Vem que eu tenho um plano

Vem que eu tenho um plano

Atualizado: Sexta-feira, 4 Maio de 2012 as 3:22

No sol nascendo, ele via misericórdia. No escrever na areia, ele traduzia a calma, o fôlego que precisamos tomar antes de perdoar. Se havia um problema grande, ele o comparava com a tempestade. Barulhenta, confusa, tão molhada quando avassaladora. Não vem sem vento, não vai sem deixar estragos. Mas passa. Assusta, mas não mata.

“Alguém o ouviu conversando com o ladrão? Engraçado que ele nem pregou pra ele! Ele tava convidando o ladrão para morar com ele, como assim?! Que escândalo, o cara era um criminoso” Sim, como eu e você. Eu, o pior dos pecadores. Você, o maior ladrão de todos. Nós, que nunca fomos pegos roubando, nem nunca fomos condenados por nossos crimes, tudo porque Jesus não optou por justiça. É dele que estou falando. Sua graça aboliu a condenação, sua cruz deu à luz, de uma vez, a um amor eterno. Ele, o homem cujas palavras/parábolas/poesias funcionavam como imã aos pecadores desesperados. “Vem aflito, chega mais doente, tem espaço pra você aqui louco-varrido-desacreditado!”.

A religião deu um pause na história desse homem, quando cimentou seu corpo na cruz e o esqueceu lá. Tentaram limitar seu poder, mas aqui vai a página rasgada do livro, a parte maluca da história, que parece ficção, mas é real:

Ele não está mais lá! Não te contaram? Isso explica tudo! Ele deixou a prostituta deitar e rolar aos seus pés, não se incomodou com o traidor sentado a sua mesa, gastou saliva e sola da sandália ao caminhar e se relacionar com tanta gente indigna PORQUE ELE TINHA UM PLANO. Cara, Jesus viveu normalmente, mas ele tinha um plano! Normal, ele caberia na sua calça jeans 40 e calçaria seu allstar surrado. Pegaria o mesmo ônibus todo dia pra ir pro trabalho.

O plano dele não era mágico, Jesus não tinha super poderes. Poderia ter se quisesse, mas abriu mão, porque Ele quis mostrar que o negocio era simples, era tão natural, que eu e você poderíamos fazer. O plano era amar. Abrir o amor e dissecá-lo. Esfregá-lo nas feridas, nos silêncios, nos pecados. Um antídoto ao veneno da língua. A palavra amor foi escrita para constranger, foi falada pra romper. O verbo amor se fez carne pra abraçar a humanidade caída e atrair pra si os sedentos de redenção. Isso existe! E está ao seu alcance. O plano agora é esse sangue correr nas suas veias, é esse amor inflar seu coração mais do que o mundo infla seu ego, tirar seu sono até que a paz seja devolvida àquela família pela qual você ora. Até que a comida que estraga na sua geladeira chegue à boca do faminto, até que a palavra empoeirada no seu coração devolva o ar nos pulmões da velhinha cancerosa.

Jesus foi natural pra te mostrar que você pode dar continuidade a esse plano. O fruto do amor é que é sobrenatural. Mas quem vai plantar? Quem vai abrir os sulcos na terra, e sujar as mãos? Os céus sentem saudades de reagir a um homem naturalmente imerso no amor. Que seus discípulos se manifestem enquanto é dia.

 

Por Lenara Monteschio

veja também