De volta ao lar

De volta ao lar

Atualizado: Terça-feira, 16 Agosto de 2011 as 11:06

A parábola do Filho Pródigo (Lucas 15:11-20)sempre foi uma das minhas preferidas. Não apenas porque fala sobre a salvação, sobre o pecador arrependido que um dia lembra-se de que pode retornar para os braços do Pai; mas porque ela nos traz a certeza de que sempre temos um Pai amoroso nos esperando ansiosamente uma vez que essa parábola não se restringe ao momento da conversão mas diz respeito a toda vez que desejarmos voltar para a casa do Pai.

A Bíblia nos faz uma recomendação muito séria: Não ameis o mundo, nem o que no mundo há (1 João 2:15); e ainda diz: aquele que é amigo do mundo torna-se inimigo de Deus (Tiago 4:4). Mas muitas vezes, sem que percebamos somos envolvidos pelas atrações do mundo, acabamos deixando um pouco Deus “de lado” e começamos a nos aproximar das coisas passageiras. E quando usamos a palavra mundo nos referimos a um sistema onde não se lembra, ou não dá importância, da existência de Deus. É claro que não estou falando de uma entrega aos desejos carnais descaradamente, onde fica evidente o envolvimento com o mundo, mas de uma aproximação “suave”, sem muito comprometimento com o que o mundo nos oferece. Em tempo, vale lembrar que mesmo para os que se envolvem de corpo e alma com o mundo também estão convidados a todo o momento a retornar aos braços do Pai.

Às vezes acabamos amando mais nosso próprio trabalho, nossa casa, nossa família, nossos sonhos e tudo isso vem ocupando o primeiro lugar em nossa vida; deixamos de viver para Deus para vivermos para nossos próprios desejos. Sem percebermos, estamos mais envolvidos com esse mundo do que com nossa vocação: vivermos para Cristo (Filipenses 3:4).

É nesse sentido que podemos nos lembrar da parábola do Filho Pródigo, não importa se em determinado momento formos enganados pelo mundo; no momento em que nossa consciência espiritual nos acusar podemos ter a certeza de que ao voltar para o lar do Pai Ele estará nos esperando com os braços abertos; virá ao nosso encontro para nos abraçar e não nos acusar.

Meu amigo, se nesse momento você se encontra longe do Senhor, envolvido pelos enganos desse mundo saiba que Ele te espera com os braços abertos; todos os dias espera pelo seu retorno e é importante que você se lembre: “Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça (I João 1:9)”

Por Ricardo Radighieri

veja também