Estudantes na linha de frente

Estudantes na linha de frente

Atualizado: Segunda-feira, 9 Maio de 2011 as 9:53

"...os que haviam sido dispersos iam de lugar em lugar, anunciando a palavra da Boa Nova".  (Atos 8:4)

"Deus está usando estudantes em algumas das situações mais extremas para trazer paz e esperança à suas nações. Não possuem dinheiro, mas possuem as riquezas de Cristo; não possuem poder humano, mas sim o poder do Espírito Santo! "

(Lindsay Brown, ex-secretário geral da IFES, em “Brillando como Estrellas”)

Assim que amanhece o dia um bom grupo de estudantes se encontra numa igreja evangélica da cidade. Alguns deles interromperam as férias de final de ano, e regressaram especialmente para participar das atividades de acolhimento e apoio aos novatos (“calouros”/”bixos”), que logo chegarão para a primeira matrícula regular. O grupo se divide de acordo com a escala previamente acertada. Parte permanece na igreja, onde funciona uma espécie de “QG de sobrevivência do 'calouro'/'bixo'” - com uma farta mesa de café, espaço para descansar, instalações e chuveiro para se lavar “pós trote”, e até uma máquina para cortar o cabelo gratuitamente daqueles que desejarem! Outro grupo se dirige ao campus da universidade, para o local das matrículas, munido de materiais de apoio e muita vontade para servir!

O dia vai terminando e o trabalho continua, pois muitos estudantes (e familiares) não dispõem de um lugar para passar a noite. “Repúblicas” de abeuenses e estudantes amigos se dispõem a receber parte dessa turma. Outros serão hospedados em casas de famílias que congregam na igreja “QG”. Esses locais são os mesmos que voltarão a abrigar provisoriamente muitos estudantes no reinício das aulas, enquanto eles procuram um lugar permanente ou aguardam a confirmação de uma vaga nas moradias estudantis da universidade.

O período de matrículas se encerra. Os estudantes da ABU estão exaustos, mas jubilosos diante do privilégio de poder expressar, com suas palavras e atitudes, um pouco do amor de Deus por aqueles novatos e seus familiares. Alguns destes serão transformados por essa experiência. Eternamente.

Estudantes. Comunicando a palavra da Boa Nova aos seus companheiros. Se interessando pelos problemas da comunidade estudantil e contribuindo para sua solução. Assumindo uma postura de serviço e transformando o seu contexto. Se reunindo para orar e expressar sua dependência da direção de Deus. “Estudante alcançando estudante” é um lema bastante representativo do protagonismo estudantil que temos experimentado, pela graça de Deus.

É importante lembrar que quando falamos em “protagonismo” estudantil não estamos nos referindo a “exclusivismo” estudantil. Obra estudantil não é feita somente com estudantes! Devemos continuamente buscar desenvolver estruturas de apoio, com obreiros e voluntários, que acrescentem elementos de estabilidade para a dinâmica realidade do movimento estudantil.

Mas, sem dúvida, os estudantes estão no início e no fim de todas as nossas atividades. Acreditamos que não é possível fazer missão na escola e na universidade a menos que os estudantes estejam presentes dentro do contexto estudantil. Isso quer dizer que precisamos modelar nosso ministério ao estilo de Jesus, quem para nos trazer o Evangelho se humanizou, viveu e esteve entre os homens (João 1:14).

Que Deus, o Pai, por intermédio de Jesus Cristo, e pela ação do Espírito Santo, nos mantenha  fiéis ao nosso chamado primário: ser e fazer discípulos para Cristo no mundo estudantil brasileiro!

Um abraço fraterno.

Por Reinaldo Percinoto Junior - Secretário Geral da ABUB

veja também