e ali serei sepultada; me faça assim o Senhor e outro tanto se outra coisa que não seja a morte me separar de ti.” (Rute 1:16-17)

A história do livro de Rute revela-nos grandes lições. Poderíamos desenvolver, caso fosse o objetivo, assuntos relacionados a variados temas presentes na história do livro, bem como a soberania de Deus, a sua misericórdia, o seu infinito amor e até mesmo relatar o registro histórico da genealogia davídica, fundamento para a linhagem familiar do Messias. Mas esses, sem dúvida, não são os aspectos que pretendo expor nessa empreitada rumo a um nobre sentimento.

Tomando como base o relacionamento entre Rute e Noemi, pretendo desenvolver algumas características concernentes à amizade presente na narrativa bíblica. Segundo nos define o dicionário da Língua Portuguesa Aurélio, amizade é um sentimento fiel de afeição, estima ou ternura entre pessoas que em geral não são parentes nem amantes. Com isso, arrisco-me a descrever peculiaridades sobre o assunto acima proposto.

Uma amizade segundo o coração de Deus manifesta-se:

1. Quando em meio às dificuldades, o sentimento prevalece;
2. Quando a companhia faz diferença;
3. Quando alvos espirituais são estabelecidos e almejados por ambas as partes;
4. Quando a fidelidade permanece firme até o fim.

Vejamos…

1) Quando, em meio às dificuldades, o sentimento prevalece.

“Porém, Noemi disse: Tornai, minhas filhas, por que iríeis comigo? Tenho eu ainda no meu ventre mais filhos, para que vos fossem por maridos?” (1:11)

Naquele momento, Noemi reconheceu que não tinha mais nada a oferecer às suas noras. Ela não mais poderia gerar filhos para que se tornassem maridos de Rute e Órfã. E mesmo que os gerasse, elas não poderiam esperar até tornarem-se adultos. De fato, a situação havia complicado. As circunstâncias apontavam para o fim de um relacionamento.

Mas foi exatamente nesse momento que a força do sentimento prevaleceu. Rute não acompanhava Noemi por aquilo que ela poderia lhe oferecer. Essa não era a sua motivação. A amizade verdadeira vai muito além das dificuldades e diferenças que a relação possa enfrentar. Não importa qual seja a circunstância, um amigo verdadeiro está sempre presente para estender a mão, mesmo sabendo que não haverá retribuição. Rute sabia que Noemi não poderia lhe conceder a felicidade de reconstruir uma família, mas apesar disso, continuou ao seu lado, porque um amigo verdadeiro abre mão de seus sonhos apenas para ver um sorriso no rosto de alguém especial.

Quem nunca se sentiu indigno de uma determinada amizade? Quem nunca se sentiu desprezível por ter um amigo tão especial ao lado, alguém tão fiel e companheiro, quando nem sequer tinha uma palavra para corresponder a um gesto de carinho e amor? Ou, então, quem nunca pensou em desistir de uma amizade pelo simples fato de se considerar vazio? Mas a amizade se prova nos momentos de solidão e deserto. Nos momentos em que um dos lados, mais fragilizado pelas dificuldades da vida, tem o privilégio de contar com o apoio daquele que tem condições de estender a mão. Na Biologia, a associação interespecífica harmônica em que duas espécies são beneficiadas chama-se mutualismo; mas, nas relações humanas, nós chamamos isso de amizade.

Rute nos ensina que o valor de uma amizade está naquilo que o indivíduo é, e não naquilo que ele tem a oferecer. Amigos são importantes porque, antes de serem intitulados amigos, eles foram conquistando inexplicavelmente um espaço no coração.

“Em todo o tempo ama o amigo, mas na angústia nasce um irmão”. (Provérbios 17:17)

2) Quando a companhia faz diferença.

“Disse, porém, Rute: Não me instes para que te deixe e me afaste de ti; porque aonde quer que fores, irei eu e onde quer que pousares à noite, ali pousarei eu…” (1:16)

A amizade e a companhia de Noemi fizeram tamanha diferença na vida de Rute que ela decidiu segui-la aonde quer que fosse. Rute não poderia conceber a ideia de abrir mão da companhia de Noemi. Ela persistiu. Não desistiu. E suas palavras comprovam tal afirmação: “Não me instes para que te deixes…” A situação poderia estar difícil, mas Rute não poderia desistir de amar e acompanhar sua amiga por onde quer que ela fosse.

Quantas vezes fazemos ou deixamos de fazer algo por causa de um conselho amigo? Quantas palavras e atitudes foram transformadas por causa do caráter de um amigo que nos influenciou? A convivência gera mudanças. E tais mudanças podem ser tanto positivas quanto negativas. Perfeitamente se encaixa nessa situação o tão conhecido ditado popular “Quem se mistura com porcos, farelo come.” Não somente o povo, mas o apóstolo Paulo afirma algo parecido quando ensina a igreja de Corinto que “as más companhias corrompem os bons costumes.” (1 Coríntios 15:33) E você acha que a reputação de Rute seria corrompida por andar com Noemi? Sabemos que não. Pelo contrário. Rute teve créditos com Boaz.

“Agora, pois, minha filha, não temas; tudo quanto disseste te farei, pois toda a cidade do meu povo sabe que és mulher virtuosa”. (3:11) Caso a moabita andasse mal acompanhada, sem dúvida alguma, ela não teria credibilidade diante do povo da cidade.

Inúmeros eram os motivos pelos quais Rute se sentiu impulsionada a não abandonar Noemi. Ela era sua amiga. A sua companhia lhe fazia bem pelo fato de Noemi ser simplesmente Noemi. Não importava o momento de dificuldade e escassez que ambas viviam. A cumplicidade de Rute era sincera, pura e sem interesses.

Amigos verdadeiros podem até se afastar fisicamente

Mas o coração sempre carregará o sentimento,

a lembrança e as profundas marcas

que ficam guardadas dentro do peito.

A distância não consegue extinguir algo tão lindo como a amizade. Palavras não conseguem expressar a falta que um amigo faz.

É como um grito sem som…

Uma dor sem origem…

Um coração sem batimento…

Uma lágrima sem sentimento…

A vida de Noemi se tornou um exemplo de vida espiritual para Rute. Por isso a considero uma amiga “segundo o coração de Deus”. A influência da companhia de sua sogra fez com que a moabita aderisse aos princípios do povo de Deus. A confiança na amiga Noemi influenciou Rute de tal forma que ela desejou servir o mesmo Senhor de sua sogra.

3) Quando alvos espirituais são estabelecidos e almejados por ambas as partes.
 
“O teu povo é o meu povo, o teu Deus é o meu Deus..” (1:16)

A amizade segundo o coração de Deus manifesta-se quando um amigo tem a capacidade de apontar Deus a todo o instante para aquele que o acompanha. Ser amigo nem sempre é ter uma palavra humana a oferecer, como aquelas do tipo “Você vai conseguir”, “Você pode”, “Você é capaz” ou “Você é forte”, mas com certeza, é ter uma palavra de bênção e uma palavra de fé vinda do coração de Deus para profetizar que, por meio de Jesus, somos mais que vencedores. E ainda que mil caiam ao nosso lado e dez mil à nossa direita, nós não seremos atingidos. Porque tudo podemos naquele que nos fortalece. E se podemos tudo naquele que nos fortalece, nenhuma arma forjada prevalecerá contra nós.

O estilo de vida de um verdadeiro amigo estimula a correr a carreira espiritual. Ambos crescem no conhecimento e na graça de Cristo Jesus. Amigos compartilham experiências… Ensinam… Corrigem… Amigos buscam viver em santidade. E por mais que alguns enxerguem a santidade como um alvo inatingível, inalcançável, os verdadeiros amigos sempre ensinam, através de seus próprios testemunhos, como buscar uma vida santa. Uma amizade autêntica exige corações ensináveis, porque em se tratando de vida espiritual, sempre existirá algo novo e edificante para aprender. Um amigo segundo o coração de Deus não se torna pedra de tropeço na vida de outro alguém, porque a sua motivação é levar Deus ao conhecimento de outras vidas.

4) Quando a fidelidade permanece firme até o fim.

“…me faça assim o Senhor e outro tanto se outra coisa que não seja a morte me separar de ti.” (1:17)

Fortes as palavras de Rute! Somente a morte poderia separar a moabita de sua sogra. Nenhuma perda, nenhuma adversidade poderia destruir um sentimento tão lindo que nasceu no coração de Deus. Uma amizade que venceu o preconceito racial… Que venceu a diferença de idade… Que enfrentou períodos de escassez e períodos de fartura. Uma amizade que ultrapassou os limites da razão humana e demonstrou lealdade até o fim, porque Rute estava decidida a ser fiel a Noemi sob qualquer circunstância e até quando fosse necessário.

Com isso, podemos entender que o livro de Rute nos ensina uma grande lição. Dentre tantas outras lições, aprendemos que Deus coloca pessoas certas, no momento certo e da maneira certa em nosso caminho para nos ensinar e ajudar a trilhar o caminho da Sua vontade. Por essa razão, amigos são dádivas divinas.

A vida de Rute nos ensina que uma amizade segundo o coração de Deus, como vimos acima, manifesta-se quando, em meio às dificuldades o sentimento prevalece; quando a companhia faz diferença; quando alvos espirituais são estabelecidos e almejados por ambas as partes e quando a fidelidade permanece firme até o fim.

Amigo é aquele que estende a mão quando todos a encolhem;

É alguém que ouve quando todos querem falar mais alto;

É aquele que fala quando todos querem dar ouvidos ao erro;

Amigo é aquele que está presente quando todos dão as costas;

É aquele que chora com quem chora e se alegra com quem está alegre;

É aquele que nem sempre tem uma palavra pra dar, mas com certeza, tem um ombro a oferecer;

É aquele com quem se pode desabafar, mesmo sabendo que a situação permanecerá a mesma;

Amigo é aquele que traz felicidade nos momentos infelizes da vida;

É aquele que facilmente consegue arrancar um sorriso de um rosto molhado por lágrimas;

É aquele que numa conversa rápida ao telefone consegue mudar por completo a visão da vida e dos problemas enfrentados;

É aquele que repreende no momento oportuno, que fala o que não se quer ouvir e chama a atenção quando necessário;

É aquele que não mede esforços para ver a felicidade estampada no rosto de alguém especial;

É aquele que se faz presente em todas as ocasiões. Nas conquistas, nas derrotas… Nas horas boas, nas difíceis…

Amigo é aquele que sempre tem um meio para abençoar;

É aquele que, mesmo passando por um deserto, tem água para oferecer, porque a fonte na qual ele sacia sua sede é inesgotável. A fonte é JESUS!

 

Fonte: Projeto Ungidos

veja também