Criança mal alimentada será adulto com saúde frágil

Criança mal alimentada será adulto com saúde frágil

Atualizado: Quarta-feira, 15 Outubro de 2008 as 12

Atualmente, nossas crianças se deparam com uma grande oferta de guloseimas. Propagandas cada vez mais apelativas, produtos industrializados e quando não aceitam bem o almoço e o jantar, os pais acabam oferecendo os alimentos que são de fácil preparação ou prontos para consumo. O que nós nutricionistas temos visto, são crianças com sobrepeso ou obesas, desenvolvendo carências de nutrientes porque o que vale é uma dieta equilibrada, com qualidade, e não apenas a quantidade.

Vejamos algumas dicas importantes. A criança deve fazer suas refeições na mesma mesa que os familiares assim pode aprender a comer à mesa, tornando o ambiente sempre agradável e alegre. Lembre-se de que a criança vai observar e tende a imitar os hábitos alimentares dos pais. Evite comentários desfavoráveis em relação a esse ou aquele alimento.

O horário da refeição da criança deve ser obedecido para que ela não troque a alimentação correta por guloseimas. Não ligue a televisão ou leia enquanto fizer a refeição, isso faz com que nenhuma das atividades seja praticada com atenção.

Diminua os líquidos nas refeições. Durante as refeições as bebidas precisam ser controladas, pois a criança troca facilmente a comida por sucos ou refrigerantes. Os refrigerantes podem ser dados, mas sempre de forma limitada, aos finais de semana, por exemplo. Procure utilizar pratos coloridos. O visual do alimento é o primeiro passo para tornar o prato atrativo. Envolver a criança no preparo dos alimentos fará com que ela sinta vontade de experimentar novos sabores.

Tenha firmeza e equilíbrio. Quando a criança se alimentar fora de hora ou comer, com freqüência, alimentos inadequados, pode ocorrer prejuízos no seu estado nutricional.

Coloque pouca comida no prato. O volume da refeição da criança de 1 a 6 anos deve ser adequado à sua pequena capacidade gástrica. Pratos grandes, além de não estimulá-la, trazem aversão, pois ela já se satisfaz só de olhar. O correto é colocar pouco volume de cada vez, no prato, e se ao final da refeição houver um pedido de mais comida, é conveniente servir porções menores do que a anterior.

A água não engorda, não têm calorias, participa de todos os processos fisiológicos do organismo. No sistema circulatório age como um meio de transporte para os nutrientes e todas as substâncias corpóreas, inclusive auxiliando na desintoxicação do corpo.

O Grupo dos Energéticos é a principal fonte de carboidratos. Pães, cereais, massas e arroz, batata, mandioca e mandioquinha. Esses alimentos fornecem carboidratos complexos e são importantes fontes de energia. Devem ser consumidos em várias refeições já que são os principais fornecedores de energia do organismo. Por exemplo: no café da manhã, entram os cereais ou pães. No almoço e no jantar, arroz, macarrão, batata e mandioquinha. Açucares e doces fornecem carboidratos simples e não devem ser consumidos abusivamente principalmente pelas crianças. Então, cuidado com o excesso de achocolatados, doces e açúcar para adoçar, devemos sentir o sabor dos alimentos e não deixar sobressair o gosto do açúcar.

Principal fonte de vitaminas, minerais e fibras, é com o Grupo dos Reguladores que nossas crianças têm mais deficiência, consumindo apenas 1/3 das necessidades diárias. Devem estar presentes nas principais refeições: café da manhã (frutas, sucos), almoço e jantar (saladas, legumes, verduras) . Quanto mais colorido o prato, melhor.

Já o Grupo dos Construtores é a principal fonte de cálcio e proteína. Carnes, ovos e laticínios, devem estar presentes nas principais refeições para estimular o desenvolvimento e crescimento dos ossos. São ainda fontes de vitaminas do Complexo B, ferro, fósforo, magnésio, zinco e outros minerais. Devem ser consumidos nas refeições principais, como almoço e jantar.

*Luiz Evaristo Sinicio - Nutricionista com especialização em Nutrição Clínica (FMRP/USP) e com 21 anos de atuação.

veja também