Cafés do Brasil: qualidade reconhecida em concurso mundial

Cafés do Brasil: qualidade reconhecida em concurso mundial

Atualizado: Segunda-feira, 27 Abril de 2009 as 12

O Brasil teve a alta qualidade de seus cafés mundialmente reconhecida. O país ficou em 4º lugar no campeonato Rainforest Alliance Cupping 2009, do qual participaram fazendas certificadas de 11 países. Com a pontuação global 82,42 (em uma escala de 0 a 100), o Brasil deixou para traz Colômbia, Nicarágua, Honduras, México, Panamá e Etiópia. A pontuação brasileira é apenas 1,41 abaixo do 1º colocado, a Guatemala, que teve nota global 83,83. Em 2º e 3º lugares ficaram, respectivamente, El Salvador (83,30) e Costa Rica (82,58).

O desempenho brasileiro foi obtido pela média das notas das 10 fazendas participantes, com destaque para a Capoeirinha, da Ipanema Coffees (84,44) e Lambari (84,31), que ficaram em 7º e 8º lugar no ranking mundial dos 10 melhores lotes de cafés, e para a fazenda Sete Cachoeiras Estate Coffee (83,33 – 3º lugar no ranking por país), todas do Sul de Minas Gerais.

"Essa conquista é excelente e premia os esforços pela melhoria da qualidade empreendidos em parceria da iniciativa privada e governo", comemora Lucas Tadeu Ferreira, diretor do DECAF - Departamento do Café do Ministério da Agricultura. Para Washington Rodrigues, da Ipanema Coffees, o resultado "definitivamente põe fim ao mito, à velha idéia de que o Brasil produzia quantidade e não qualidade". Opinião compartilhada por Raymond Rebetez, da Fazenda Lambari, para quem "as notas obtidas demonstram que estamos absolutamente em linha com o que há de melhor na América Central e que podemos produzir cafés de altíssima qualidade, além de ambientalmente e socialmente sustentáveis". Para Renato Farah Brito, da Sete Cachoeiras, conquistas como essa vão efetivamente começar a mudar a visão dos compradores. "Foi uma grande surpresa", diz.

O resultado foi divulgado em Atlanta, nos Estados Unidos, no dia 17, durante a conferência e feira de cafés especiais da SCAA – Specialty Coffee Association of America. O concurso é realizado há cinco anos pela Rainforest Alliance, uma das maiores certificadoras socioambientais, que atrela qualidade à sustentabilidade. Até 2008, as fazendas inscreviam individualmente seus lotes. Porém, com o grande crescimento de cafés certificados pela ONG no mundo (93% em cinco anos), decidiu-se pela promoção, em cada país, de certames que pré-selecionassem os melhores lotes. No Brasil, a prova foi realizada em novembro passado pelo Imaflora - Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola (ONG responsável pelas auditorias da certificação Rainforest no Brasil), que organizou o 1º Concurso de Qualidade de Cafés Certificados Imaflora/Rainforest Alliance, do qual resultou o ranking dos dez melhores lotes de cafés.

Para Washington Rodrigues, diferentemente do Cup of Excellence, famoso concurso que premia os melhores cafés de cada país, "o Rainforest Alliance Cupping tem a grande vantagem de colocar lado a lado cafés de diferentes origens, possibilitando a comparação e premiando os melhores do mundo". Ao todo, concorreram lotes produzidos por 80 fazendas certificadas de 11 países (Panamá, Indonésia e Etiópia participaram com apenas uma fazenda cada). As provas de seleção foram realizadas em março, nos Estados Unidos, por um Júri Internacional. De acordo com a Rainforest, 94% das fazendas participantes receberam nota 80 ou acima, o que demonstra que práticas sustentáveis, como conservação dos ecossistemas, os direitos dos trabalhadores, proteção dos animais selvagens, da água e conservação do solo, têm contribuído na produção de cafés de alta qualidade.

"O Brasil é muito avançado na cafeicultura sustentável e agora ganha esse grande reconhecimento mundial", diz Nathan Herszkowicz, diretor-executivo da ABIC - Associação Brasileira da Indústria de Café. A entidade, que possui a certificação PCS - Programa Cafés Sustentáveis do Brasil, já estuda, inclusive, uma parceria com a Rainforest para aumentar a demanda desses cafés no mercado interno.

veja também