Relacionamentos na Igreja: Importância da amizade

Relacionamentos na Igreja: Importância da amizade

Atualizado: Quinta-feira, 28 Julho de 2011 as 11:34

1. Uma pessoa decide-se por uma igreja, via de regra, pela acolhida que lhe é dada. Ninguém consegue ficar numa igreja, onde não faz amizades.

2. O cristianismo é sobretudo relacionamento. A amizade é uma ponte para o evangelismo. MCI diz que 75% das pessoas que estão na igreja foram trazidas por amigos.

3. Nem todo crescimento é saudável e nem todo relacionamento é aprovado por Deus. Exemplo: A igreja de gueys em Dalas.  

4. O perigo dos extremos: numerolatria e numerofobia.

5. A igreja é a família de Deus:

a) A igreja não é um clube, onde cada um paga sua mensalidade e vive isoladamente;

b) A igreja não é um abrigo de salvos, onde cada um busca os seus próprios interesses;

c) A igreja não é uma prestadora de serviços, onde só a procuro para atender minhas necessidades;

d) A igreja não é um supermercado, onde eu vou procurar aquilo que eu gosto;

e) A igreja não é uma casa de shows, onde sou apenas um espectador;

f) A igreja não é uma sala de obstetrícia, onde o pastor age como médico obstetra, mas onde os crentes desempenham o seu ministério;

g) A igreja é uma família, onde temos o mesmo Pai, o mesmo irmão mais velho e somos todos irmãos.

I. A importância de relacionamentos saudáveis para o crescimento da igreja

1. A união entre os irmãos é bela aos olhos de Deus – Sl 133:1

· Uma casa dividida não prevalece (Mt 12:25).

· A desunião dos crentes é um gesto de imaturidade e carnalidade (1 Co 3:1-3).

· Quando os crentes são unidos, a igreja passa a contar com a simpatia dos de fora (At 2:47).

2. A união entre os irmãos é terapêutica – Sl 133:2

· A união entre os crentes é como óleo. O óleo é símbolo do Espírito. Ele produz cura, alívio (Lc 10:34; Tg 5:14). O óleo era usado como cosmético, remédio e unção espiritual.

· A igreja de Corinto estava doente porque não havia comunhão entre os crentes (1 Co 11:30).

· Onde há comunhão, há cura (Tg 5:16).

3. A união entre os irmãos é restauradora – Sl 133:3

· A união é como o orvalho. O orvalho é símbolo da presença restauradora de Deus (Os 14:5).

· O orvalho é discreto, cai sem alarde, sem trovões e relâmpagos.

· O orvalho vem à noite, depois do calor e nas horas mais escuras.

· O orvalho traz frescor.

· O orvalho é constante e abundante.

· A verdadeira amizade não discreta, constante, restauradora.

4. A união entre os irmãos é abençoada – Sl 133:3

a) Crescimento numérico – A vida de Deus

b) Crescimento espiritual – A bênção de Deus

· Onde há união, ali Deus ordena a sua bênção e a vida para sempre. O relacionamento é a base da evangelização eficaz.  

· O relacionamento de comunhão e ajuda mútua na igreja de Jerusalém, deu a ela um estupendo crescimento.  

· Não é o que eu devo fazer para a igreja crescer, mas o que está impedindo a igreja de crescer.

5. Perigos que impedem o relacionamento de pessoas saudáveis e maduras

a) Crescimento retardado (Hb 5:11-14) – Uma igreja APAE (crentes com 15 anos ainda tomando mamadeira).

b) Hidrocefalia – Cabeça grande e corpo mirrado. Conhecimento sem prática.

c) Sedentarismo – Alimento sem exercício. Risco de colesterol alto e infarto.

d) Flacidez – Descanso sem atividade.

e) Altismo – Desligado de tudo à sua volta. Seu mundo só tem espaço para si mesmo.

f) Inanição – Alimenta-se apenas uma vez por semana.

g) Antropofagia (Gl 5:15) – relacionamentos quebrados. Falar mal dos irmãos (Tg 4:11).

h) Autofagia (Fp 4:6) – A ansiedade.  

II. Identificando os problemas que afetam os relacionamentos e impedem o crescimento da igreja

1. A necessidade de romper a solidão e o isolamento da vida moderna – O homem é apenas um número, sem nome, sem cara. A igreja é a comunidade da solidariedade. Exemplo: A cura do homem da mão mirrada (Levanta-te; vem para o meio; estende a sua mão).

2. A necessidade do tratamento pessoal – As pessoas devem ser chamadas pelo nome. É assim que Jesus faz conosco (Jo 10:14,27).

3. A necessidade de ser sensível às pessoas – Precisamos começar onde as pessoas estão (Nicodemos, Samaritana, Paralítico de Betesda, Zaqueu, jovem rico).

4. A necessidade de nos envolvermos com as pessoas – Neemias fez perguntas. Neemias envolveu-se. Neemias mudou sua agenda.

5. A necessidade de sermos afetuosos nos relacionamentos – Paulo chora e beija os presbíteros de Éfeso. O conselho do presbítero Uziel.

6. A necessidade de acolhermos uns aos outros com Deus em Cristo nos acolheu – Jesus tocou o leproso e disse: Fica limpo. Jesus abraçou as crianças, comeu com os pecadores, entrou na casa de Zaqueu. Para Jesus as pessoas são mais importantes do que os rituais.

7. A necessidade de entendermos que somos conhecidos como discípulos de Cristo pelo amor  

a) O amor “filadelphia”. Numa família as pessoas são diferente4s, mas formam uma só família. AS pessoas não vivem competindo. É inimaginável pensasr que um irmão cobiça a mulher do outro, que se entrisce com a vitória do outro. É amar uns aos outros com amor de irmão de sangue. É chorar com os que choram e alegrar-se com os que se alegram.

b) João 13:34-35 – O purê de batatas.

III. Propostas para cultivarmos relacionamentos que promovam o crescimento da igreja  

1. Precisamos ser uma igreja de apoio às pessoas – Barnabé investiu em Paulo (At 9:26-27; 11:22-26) e em João Marcos (At 15:36-39). Paulo investiu em Timóteo. Elias investiu em Eliseu. Moisés investiu em Josué. Em que você está investindo? Discipule alguém este ano. Use o seu telefone. Envie cartas. Mande um cartão.  

2. Precisamos ser uma igreja de comunhão e ajuda mútua (Fp 2:3-4; At 2:44-45) – O amor honra o outro. Quem ama dá.

3. Precisamos ser uma igreja de perdão e cura (Lc 17:3-6) – Onde não há perdão as pessoas adoecem. Ilustração: A igreja de Areias (suicídio + adultério + tentativa de suicídio + estamos doentes).

4. Precisamos ser uma igreja aberta aos que chegam – A igreja não pode ser formada de panelinhas, grupos fechados. Exemplo: Diótrefes.

5. Precisamos ser uma igreja sensível aos visitantes – (Rm 15:7)

a) A ilustração do Jantar: 1) Uma igreja hostil ao visitante; 2) Uma igreja simpática ao visitante; 3) Uma igreja voltada ao visitante.

b) A ilustração da Clientela: Por que os clientes desaparecem? Standart Oil company: 1% dos clientes morrem; 3% mudam para outro lugar; 5% encontram um preço melhor; 9% mudam em função de conveniência; 14% descontentamento pessoal; 68% em função de mau atendimento.

c) Os dez mandamentos do relacionamento humano:

1) Fale com o visitante; esteja antenado no culto e depois dele para acolher o visitante.

2) Sorria para as pessoas: São necessários 72 músculos para franzir o rosto; apenas 14 para sorrir;

3) Mencione o nome das pessoas;

4) Seja cortês e cooperador. Quer ter amigos? Seja amigo!

5) Tenha um interesse genuíno pelas pessoas;

6) Seja cordial. Tenha uma palavra e uma atitude encorajadora;

7) Seja generoso nos elogios e cauteloso nas críticas;

8) Tenha consideração com o sentimento das pessoas;

9) Considere a onião das outras pessoas;

10) Esteja pronto para ouvir.

6. Precisamos ser uma igreja com lares abertos – Convide uma pessoa nova para lanchar com você. Pessoas valem mais que coisas.

7. Precisamos ser uma igreja onde os lares sejam agência de evangelismo e discipulado – O ministério dos grupos familiares.

Rev. Hernandes Dias Lopes   Via Teorlogico

veja também