Submissão às autoridades

Submissão às autoridades

Atualizado: Terça-feira, 8 Novembro de 2011 as 11:13

"Então Jesus lhes disse 'Deem a César o que é de César e a Deus o que é de Deus'." Mc 12:17

Quando Jesus disse isto, alguns fariseus e herodianos estavam tentando por Ele à prova, perguntando se era certo pagar o imposto ao governo, no caso, à César. Com sua resposta, Jesus deixa claro que o cristão não está isento de cumprir obrigações com o Estado, desde que estas obrigações não sejam contrárias à Bíblia.

As escrituras nos orientam a sermos submissos às autoridades e, consequentemente, às leis de nosso país. Pagar imposto ou regularizar um imóvel na prefeitura, por exemplo, são obrigações que não ferem a Palavra de Deus. Deixar de cumprir alguma dessas obrigações é mais do que se rebelar contra o governo: é se rebelar contra Deus.

Portanto, como cristãos, devemos dar o bom testemunho, sendo submissos à autoridade de nossa região. Devemos obedecer às leis, contanto que estas não atrapalhem nosso relacionamento com Deus. Por exemplo, se um governo decretar que é proibido ler a Bíblia, não deixe de lê-la, pois Deus deseja que façamos isto: proibir a leitura da Bíblia seria um ato que prejudicaria nosso relacionamento com Deus. Não se esqueça que é Deus quem permite uma pessoa chegar ao poder. Negar-se a prestar contas para o governo é o mesmo que se rebelar contra Deus.

Em João 19:11, Jesus diz a Pilatos que sua autoridade de governador vem de Deus. Foi Deus quem permitiu que Pilatos subisse ao poder, pois "não há autoridade que não venha de Deus." (Rm 13:1)

Porém, não devemos obedecer cegamente a tudo o que as autoridades determinam. Em Romanos 13:3, Paulo fala que “os governantes não devem ser temidos, a não ser pelos que praticam o mal.”. Devemos sempre lembrar que Deus é a autoridade máxima. Logo, se alguma lei ou solicitação for contra o que a Bíblia diz, devemos obedecer primeiramente a Deus (Atos 4:18:20).

É importante também estarmos atentos para não confundir qualquer fiscalização com perseguição. Estão perseguindo cristãos quando, por exemplo, não permitem que sejam realizados algum evento somente por ser um evento cristão. Agora, se esta proibição é devido a falta de alguma documentação, a situação é bem diferente: trata-se de uma punição, e não uma perseguição. Devemos ser submissos às autoridades não apenas para evitarmos punições, mas também para mantermos nossa consciência limpa. (Rm 13:5)

Outro ponto importante a se observar é a maneira como confrontar um decreto que discorde da Bíblia. Sair promovendo “quebra-quebras” ou atitudes violentas exageradas não colaboram em nada. Não devemos retribuir o mal com o mal. Precisamos ser firmes em nosso posicionamento e, ao mesmo tempo, ser um bom testemunho.

Um exemplo disto é Jesus que, por vezes, agiu de forma mais “pesada”, como no caso da expulsão dos mercadores do templo ou na repreensão aos fariseus, mas nunca exagerando na rigidez. Caso o fizesse, Ele estaria sendo um mau testemunho. Do mesmo modo, um cristão deve manter-se firme no seu posicionamento, porém, sem deixar de agir coerentemente.

veja também