Tropeços pelo caminho

Tropeços pelo caminho

Fonte: Atualizado: sábado, 29 de março de 2014 03:26

No title A história do ser humano parece ser uma história marcada por erros e fracassos. Isso pode ser observado na vida de Adão e também se repetiu entre seus descendentes. Deus chamou a Abraão com um propósito. Ele seria um novo começo, mas tropeçou no seu caminho de consagração. Ao observarmos os tropeços de Abraão, observamos um padrão de quedas e pecados que também são encontrados na vida dos crentes.

Assim, vejamos alguns dos tropeços no caminho da consagração:

1. Obediência pela metade

Abraão deveria ter saído e ter deixado a sua parentela, porém, levou o seu sobrinho Ló. Ele saiu da sua terra, conforme a ordem divina, mas levou alguém que  não deveria estar com ele na caminhada de consagração. O chamado era para Abraão. O propósito era andar com Abraão e depois formar uma família a partir de dele. Para essa caminhada, ele não poderia estar sobre a influência de sua antiga família, logo, a deixou para trás. No entanto, Abraão levou Ló. Obedeceu pela metade. Ao levar Ló, ele estava comprometendo sua caminhada com Deus. A prioridade era desenvolver um relacionamento próximo com Abraão. O propósito de Deus é sempre desenvolver o relacionamento com todas as pessoas, não somente com Abraão. Para viver esse relacionamento, é necessário andar próximo a Ele. Essa proximidade consiste em obediência integral. Pessoas que obedecem de maneira integral são pessoas abençoadoras. Abençoados apenas recebem bênçãos, mas os abençoadores são os que abençoam os outros. Abençoadores promovem a graça de Deus junto ao lar, família e amigos. Obedecê-Lo pela metade não permite que sejamos abençoadores. Obedecer a Deus pela metade é um tropeço no caminho da consagração.

2. Impaciência na prova

Houve fome na terra. As notícias eram más. Abraão se impressionou com o que muita gente falava. O que ele fez? Começou a ficar impaciente e teve medo. Abraão fez um altar e buscou a Deus, que demorou a responder. O silêncio de Deus talvez fosse uma prova. Abraão não quis esperar. Pegou tudo o que tinha e foi para o Egito. Ir para o Egito era deixar de crer no que Deus havia prometido.

Muita gente tem a postura de Abraão, deixa de crer no que Deus tem prometido.

Estes tomam procedimentos que Deus não os mandou tomar. É comum alguns crentes se assustarem com a falta de recursos. Quando isto acontece, tomam medidas que, às vezes, são pecaminosas. Alguns ignoram a integridade com o objetivo de levar vantagens financeiras. Essas medidas acontecem quando existe impaciência na prova. Você está esperando alguma promessa de Deus no momento?

Há quanto tempo?

3. Incredulidade diante de situações de risco

Abraão, ao entrar no Egito, sabia que estava em um lugar onde corria riscos. Sabia que, se o Faraó quisesse, poderia tomar sua esposa. Ele teve muito medo e, por isso, relaxou seus valores. Abraão negligenciou sua família, sua esposa, por conta dos riscos que estava correndo. Ele não assumiu sua

esposa, uma vez que estava sob risco de perder a vida. É comum algumas pessoas abrirem mão de seus princípios quando se sentem ameaçadas.

Não é difícil ser íntegro quando tudo vai bem, contudo, é complicado ser íntegro quando há riscos. Há riscos para quem quer viver de maneira íntegra e comprometida com o Evangelho. É importante que a fé seja exercitada em qualquer momento, inclusive no momento de risco. É nas situações de riscos que a

fé é provada. Importa que cada crente creia, mesmo que esteja debaixo de riscos. A incredulidade de alguns crentes aparece nas situações de risco. Você já sofreu ameaças por não querer fazer algo errado? Como foi?

4. Meia verdade para obter vantagem

Abraão disse que a esposa era apenas sua irmã. É verdade que ela era parente próxima. Contudo, ele escondeu que Sara era também esposa. Sua omissão permitiu que recebesse muitos presentes do Egito. Abraão enriqueceu às custas de uma meia verdade. Mas, depois da descoberta de Faraó, Abraão teve que sair às pressas do Egito. Ele foi envergonhado pela mentira que falou.

Muitos contam a verdade pela metade. Não falar toda a verdade é viver uma meia verdade. Andar na meia verdade é fazer como Abraão, ou seja, não ser transparente nem claro sobre o que faz ou pretende fazer. Agir assim é correr o risco de tornar-se, mais cedo ou tarde, em sal insípido que não serve para mais nada. Mas, a ordem de Jesus é que a palavra seja sim, sim, não, não. O resto é de procedência maligna.

Quem é consagrado ao Senhor sempre encontrará tropeços no caminho. Não há quem não tropece. Como Abraão, todos os crentes estão sujeitos a tropeçar. Mas como preservar a consagração? Vigiando! Vigiar é a melhor forma para evitar os tropeços no caminho. Aqueles que tropeçaram, e, por isso saíram do caminho, devem tomar o caminho de volta. Retornar ao caminho da consagração. Deixar para trás a vida estranha do Egito. Retornar ao lugar onde o altar foi levantado para consagrar-se. Retornar à vida de piedade é, antes de tudo, deixar a vida de falta de compromisso com a mensagem do Evangelho.

Pastor Jonas Neves

Jonas Neves nasceu em Rolândia - PR, em 07 de outubro de 1953. Nascido em lar evangélico, entregou sua vida a Cristo aos sete anos de idade. Em 1973 foi para Belo Horizonte, onde, em 1977 graduou-se bacharel em Teologia pelo STEB-FATEBAN - Faculdade Teológica Batista Nacional. Por cinco anos foi seminarista da Igreja Batista da Lagoinha e dentre outras realizações fundou a Igreja Batista Getsêmani de Belo Horizonte - MG, a qual pastoreou por 4 anos.

Em 1981 a Convenção Batista Nacional, CBN, o elegeu Secretario Executivo da Aliança Batista Missionária da Amazônia. Transferiu-se para Belém - PA com toda sua família. Até 1985 exerceu um ministério com muito sucesso. Estabeleceu igrejas, assentou missionários, implantou a estrutura da CBN, desde Rondônia até Piauí.

Depois disso aceitou o convite da Igreja Batista da Lagoinha, Belo Horizonte - MG, e esta serviu por 15 anos como pastor. No Final de 1999 o Pr. Jonas Neves de Souza assumiu o pastorado da Igreja Batista do Povo, São Paulo - SP. É casado com Solange e tem cinco filhos: Aline, Ádila, Anny, Iva e Alisson. Tem cinco netos.  

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições