Nós somos das "antigas"?

Nós somos das "antigas"?

Atualizado: Sexta-feira, 9 Setembro de 2011 as 12:01

Ontem, como outros milhares de jovens e adolescentes no país, fui ao cinema. Decidi ir com a minha noiva e alguns amigos da igreja assistir ao lançamento do filme "Eclipse", muito bom por sinal, para mim, que gosto de boas ficções. Mas, deixando de lado a discussão sobre "vampirismo" e a "febre" e o vício dos jovens nessa história que iniciou com "Crepúsculo", quero falar sobre o que eu já sabia, baseado no que pessoas que haviam lido os livros me falaram, mas só pude confirmar durante a sessão: o Edward (um dos personagens principais) só quer ter relação sexual após o casamento.

Eu vibrei com isso! Sua namorada insistiu, chamando-o de "arcaico", mas ele estava convicto do que queria. A garota, quando conversava com seu pai que estava preocupado sobre o relacionamento deles, falou para o velho relaxar, pois o seu namorado, embora jovem, também era "das antigas" e, por isso, ela ainda era virgem. Algo raro para o mundo de hoje, mas o correto para toda e qualquer época.

O mais interessante foi que na hora da cena em que o casal está só em casa, e ele nega o sexo, valorizando o romantismo e protegendo a virgindade da sua namorada, um garoto sentado atrás de mim falou: "oxi, ele é como o Kaká". Lembrei-me do meu texto: "Jogando no time de Kaká"(no Portal Verbo da Vida), e, então, decidi escrever novamente sobre este tema.

Vale a pena bater na mesma tecla, pois, como jovens cristãos, nunca devemos nos cansar de fazer a diferença nessa geração e agradar a Deus.

Enquanto alguns valorizam alguns supostos palavrões que o craque da seleção tenha falado e a sua expulsão no jogo da Copa contra a Costa do Marfim, um garoto ímpio mostrou ser influenciado com o bom testemunho do jogador em ter se casado virgem, tendo um autêntico namoro cristão mesmo possivelmente rodeado de perversidades.

Ao ler algumas críticas do filme "Eclipse", um comentário me chamou a atenção: "ela namora um vampiro (pasme, um vampiro!) que se nega a fazer amor antes do casamento. Definitivamente uma história que se adaptaria melhor se passando no século 19. Mas em tempos de artistas da Disney pregando a virgindade, também é compreensível o apelo entre os teens" (fonte: Redação Yahoo).

Você é de qual século? A eternidade está no meu coração, os princípios de Deus para a felicidade e o sucesso não possuem data de validade, então, problema de quem faz o que não deve com o seu corpo e acaba tendo prejuízos emocionais e espirituais, sem falar das situações que resultam em gravidez, trazendo conseqüências irreversíveis.

Eu não vou me conformar com este século (Romanos 12.2), pois me esforçarei para que cada vez mais a minha maneira de pensar seja igual a de Deus, e ela nunca será antiga.

Talvez esse episódio seja algo não tão significante no filme, mas para mim e para você, jovem cristão, o exemplo do Edward que é um vampiro (alguém que existe somente em ficção) deveria ser a nossa atitude real em todos os dias da nossa vida: sentir-se bem, por cima, quase que "orgulhoso" (pelo o lado bom da palavra), por manter as suas convicções, não ser facilmente influenciado e preferir ser taxado de ultrapassado por, simplesmente, está acertando.

Eu não sei você, mas quero cada vez mais ser "arcaico", "barroco", "pré-histórico", ou seja lá o que for. É melhor ser "das antigas" e agradar a Deus, vivendo o melhor dEle nessa terra e evitando sofrer danos nessa área, do que super moderno e ficar escravo do pecado. Como diz o bispo Guto Emery, "prefiro subir quadrado do que descer redondo (para o inferno)!".

Reflita: você nasceu para influenciar!

Por Perilo Borba

veja também