Dieta do Tipo Sangüíneo

Dieta do Tipo Sangüíneo

Atualizado: Sexta-feira, 9 Janeiro de 2009 as 12

Há pessoas que passam a vida experimentando novas dietas até encontrar a que se encaixe em seu perfil. Atualmente existe uma desenvolvida pelo médico naturopata Peter D`Adamo, segundo o qual o segredo de um corpo em forma está na memória genética do grupo sangüíneo de cada indivíduo. Trata-se da "Dieta do Tipo Sangüíneo".

De acordo com a teoria, há correlações entre os tipos de sangue A, B, AB e O com os alimentos, com a personalidade e com o estilo de vida de cada pessoa, propiciando uma vida longa e saudável. Em sua obra, Dr. D’Adamo dividiu os alimentos em 16 tipos e três categorias: benéficos – atuam como remédios, capazes de prevenir e tratar doenças –, neutros – agem apenas como alimento e não interferem no funcionamento do organismo – e nocivos – caracterizados como um veneno ao organismo, podendo causar ou agravar doenças.

A naturopata Eva Hermann, que trabalha há nove anos com esta dieta, já atendeu pacientes que mudaram definitivamente seus hábitos de vida e emagreceram até 16 kg em 40 dias. Drª Eva garante que quando o homem come algum dos alimentos considerados nocivos para seu tipo de sangue, agride seu organismo, o que pode gerar complicações como envelhecimento precoce e obesidade.

"Só há benefícios nessa dieta. Inclusive uma criança pode ser acostumada, desde o nascimento, a se alimentar de acordo com seu tipo sangüíneo", afirma a médica. Ela explica que uma alimentação baseada nesta teoria pode determinar um melhor funcionamento das funções digestivas, estruturais, imunológicas, além de auxiliar no emagrecimento, o que ajuda a evitar diversas doenças.

É bom que se deixe claro que nem todos os médicos concordam com essa teoria. Segundo a nutricionista Christina Maia, apesar de esta dieta possuir uma explicação lógica, não apresenta nenhuma comprovação científica. E se adotada sem acompanhamento, em vez de ajudar, pode comprometer a saúde.

"Através de uma análise, podemos identificar facilmente riscos ocasionados pela prática desta dieta. Anemia e doenças cardiovasculares, devido ao aumento dos níveis de colesterol, são apenas dois exemplos do que pode ocorrer com a utilização desta dieta sem acompanhamento profissional", determina.

"Dieta do Tipo Sangüíneo" para cada grupo:

Grupo O – Quase 50% da população possui esse tipo sangüíneo, pertencendo ao grupo mais antigo, descendente de caçadores ativos e musculosos. Geralmente, essas pessoas precisam comer proteína animal todos os dias, têm um sistema imunológico bem ativo e seu aparelho digestivo é forte, pois produz sucos gástricos em abundância, o que pode causar doenças estomacais, como gastrites e úlceras. Os exercícios físicos devem ser intensos.

Grupo A – Este tipo surgiu a partir de mutações por causa do consumo de vegetais. Por isso, as pessoas desse segmento têm uma maior tendência a serem vegetarianas. Essas pessoas produzem menos suco gástrico e seu aparelho digestivo é sensível, apresentando dificuldades para decompor as proteínas e gorduras de origem animal. Doenças do coração, câncer e diabetes são enfermidades comumente observadas entre esse grupo. Os exercícios físicos devem ser mais suaves e exigir concentração.

Grupo B – Cerca de 10% da população pertence a esse grupo, que surgiu quando os humanos migraram para o norte e encontraram terras mais frias e sombrias. Este é o único tipo sangüíneo que tolera a ingestão de laticínios. Sua dieta pode ser mais variada, incluindo carnes vermelhas. O forte sistema imunológico dessas pessoas reage melhor ao estresse com criatividade. Os exercícios devem ser moderados.

Grupo AB – A última classificação sangüínea engloba cerca de 4% da população. Este grupo surgiu de uma adaptação moderna, que mistura os tipos A e B. Seu aparelho digestivo é sensível e necessita de alimentos em porções equilibradas. Entretanto, seu sistema imunológico é excessivamente tolerante. Os exercícios físicos devem acalmar e promover a concentração.

veja também