Café gelado vira moda entre os paulistanos

Café gelado vira moda entre os paulistanos

Atualizado: Domingo, 3 Fevereiro de 2008 as 12

Em algumas das grandes cafeterias de São Paulo, os drinques de café gelado já representam 40% das vendas de cafés, como é o caso da Starbucks e do Havanna.

No Santo Grão, o número não é muito diferente: 34%. O boom começou no ano passado e promete fazer ainda mais sucesso agora.

Para os especialistas, o crescimento se deve à chegada ao mercado brasileiro das cafeterias especializadas, que levam o consumidor a experimentar novidades.

A partir daí, o brasileiro não toma mais café, degusta. Muito mais do que um hábito virou um lazer, espalhado por livrarias e até farmácias.

"O brasileiro vem desassociando o café como bebida de padaria e aprendeu a apreciar o café de gourmet com o surgimento das cafeterias e a profissão de barista, há cerca de cinco anos", afirma Ana Jafé, proprietária do Fazenda Café.

Geralmente mais caro do que o café tradicional, o gelado atrai principalmente jovens e até crianças, que associam o café quente a bebida de adulto. O drinques gelado é consumido como sobremesa, segundo os proprietários das grandes cafeterias da cidade".

O Fran's Café, pioneiro na cidade – foi inaugurado em 1981 –, lançou drinques gelados de café há 14 anos, mas só há cinco anos as vendas deste tipo de café começaram a ter relevância. Mas a primeira cafeteria na cidade a ter um barista (espécie de sommelier do café) foi a Cafeeira, inaugurada em 2000, segundo o Sindicafesp (Sindicato do Café de São Paulo). Desde 2000, o Sin dicafesp oferece cursos de barista.

No primeiro ano, havia 24 turmas. Em 2007 foram 62 devido ao aumento da procura.

"De 2006 para 2007, as vendas de drinques gelados de café subiram 40%. No verão, sobem 20% com relação aos outros meses do ano", diz Marco Suplicy, proprietário do Café Suplicy, nos Jardins. A casa oferece 50 tipos de cafés. O crescimento foi mais alto ali do que nas demais cafeterias, a maioria teve uma média de 10% a 20%.

FONTE: METRO

Postado por Nany de Castro

veja também