Chefs de São Paulo falam sobre seus quitutes de rua preferidos

Chefs de São Paulo falam sobre seus quitutes de rua preferidos

Atualizado: Quarta-feira, 9 Setembro de 2009 as 12

Chefs de São Paulo falam sobre seus quitutes de rua preferidos

Já é uma tradição. Semanalmente, uma turma de chefs de restaurantes da cidade de São Paulo se reúne para comer pastel na rua. Mas tem de ser em uma barraca específica e em uma determinada feira. Passar pelo crivo dos especialistas não é fácil. "É enorme a diferença entre um recheio benfeito e um ruim", analisa a festejada Andrea Kaufmann, do AK Delicatessen e integrante do grupo. Como eles, outros chefs descobriram nas ruas quitutes da baixa gastronomia e revelam o caminho das pedras.

Chefs Benny Novak, Fabiana Caffaro e Andrea Kaufmann comem em feira da rua

O biju predileto de Bella Masano (chef do Amadeus)

"Não resisto ao biju (R$ 2) do farol da Groelândia com a Nove de Julho. Me dá água na boca só de pensar naquela massa fininha, crocante. Pena que engorda. Quando paro no farol, torço para não dar tempo de o moço chegar até o meu carro, senão eu compro."

R. Groelândia com a av. Nove de Julho, Jardim Paulista, região oeste, São Paulo, SP. Seg. a sex.: a partir das 16h.

Carlos Ribeiro, chef do Na Cozinha, e sua cocada

"Chego a sonhar com a cocada de coco queimado (R$ 1,50) da Paulista. A massa, macia e molhadinha, faz um contraste incrível com os pedaços de coco durinhos. O ponto também é muito bom. E olha que eu sou nordestino, ninguém me engana, não."

Av. Paulista, altura do nº 2.206, Cerqueira César, região oeste, São Paulo, SP. Seg. a sex.: 11h às 15h.

O pastel de Benny Novak, chef do Ici Bistrô e do Tappo

"Adoro o pastel de queijo (R$ 2,50) da feira da rua Mato Grosso. Mas tem que ser na barraca que fica na rua Pará. Já comi em outras e não gostei. Lá, a massa é leve, benfeita e todos os ingredientes vêm na quantidade certa."

R. Pará, esq. com a rua Itacolomi, Higienópolis, região central, São Paulo, SP. Sex.: 7h às 13h.

O espetinho de Fabiana Caffaro, chef do Anita

"Sempre como o 'espetinho de gato' (R$ 1,25) da travessa Ouro Branco. Ele é feito com peito de boi, mas é muito macio. Vem com pedaços de gordura, que dão sabor à carne. Você compra, passa na farinha de mandioca torrada e manda ver."

Tr. Ouro Branco, próximo à av. Nove de Julho, região central, São Paulo, SP. Seg. a sex.: 17h às 21h.

A tapioca do Olivier Anquier, chef do L'Entrecôte de Ma Tante

"Como muito a tapioca de carne-seca com queijo de coalho (R$ 5) da Neuza. O recheio é generoso e bem temperado. Serve como almoço e jantar por uns três dias! E eu gosto porque a barraca dela é no meio da muvuca, da confusão do centro."

R. Dona Antônia de Queiroz, 15, região central, São Paulo, SP. Seg. a sex.: 15h às 21h.

Renato Carioni, chef do Così, e o yakisoba

"No yakisoba (R$ 6) da Joaquim Floriano tudo é bom: o macarrão, os legumes, o molho. Não precisa botar mais sal nem sobra açúcar. Isso é mais fácil de achar em comida de rua do que em muito restaurante, sabia?"

R. Joaquim Floriano, entre as ruas Manoel Guedes e João Cachoeira, Itaim Bibi, região oeste, São Paulo, SP. Seg. a sex.: 12h às 17h.

Postado por: Felipe Pinheiro

veja também